Nerd: Uma perspectiva histórica!

-por , em 12/03 -
Nerd: Uma perspectiva histórica!

A cada dia que passa nosso mundo está mais conectado, mais informatizado e mais dinâmico – apenas para elencar alguns adjetivos e abstrair, propositalmente, certos comentários depreciativos. Esse mundo, felizmente, é um mundo governado por outro tipo de ser: o Nerd. Mas… Quem exatamente é esse cara?

 

Curiosamente o termo acima não é encontrando em bibliotecas virtuais de artigos acadêmicos. Uma busca no Google revela apenas um pequeno verbete da Wikipedia (enciclopédia virtual que ainda guardo certas ressalvas em utilizar para escrever qualquer coisa), que aborda certos aspectos dessa terminologia. A personagem “nerd” é cada vez mais comum e constante na nossa sociedade e, pasmem!, é um tema inédito! Fica a dica para possíveis colegas de Ciências Sociais…

 

“Nerd” é um arquétipo, certo? Quando pensamos em “nerd” uma imagem vem a nossa cabeça. Da mesma forma quando pensamos em outros grupos. Dando um exemplo: se pensamos em Star Wars a maioria das pessoas vai pensar em um Jedi e não em um Hutt qualquer… O problema é a construção dessa imagem.

 

Quando analisamos um determinado grupo, podemos pensar sobre ele de duas formas: a forma etnocêntrica, isto é, a forma pela qual o grupo do outro é sempre analisado de acordo com o meu grupo (se o nerd gosta de informática e meu grupo não gosta, logo, eles não prestam e devem ser comidos pelo Sarlaque). Reparem que, muitas vezes, nos temos uma visão etnocêntrica sobre os outros… Para polemizar: quando pensamos em um pagodeiro, o que nos vem a mente? Pensamos no termo com discriminação? Aceitamos as diferenças ou não?

 

Se aceitamos as diferenças, estamos usando uma forma de perceber outros grupos chamada “relativização cultural”. É quando, grosso modo, pensamos sobre o outro através do ponto de vista do outro. Estranhamos a nossa realidade particular e passamos a tentar entender a realidade do outro. Se vocês tem interesse nesse tipo de visão, aconselho a leitura do antropólogo Roberto da Matta.

 

Na minha visão o termo “nerd” mudou muito com o passar dos anos. Atualmente o conceito está misturado com a nossa visão sobre a Era da Informação (tema que tratarei em um próximo artigo – se os diretores do Coxinha permitirem…). Hoje o termo não é visto com tanto desdém e, cada vez mais, relaciona-se com alguém conectado, ciente do que acontece.

 

Perfil Raphael Pires

Raphael Pires

Raphael Pires, além de amigo, é estudante de História no Cederj – UniRio e principalmente, jogador e mestre de RPG há mais ou menos 13 anos
Facebook

Cris Siqueira
por

Cris Siqueira

Nerd, administradora, RPGista, apaixonada por gastronomia, curiosa sobre todos os assuntos e acha que Darth Vader é Deus. Gasta seus “bons tempos” escrevendo, lendo, vendo seriados e viajando. Reza todos os dias para tirar sempre 20 nos dados e nunca morrer no meio de uma batalha!

Recomendamos para você