Motivos para você NÃO assistir Heroes Reborn!

-por , em 18/02 -
Motivos para você NÃO assistir Heroes Reborn!

Em 2006, foi lançada pela NBC o seriado Heroes, criado por Tim Kring. A série contava a história de seres humanos ordinários que, certo dia, descobrem serem capazes de fazer coisas extraordinárias. A serie então acompanha essas pessoas enquanto elas descobrem como lidar com suas habilidades e salvam o mundo, múltiplas vezes. A série foi um sucesso relativo, se estendendo por um total de 77 episódios em quatro temporadas. Sua audiência, que começou com mais de 14 milhões de espectadores, foi baixando durante do decorrer da série até que, na quarta temporada, menos da metade ainda acompanhava o show. Kring ainda esperava a renovação para uma quinta temporada, mas a série acabou sendo cancelada e, como resultado, tivemos um final de temporada não-conclusivo que deixou os fãs com gostinho de quero mais.

A tirar mais leite dessa proverbial vaca, a NBC resolveu lançar Heroes Reborn 5 anos depois do cancelamento da série original. Contanto ainda com a presença de Tim Kring (dessa vez como produtor) Reborns retoma onde o seu antecessor havia parado. Com seu primeiro episódio estreando no dia 24 de Setembro do ano passado, a mini-série (que tem uma primeira temporada de 13 episódios) trás atores e personagens novos, para tentar atrair um público mais jovem e ver se, novamente, conseguem tirar a franquia do chão.
Mas, depois de todo esse esforço, será que vale a pena assistir Heroes Reborn? Eu estou aqui para lhes dizer que não, e aqui vai o porque (alerta de spoilers, mas depois desse post, espero que ninguém se dê ao trabalho de assistir a série):

O Original Já Não Era Tão Bom

Sei que devem haver vários fãs de Heroes por ai que vão me odiar por dizer isso, mas a verdade é que Heroes nunca foi uma série excepcional para começo de história. Ela apareceu em uma época que o público brasileiro estava começando a descobrir a existência dos seriados e como eles eram bons. Lost, Subrenatural, How I Met Your Mother, 24 Horas e muitas outras séries de peso tinham acabado de ser lançadas e estavam abrindo caminho para o que a gente hoje sabe ser todo um universo vasto, incrível e maravilhoso e seriados para todos os tipos e gostos. Naquela época, porém, era tudo relativamente novo e havia muitos nichos que precisavam ser preenchidos. Com exceção de Smallville, o cenário de seriados estava com poucos seriados de super-heróis e Heroes surgiu para preencher essa lacuna.

Com efeitos especiais de ponta, um enredo de atores desconhecidos mais carismáticos, a primeira temporada contava com um enredo interessante e um mistério que nós queríamos ver ser resolvido. Quem era Sylar? Como ele era tão poderoso? Por que era tão importante salvar a líder de torcida? Todos faziam essas perguntas enquanto assistam a primeira temporada de Heroes.
Então a primeira temporada acabou. As perguntas foram respondidas e a série passou a brigar para conseguir se manter nova e interessante por mais três temporadas (e falhando miseravelmente nisso).

A verdade era que Heroes simplesmente não era muito original. Depois que passou o “uau” de ver personagens soltando raios ou voando com os efeitos especiais que rapidamente se tornavam obsoletos na época, a série passou a ser simplesmente uma cópia de diferentes enredos de histórias de quadrinhos diferentes. Apesar disso tudo, Heroes precisa ser lembrada como uma das primeira séries de heróis, que provou que algo nesse patamar era possível e abriu o caminho para muitas outras séries que vieram a seguir.
Cinco anos depois do seu cancelamento, surge Heroes Reborn. Agora o universo mágico e incrível dos seriados está bem solidificado no mundo e temos um enxurrada de séries de super-heróis. Em um mundo que conta com a presença de obras primas como Jessica Jones, Demolidor e The Flash, Heroes Reborn se torna simplesmente pobre em comparação.

Heroes Reborn

Convidados Não Tão Especiais

Os produtores de Heroes reborn fizeram um esforço para atrair tanto o público antigo quanto novos espectadores. Para tanto, eles juntaram um elenco de novos rosto, com novos poderes e novos mistérios para serem resolvidos. Mas também buscaram manter a continuidade da série original e chamar o elenco antigo para fazer participações. O começo da série (na verdade ela quase toda) gira em torno do personagem de Jack Coleman, Noah Bennet, um homem que, apesar de não ter superpoderes, é bem inteligente e adaptável e está sempre com um plano. Ele está com problemas de memória e, logo, descobre que sua mente havia sido apagada. Em um “plot-twist” não tão imprevisível, acabamos descobrindo que ele mesmo mandou que apagassem a sua mente e que tudo aquilo fazia parte de um de seus planos.

Noah Bennet era o meu personagem favorito da série original. Eu achava muito foda como ele, sem superpoderes, conseguia derrubar caras capazes de voar ou de soltar raios pelas mãos e coisas do tipo. Mas ele não era muito forte como protagonista. Com exceção de Masi Oka, que faz uma ponta como Hiro Nakamura, nenhum dos grandes nomes da série original estão presentes em Heroes Reborn. Pelo visto, Hayden Penettiere estava muito ocupada com Nashville para poder aparecer como Claire Bennet. E onde estão Peter e Nathan Petrelli, Sylar e Niki Sanders? Em vez deles, nós temos o retorno de personagens secundários, como Mat Parkman e Angela Petrelli.

A série até que faz jus aos personagens que eles reutilizam. Noah é continua sendo o homem com um plano, Angela Petrelli continua maquiavélica e Parkman continua sendo um bundão. O mais decepcionante, porém, é que Heroes Roborn sai do seu caminho para matar quase todos os poucos personagens que eles conseguiram trazer da série original. É… acho que Jack Coleman e Greg Grunberg tavam pedindo um cachê muito alto…

Heroes Reborn Hiro

Nada Faz Muito Sentido

O mundo está em perigo. Duas caudas de fogo solar estão vindo em direção à terra e vai matar toda a humanidade se ninguém fizer nada a respeito. O destino do mundo está na mão do netos adolescentes de Noah. Os gêmeos são filhos de Claire e, apesar de terem nascido há apenas um ano, eles têm 15 graças ao maravilhoso poder de viagem temporal de Hiro Nakamura. O garoto se chama Nathan Bennet, ou é Tommy? Ele tem mais de um nome, pois está sempre fugindo apesar de não saber por que. Ele tem o poder de teleporte e, mais tarde descobrimos, de viagem temporal também. Logo a gente descobre, porém, que esse não é o poder dele. O poder verdadeiro dele é o de roubar os poderes de outros Evos e que ele roubou o poder de Hiro (que se tornou só um velho japonês baixinho no final da temporada).

Toda a premissa de Heroes Reborn é que os dois gêmeos estão separados e precisam se encontrar apenas no momento certo para salvar o mundo. SE eles se encontrarem antes, corre o risco de Tommy roubar os poderes da irmã e de tudo ir por água abaixo. Só que a gente acaba descobrindo que eles se encontraram quando eram criança. Em um ambiente controlado, Angela Petrelli promove o encontro dos dois para testar suas habilidades e descobrir exatamente como eles salvariam o mundo.

Na ocasião, Tommy não só estava próximo a sua irmã, mas também ao René e à própria Angela. Por que danado o garoto de sete ou oito anos, que não fazia a menor ideia de como seu poder funcionava, não acidentalmente roubou os poderes deles (perdendo, assim, a capacidade de viajar no tempo para sempre). Não só isso, mas o garoto entrou em contato com outros Evos durante o decorrer da série, incluindo Luke e Casper (vou falar deles adiante, não se preocupem). Devemos concluir que existe algum tipo de “trava de segurança” para o poder do garoto?

Heroes Reborn

Mas, pelo menos o poder de Tommy tem alguma coerência genérica. Peter Petrelli tinha a capacidade de pegar o poder dos outros emprestados involuntariamente e, como Tommy era filho de Claire (uma Petrelli que fora posta para adoção) ele, consequentemente era um Petrelli e, por isso, tinha um poder similar ao do tio. Só que isso NUNCA aconteceu antes em Heroes. Micah Sander, o filho de Niki Sanders, conseguia falar com máquinas, enquanto Niki era super forte. Nathan Petrelli, o filho de Angela, tinha poder de voo, enquanto seu irmão absorvia poderes dos outros. Nenhum dos dois tinha o dom de sonhar com o futuro que Angela tinha. Durante TODA a história do universo de Heroes, nunca nenhum poder específico foi transmitido geneticamente.

E quanto à Malina, a irmã gêmea de Tommy? O seu poder pode ser descrito apenas como “fazer coisas aleatórias com o vento”. Ela arremessa seus perseguidores com o poder do vento, tira pessoas de dentro da água controlando o vento e segura uma cauda de fogo solar com o vento. O poder dela é vago e estranho e é muito pouco desenvolvido, pois Heroes Reborn está ocupado demais acompanhando a história de Noah e desenvolvendo os outros personagens masculinos da história. Mas as estranhezas não para nos gêmeos.

Casper é um dos personagens novos. Ele é capaz de apagar as memórias das pessoas, colocando-as em moedas de cinco centavos. Ele olha para sua vítima, seleciona as memórias e faz com que ela toque a moeda de cinco centavos. Ai, puff, a memória sumiu. Já ouviu falar da expressão “penny for your thought?”. Nos Estados Unidos, penny é o nome dado às moedas de cinco cents e, quando alguém está muito pensativo, outra pessoa oferece uma penny para que ela conte seus pensamentos. É uma forma de dizer que se está curioso com a expressão pensativa do outro e que gostaria de saber no que ele está pensando.

Heroes reborn

Isso dá todo um significado para o poder de Casper que, de fato, cita essa expressão enquanto usa seu poder. O problema é que Heroes parte do pressuposto e que os poderes dos Evos são frutos de evoluções biológicas aleatórias e eu acho estranho as evoluções biológicas terem uma consideração tão grande por expressões populares norte-americanas. Harris Prime é um homem capaz de se multiplicar. Mas, diferente do vilão da quarta temporada da série original, que fazia cópias de si mesmo, o poder de Harris é muito mais doloroso. Ele precisa cortar um pedaço de si fora, para que outro cresça a partir disso. Até ai, tudo bem. Mas por que a cópia já aparece totalmente vestida? O poder de Harris se estende para as suas roupas? Então por que ele teve que pedir seu rolex de volta para a sua cópia, outro não deveria ter, simplesmente, brotado no seu pulso?

Ai chegamos em Luke que foi o maior motivo para eu ter assistido Heroes Reborn e minha maior decepção com a série. Ele é interpretado por Zachary Levi, um de meus atores favotiros. Eu amei todas as temporadas de Chuck e acho Levi um excelente ator com muito carisma. Luke não é nada disso. Ele nem faz sentido. Um grupo de Evos terroristas faz um ataque que resulta na morte de seu filho e Luke e a esposa (Joanne), resolvem sair por ai caçando e matando pessoas com superpoderes? Sério? Um bebê de dois meses que levita no berço sempre que chora foi responsável pela morte do seu filho e merece morrer?

O filho de Luke, Dennis, era um Evo cuja habilidade especial era ter queimaduras de terceiro grau sempre que ele entrava em contato com a luz do sol. Sério. Ele tinha que andar sempre com roupas pesadas e capuz para se proteger. Sinceramente, com um poder desses, o pirralho ia morrer mais cedo do que tarde. Luke descobre que ele consegue absorver a energia do sol e canalizá-la para queimar as coisas (finalmente um poder que faz algum sentido) e se arrepende de ter matado tanto evos. Ele tenta se matar e acaba sendo resgatado por Malina e recebe uma segunda chance na vida: se redimir ajudando a salvar o mundo.

Heroes

O problema com Luke é que ele é simplesmente inconstante emocionalmente. No começo da série, quando ele mata uma sala cheia de evos, ele parece um assassino de sangue frio, que perdeu os sentimentos no mesmo dia em que perdeu o filho. Ai ele se arrepende e volta pra casa e fica sentimental e taca fogo na casa e tenta se matar por que se arrependeu de seus pecados. Ah, então ele se arrependeu! Ele, de fato, tem sentimentos. Até que ele mata a ex-esposa, mãe do seu filho morto, e não derrama uma lágrima.

Heroes Reborn tem um vasto repertório de personagens fracos com poderes sem sentido. Tem um cara cujo poder é aprisionar pessoas dentro de um jogo de computador. A filha desse cara (que na verdade não é sua filha, mas é uma personagem do jogo baseada na sua filha morta) luta com uma kataná e entra no universo do jogo toda vez que ela desembainha a espada. Uma das vilãs tem poder de controle de sombra que é usado para anular os poderes dos outros, e para matar os outros sufocados com tentáculos de sombras, e fazer qualquer outra coisa que os roteiristas da série acharem necessário na hora.

Tem uma mulher que transforma tudo que ele toca em ouro. O fato dela se dar ao trabalho de usar luvas me leva a crer que ela não tem controle sobre o que ela transforma. Então por que a mão dela não está com uma luva de ouro? Confuso? Pois é, e isso é só a ponta do Iceberg. No final da temporada, os gêmeos Malina e Tommy salvam o mundo da cauda solar. Sacrificando o próprio avô, usando-o como uma espécie de canalizador para seus poderes, eles soltam um raio de energia na cauda solar, fazendo com que a mesma não atinja a terra.

Como assim? Uma tem o poder de controlar o vento, o outro rouba poderes alheios e, atualmente, pode viajar no tempo e espaço. De onde veio o raio? Raio não tem nada a ver com nenhum dos poderes deles! E, mesmo se tivesse…. COMO é que um raio impede uma cauda de fogo de matar a humanidade? Vem vindo uma cauda de fogo… O que você faz? Atira um raio lazer nela? Sério? Isso não faz o menor sentido.

Heroes reborn

Em conclusão, Heroes Reborn é uma série que não vale a pena assistir, nem se você é um grande fã da série original? Não acredita em mim? Pois a NBC concorda comigo e acabou anunciando no dia 13 de janeiro que a série não seria renovada para a segunda temporada.

Cris Siqueira
por

Cris Siqueira

Nerd, administradora, RPGista, apaixonada por gastronomia, curiosa sobre todos os assuntos e acha que Darth Vader é Deus. Gasta seus “bons tempos” escrevendo, lendo, vendo seriados e viajando. Reza todos os dias para tirar sempre 20 nos dados e nunca morrer no meio de uma batalha!

Recomendamos para você