De tempos em tempos, sinto a necessidade de desabafar um pouquinho sobre as coisas que estão acontecendo no Brasil e no mundo! Sei bem que vocês amam o mundo do entretenimento, mas não podemos ficar alheios ao que anda acontecendo. Se temos uma opinião, precisamos emiti-la. Por isso, peço que você comente, lá embaixo, nos comentários do post, sua verdadeira opinião sobre o tema a ser abordado aqui! Vamos discutir um pouquinho sobre preconceito e até onde vai o meu direito de me meter em sua vida? Independente dos valores criados pelos homens ou pelas religiões, ao longo dos anos? Acho que a semana está ótima, para esse tipo de discussão.

Começando pelo começo, para quem esteve viajando por outros planetas nesta última semana. O Boticário, empresa de conhecimento de todos, publicou, esta semana, sua propaganda de 30 segundos, temática pelo dia dos namorados, que rola na próxima semana. A propaganda mostra algumas pessoas se arrumando para um encontro e saindo de casa para entregar seus presentes de dia dos namorados!

O problema: Dois casais eram homossexuais, dois homens e duas mulheres, que apareceram, respectivamente, por míseros 3 segundos, se abraçando. Assim como o outro casal heterossexual da propaganda que era, como muitos tem a mania de dizer, “aceitável por ser heterossexual”. Veja a propaganda abaixo e depois vamos conversar mais um pouquinho:

Bom, depois que a propaganda foi ao ar, O Boticário recebeu inúmeras reclamações de pessoas ligadas à Igreja Evangélica e pessoas simplesmente que queriam defender os tais “valores da família” – que, por sinal, já deveriam ter sido revisados há muito tempo. Nas redes sociais, acompanhamos uma avalanche de reclamações, de termos como “boicote”, de tanta coisa, que gente, foi quase uma guerra virtual. Sério!

Para ilustrar, positivamente, esse post e defender a ideia de que nem tudo está perdido, li dois posts bem interessantes sobre o tema: Um de Leonardo Luz (leia aqui) e outro da Bic Muller (leia aqui). O texto do Leo Luz mostra exatamente o que eu falo sempre: Deus deve ter muito mais coisa para fazer do que ficar se preocupando com quem amamos ou deixamos de amar. Ele foi enfático (me referindo aos que acreditam em Bíblia, claro), ao dizer que deveríamos “amar as pessoas como a si mesmo”. Ele falou AS PESSOAS, em momento nenhum ele disse que Joãozinho deveria amar Mariazinha ou que Mariazinha deveria amar Joãozinho. To começando a achar que deveriam colocar aula de interpretação de texto, junto com as aulas de catecismos e etc…

Polêmica Boticario

O texto da Bic fala sobre todas as empresas nacionais e multinacionais que aderiram, em algum momento, a campanha a favor da liberdade de expressão e de amor. O post, claro, voltado para o lado bem humorístico da história, mostra a lista de empresas que são a favor da liberdade e ainda fala que, caso queiramos fazer boicote de fato, precisaremos pausar algumas muitas coisinhas em nossas vidas. Então amigos e amigas, o boicote é meio que um caminho sem volta para uma vida solitária e triste, quer isso mesmo?

Eu resolvi escrever esse post simplesmente para dizer que, gente, se um de vocês, da noite para o dia, resolverem se meter em alguma coisa da vida de outra pessoa, pensem se gostariam se isso acontecesse com vocês também. É chato demais, independente do que a sociedade prega como certo ou errado, vamos ser coerentes: se não for crime, se não tiver agredindo ninguém, não se meta peloamordedeus. Ok? 🙂 Beijos!

Compartilhe: