O mundo que Tolkien criou vai muito além de todos os livros e filmes. A história dos personagens tem conteúdos profundos, cada um deles apresenta emoções e esboços de um passado distante, dando uma profundidade que impressiona muitos entendidos do assunto. A história do Gollum, apresentado como um importante vilão cômico da saga é muito mais importante do que alguns podem imaginar. Vamos destrinchar um pouquinho este tema hoje…

O povo de Sméagol, como Gollum era chamado antigamente, vivia nos Campos de Lis. Eles eram descendentes da linhagem hobbit dos Grados, que migraram para lá vindos de Eriador por volta de 1356. Sméagol provavelmente nasceu na primeira metade do século, ele era membro de uma grande, próspera e respeitada família, que tinha sua avó como matriarca. No dia do seu aniversário, por volta de 2463 da terceira era, Sméagol foi pescar com seu primo Déagol. Déagol foi puxado para a água por um peixe e emergiu com um anel de ouro.

Ambos contemplavam o “um anel”, pertencente a Sauron*, o Senhor das Trevas, que havia sido perdido durante a morte de Isildur** na batalha dos Campos de Lis muito tempo antes. O desejo de Sméagol pelo Anel levou-o a matar Déagol. Ele escondeu o corpo e ninguém jamais descobriu o que aconteceu. Sméagol descobriu os poderes do “um anel” ainda sob o teto de sua avó, usando-o para descobrir segredos, cometer pequenos furtos e toda a sorte em seus malfeitos.

Sem título

Com o tempo, os atos de Sméagol começaram a refletir em sua família, que o desprezava cada vez mais. Sua garganta começou a fazer um barulho muito característico, o que lhe rendeu o apelido “Gollum”. Finalmente, a avó de Sméagol o expulsou de seu lar. Sméagol vagou ao norte pelas bordas de Anduin, sem destino. Seu corpo sofreu alterações significativas e com o tempo, o pequeno começou a odiar a luz do sol, buscando lugares cada vez mais escuros. Encontrou refúgio nas Montanhas Sombrias, e ali sofreu as mudanças físicas mais drásticas: sua pele perdeu cor e textura, os membros ficaram desproporcionais, os cabelos caíram significativamente e os olhos dilataram muito.

A mente de Gollum foi consumida pelo “um anel”, mas não destruída. O “um anel” prolongou sua vida mas não quebrou a resistência natural dele a seus desígnios, afinal, ele descendia dos hobbits. Gollum viveu por cerca de 500 anos com o “um anel”, nas montanhas e se alimentava basicamente de peixe cru, embora conseguisse abater alguns orcs que moravam por ali. Os poderes do “um anel” facilitavam a caça. O “um anel” possuía vontade própria, quando Gollum deixou de lhe ser útil, ele simplesmente o abandonou.

Este abandono ocorreu no ano de 2941 da terceira era, justamente quando uma comitiva formada por 13 anões, um mago e um hobbit explorava as Montanhas Sombrias. E foi assim que Bilbo Bolseiro encontrou o “um anel”. Tentando unir o útil (a recuperação do “um anel”) ao agradável (alimentar-se de Bilbo Bolseiro), Gollum propôs um jogo de adivinhas. Se ele vencesse, poderia devorar Bilbo e ficar com o “um anel”; se Bilbo vencesse, Gollum lhe mostraria a saída.

Sem título

As adivinhas que Bilbo fez lhe lembravam do mundo exterior, o que irritou Gollum. Ele fez a adivinha derradeira: “o que tenho no bolso?” e enquanto questionava o monstrinho, Bilbo tinha em seus bolsos o “um anel”. Gollum falhou, perdendo o jogo e teve sua rivalidade com Bilbo marcada pela fuga do Hobbit da caverna. Bilbo então, assim como Sméagol, logo descobriu as habilidades do “um anel” e fugiu invisível para que Gollum não o matasse.

Depois de uma longa jornada de descobertas sobre Bilbo e o “um anel”, Gollum foi capturado e levado para Barad-dûr, onde foi interrogado e torturado por asseclas do Senhor das Trevas. Sauron queria informações sobre o “um anel”, mas foi surpreendido pela resistência de Gollum (advinda de sua herança hobbit e da necessidade do “um anel”). Gollum desejava tanto o artefato que tentava escondê-lo até mesmo de Sauron. Finalmente, após torturas extremas, Gollum revelou os nomes “Bolseiro” e “Condado”, mas fez todos acreditarem que o Condado ficava nos Vales do Anduin.

Sem título

Após sair de Mordor, ele passou a seguir a Sociedade do anel, afim de obter seu “precioso” já que Frodo Bolseiro é o novo portador do “um anel”. Frodo e seu amigo Sam o encontram e o fazem prisioneiro, Gollum então, muito espertamente, diz que pode lhes servir como guia até Sauron. Os hobbits aceitam a oferta mas no meio no caminho Gollum com sua dupla personalidade planeja matá-los.

Durante o caminho para Mordor, Frodo tenta ajudar Gollum a ser bom e por um tempo o pequeno monstrinho consegue fazer sua metade boa prevalecer, mas depois de um desentendimento com Sam, ele volta a ser traiçoeiro e cruel. Gollum finge ser bom mas por pouco tempo já que Frodo logo descobre suas peripécias. Em uma briga de braço, Frodo joga Gollum de um penhasco e este sobrevive. Já na Montanha da Perdição, Gollum arranca o dedo indicador esquerdo de Frodo e com ele o seu tão desejado anel. Abalado com a emoção, Gollum se desequilibra e cai na lava junto com seu precioso. No final das contas, foi por causa de Gollum que Sauron foi destruído para sempre a Terra Média foi salva.

Sem título

*Sauron: Personagem do universo fictício da Terra-média criado por J.R.R. Tolkien, antagonista do romance O Senhor dos Anéis. Sauron também aparece como o Necromante no Hobbit e como tenente de Morgoth no Silmarillion.

** Isildur: Personagem fictício criado por J.R.R. Tolkien na trilogia de O Senhor dos Anéis. Na série Isildur pertence ao povo dos Homens e é da estirpe dos dúnedain. Residiu em Numenor e Minas Ithil. Filho de Elendil, e mãe desconhecida. Irmão de Anárion Teve 4 filhos: Elendur, Aratan, Ciryon e Valandil (esposa desconhecida) Sua altura era de cerca de 2,15 metros. Isildur foi o filho de Elendil, o Grande Rei de Gondor e Arnor. Juntamente com seu irmão Anarion governou Gondor no Sul, enquanto seu pai mantinha o Norte. Durante a Guerra da Última Aliança, Isildur cortou o Um Anel da mão de Sauron, mas recusou-se a destruí-lo. Isildur foi morto por Orcs e o Anel foi perdido no Campos de Lis por quase 2.500 anos.