Escolha uma Página

OS VERDADEIROS ASSASSINOS!

É provável que você conheça a história por trás de Mindhunter. O seriado chegou ao catálogo da Netflix no ano passado, mas conquista novos fãs a cada dia. Embora não seja completamente real, muitos personagens ali ocupam ou ocuparam celas em suas vidas. Principalmente após o surgimento de Charles Manson na 2ª temporada, ficou claro para o público a veracidade da série. Obviamente temos elementos fictícios adicionados ao longo da trama, afinal, a produção da Netflix é apenas baseada em histórias reais.

Mas você sabia que até mesmo os agentes do FBI tem sua versão na vida real? 

Holden

A mente brilhante por trás de Mindhunter está no personagem de Jonathan Groff, Holden Ford. O agente foi baseado em John E. Douglas, o autor do livro Mindhunter: Inside the FBI’s Elite Serial Crime Unit. Douglas já serviu de inspiração para outras produções, como O Silêncio dos Inocentes e Hannibal. A trajetória de Ford ao redor do país muito se assemelha a de John. Ele é tido por muitos como o responsável pela redefinição da investigação de assassinatos. Douglas entrevistou nomes como David Berkowitz, John Wayne Gacy, Charles Manson, Richard Speck e Edmund Kemper.

Bill Tench

As semelhanças aqui vão até o espaço físico. O personagem de Holt McCallanys não tem uma versão tão direta com sua versão da vida real, mas ela existe. Tench foi inspirado em Robert K. Ressler, um agente do FBI de Chicago. Ele se juntou a unidade em 1970 e lhe foi creditado a criação do termo ‘serial killer’, como na série. Ressler também entrevistou assassinos em série nos anos 80, desenvolvendo a primeira base de dados de crimes não resolvidos. Ele trabalhou em casos como o de Jeffrey Dahmer e Ted Bundy. Ressler faleceu em 2013.

Dr. Wendy Carr

Responsável por segurar as pontas muitas vezes, Wendy Carr também tem sua versão na vida real. A personagem de Anna Torv em Mindhunter foi baseada na Dr. Ann Wolbert Burgess. Ela trabalhou na Unidade de Ciências Comportamentais do FBI, ao lado de Douglas e Ressler. Os três foram os responsáveis pelo livro Sexual Homicide: Patterns and Motives. A trama é um estudo de serial killers publicado em 1988. Burgess foi a pioneira no tratamento de vítimas de abuso e traumas, além de fundar um programa para vítimas de violência sexual noBoston City Hospital.

Dennis Rader

Abrindo a galeria dos serial killer, temos Dennis Rader, o BTK killer. Ele vem aparecendo ao longo dos episódios da segunda temporada, em cenas paralelas a investigação. Rader deu esse nome a si próprio, significando bind, torture, kill (amarrar, torturar e matar, em inglês). Ele não foi capturado até 2005, e por consequência, deve aparecer na série por mais um tempo. Certamente um grand finale está sendo preparado para o assassino BTK! 

Ed Kemper

O assassino mais famoso de Mindhunter, dado seu tempo em tela. Kemper foi quase um protagonista em toda a primeira temporada, tendo feito uma pequena aparição na segunda. Sua relação com Holden foi, sem dúvida, um dos melhores arcos dos primeiros episódios. O personagem da série foi interpretado por Cameron Britton, cuja aparência muito se assemelha a de Ed. Algumas frases suas foram, inclusive, ditas pelo próprio assassino na prisão.

Assim como na série, Kemper foi colocado na mesma instituição que Charles Manson, a California Medical Facility. Manson, entretanto, foi realocado diversas vezes antes de sua morte em 2017. Kemper ainda está preso na California e deve ser ouvido novamente em 2024.  

Montie Ralph Rissell

O rostinho de bom moço não engana a crueldade por trás de Montie. Na série, seu personagem mostrou a Holden e Bill que nem todos os entrevistados seriam amistosos como Kemper. Interpretado por Sam Strike, o serial killer cometeu seu primeiro estupro aos 14 anos. Foi enviado para um manicômio, onde ficou conhecido por sempre enganar seus médicos. Quando foi preso, aos 19 anos, já tinha assassinado cinco pessoas e estuprado pelo menos doze. Atualmente está cumprindo cinco prisões perpétuas. 

Jerry Brudos

Conhecido como o “lust killer” (assassino da luxúria), ficou famoso por seu fetiche por sapatos. A participação de Brudos na primeira temporada mexe com a cabeça de Holden. O agente aprende como é importante traçar o perfil de criminosos da pior maneira. Suas ações começam a refletir na realidade, no relacionamento de Ford. Ele foi enviado para um manicômio após seu primeiro crime, sequestrando uma jovem de 17 anos. Vestido de mulher, Brudos matou pelo menos quatro jovens em 1968. Ele guardava parte de seus corpos como lembranças.

Brudos realmente foi o filho mais novo de uma mãe que queria uma filha. Seu fetiche por sapatos de mulher começou ainda pequeno, quando a mãe desejou que ele fosse uma delas. Brudos é interpretado por Happy Anderson. Brudos morreu na prisão em 2005. 

Darrel Gene Devier

Durante a primeira temporada, Darrell Gene Devier foi interrogado por Ford e Tench. Interpretado por Adam Zastrow, o personagem apresentou muitas semelhanças com o caso original. Ele realmente era um “podador de árvores” trabalhando na zona rural. Ele trabalhava em uma região na Georgia, onde a jovem de 12 anos, Mary Frances Stoner foi estuprada e morta. A maneira como o interrogatório foi feita também é real. Foram usadas as roupas e a pedra, o que acarretou na confissão. Até a questão envolvendo o polígrafo foi real.

David Berkowitz

A cidade de Nova York foi aterrorizada pelo assassino conhecido como ‘O Filho de Sam’. Seu método era simples: ele encontrava casais em estacionamentos e abria fogo. Quando foi preso em 77, Berkowitz disse as autoridades que estava ouvindo vozes de demônios. Ele estaria seguindo as ordens de um labrador possuído por entidades. Berkowitz foi interpretado por Oliver Cooper.

Outro detalhe do show que realmente aconteceu foi a ajuda que o assassino deu no caso BTK. Ele foi solicitado pelos agentes.

Elmer Wayne Henley

Uma das poucas entrevistas conduzidas por Gregg e Wendy. Enquanto Holden e Bill estão em Atlanta, os dois agentes vão entrevistar Henley. Interpretado por Robert Aramayo, o assassino de Mindhunter foi condenado a seis prisões perpétuas. Ele participou dos assassinatos em massa de Houston nos anos 70, além de ter matado Dean Corll, o mandante do grupo. Ele era o responsável por procurar as vítmas de Corll.

A história que o personagem conta para Wendy é verídica: quando Henley levou uma garota para casa, ao invés de um garoto, Corll tentou matá-lo. 

Wayne Williams

O último a aparecer em Mindhunter, Wayne Williams protagonizou quase toda a segunda temporada. Interpretado por Christopher Livingston, tornou-se um dos criminosos mais diferentes da série. Na vida real, Williams nunca admitiu ter cometido os crimes que cometeu, diferente dos outros entrevistados. Ele nunca confessou a morte das diversas crianças de Atlanta, assim como na série. Ele foi preso pelo assassinato de dois homens em 1981, mas desde então a polícia tenta conectá-lo a Atlanta. 

Para muitos moradores do local, incluindo pais de crianças mortas, o caso permanece sem resolução. Entretanto, as mortes pararam após a prisão de William. 

Charles Manson

O nome mais aguardado da segunda temporada, sem dúvida. Charles Manson está entre os serial killers mais famosos de todos os tempos. O intérprete de Manson na série é Damon Herriman, o mesmo que interpreta o criminoso em Era Uma Vez em Hollywood. A semelhança física é até mesmo bizarra! A relação de Ford com Charles reflete o fascínio que douglas tinha por ele, o que ele descreve em seu livro. 

Manson era o “responsável” pela Família Manson. Seus seguidores fanáticos o tratavam como um deus, fazendo tudo aquilo que ele mandava. O criminoso ficou famoso após o assassinato de Sahron Tate, atriz da década de 60.  Ela também era esposa de Roman Polanski, diretor polonês da época. Na vida real, Doulgas entrevistou Manson mais de uma vez, então é provável que o vejamos novamente na série. 

Tex Watson

Enfim chegamos ao último nome da lista. Ainda falando da Família Manson temos o nome de Tex Watson. Na série ele é entrevistado após o clima ter esquentado com Charles. Holden decide, então, falar com seu discípulo mais fiel. Para sua surpresa, ele descobre que acabara de ouvir muitas mentiras.

Em 1971, Watson foi condenado pelas mortes de Sharon Tate e seus amigos, a noite de 8 de agosto. Ele foi condenado a morte por seus crimes, mas todas as penas de morte foram invalidadas na Califórnia em 1972. Tex está preso atualmente no Richard J. Donovan Correctional Facility, em San Diego.

Interpretado por Christopher Backus, ele revela a Ford um detalhe importante e cruel. A informação foi contada por Tex na vida real. O criminoso revela que Tate implorou para ser levada a algum lugar que pudesse ter o bebê, para depois ser morta. Ele confessa ter vacilado, mas a influência de Manson em seu pensamento o fez cometer o crime.

Outros criminosos de menor importância para a série também existiram na realidade.  Dentre eles temos Paul Bateson, William Henry Hance, William Pierce Jr. e Richard Speck.