Verdades e mentiras sobre a Vitamina C!

-por , em 13/11 -
Verdades e mentiras sobre a Vitamina C!

Ninguém gosta de ficar resfriado e quase todo mundo prefere não dar muita atenção aos sintomas, logo no começo. A primeira auto-medicação é sempre a famosa Vitamina C, vendida em todas as farmácias do país de diferentes formas. Bom, certas pessoas realmente acreditam que, em se tratando de vitaminas, quanto mais, melhor! Por isso, ingerem grandes quantidades de suplementos vitamínicos porque pensam que tais substâncias melhoras a ou evitam o aparecimento de determinadas enfermidades, como o resfriado comum.

Alguns efeitos do excesso de vitaminas e minerais podem ser bastante incômodos e até perigosos. O Iodo, por exemplo, é um micronutriente importante no organismo humano para a síntese dos hormônios produzidos na glândula tireoide. Ele já está normalmente presente em alimentos como frutos do mar (ostras, moluscos, peixes de água salgada) e no sal comercializado no Brasil, que por lei é iodado. A suplementação, portanto, deve ser feita apenas se a pessoa não tem acesso a essas fontes de iodo ou apresente um quadro que exija doses maiores. Em caso de intoxicação por excesso significativo de iodo, podem surgir doenças como o bócio e o hipertireoidismo.

Outra substância, o molibdênio, presente em leguminosas, grãos de cereais, vegetais de folha verde-escura, etc., em falta no organismo pode originar sintomas como taquicardia, náusea e vômitos. Em excesso, porém, pode gerar a gota. Até o flúor, se consumido em excesso (como em locais em que a água potável é muito rica em flúor), pode se acumular nos dentes e nos ossos, podendo deixar os dentes manchados.

VITAMINA C

O excesso de vitamina D (cerca de 10 vezes a quantidade diária recomendada), por sua vez, pode causar sede excessiva, franqueza, nervosismo e hipertensão arterial. O ferro em excesso também faz mal. Ele pode se acumular no organismo quando consumido em quantidades excessivas ou por tempo muito longo, ou ainda quando um paciente recebe várias transfusões de sangue ou desenvolve alcoolismo crônico. Ferro em excesso pode ocasionar pele de coloração bronzeada, cirrose, câncer de fígado, diabetes e insuficiência cardíaca, e sintomas como artrite, impotência, infertilidade, hipertireoidismo e fadiga crônica. Os problemas e consequências, porém, podem ser controladas pelo médico se descoberta a questão a tempo. Exames de sangue podem apontar se há excesso de ferro.

Até a ingestão contínua de elevadas doses de vitamina C (acima de 1.000 mg/dia) pode causar diarreia, litíase renal (em pessoas susceptíveis) e alterações no ciclo menstrual. A interrupção abrupta na ingestão dessa vitamina por aqueles que a consomem continuamente em altas doses pode também causar o escorbuto de rebote.

Além desses exemplos, uma série de outros exageros de minerais e vitaminas podem ser listados. Também é importante ressaltar que os riscos estão relacionados ao consumo excessivo, significativamente acima do recomendado normalmente. A dica resumida é, porém, não arriscar – e evitar o uso indiscriminado, descontrolado e/ou exagerado desses produtos. Considere, mais do que essas dicas ou descrições de possíveis riscos, que mesmo suplementos de vitaminas e minerais devem, portanto, ser utilizados seguindo-se orientação médica.

Cris Siqueira
por

Cris Siqueira

Nerd, administradora, RPGista, apaixonada por gastronomia, curiosa sobre todos os assuntos e acha que Darth Vader é Deus. Gasta seus “bons tempos” escrevendo, lendo, vendo seriados e viajando. Reza todos os dias para tirar sempre 20 nos dados e nunca morrer no meio de uma batalha!

Recomendamos para você