Você já se imaginou sendo um personagem de um livro?! Sei lá, meio que naquela viagem de que tem alguém escrevendo a nossa história, já que não temos o total controle de nossas vidas, quero dizer, dos acontecimentos. E se realmente alguém nos escrevesse?! E se, de repente, começássemos a ouvir nossas vidas sendo narradas. Já pensou na loucura?! Podemos ver como seria, mais ou menos, essa situação! Já assistiu ao filme “Mais estranho que a ficção”? Não… Vem cá que eu te conto!

Harold Crick, um auditor da Receita Federal dos Estados Unidos, é uma pessoa extremamente cronometrada e contada, tudo direitinho. Conta as escovadas dos dentes, os passos até o ponto de ônibus, o tempo, porque não dizer, na verdade, é extremamente ligado ao relógio, aparelho este que dita o dia dele para ele e come uma maçã verde todo dia pela manhã. Ou seja, Crick é um ser solitário e chato. Até que em uma quarta-feira, ele ouve a voz de uma mulher.

Harold Crick

Uma voz que mais ninguém mais ouve e ainda por cima, ele percebe que a mulher narra a sua vida. Nem preciso dizer que isso foi um divisor de águas na vida dele. Ele para no psicólogo, mas, não se contentando com o diagnóstico de esquizofrenia, pergunta à psicóloga, o que ela faria, já que ele ouve uma narração e ela fala, “ah, procura um professor de Literatura”, e é isso que ele faz.

Escritora de Harold Crick

Ele vai falar com o professor de literatura, que começa a fazer o estudo do caso, e daí em diante, é trapalhada atrás de trapalhada, ainda mais quando Crick tem que auditar uma padeira, por quem acaba se apaixonando. Eu sei, pode parecer uma confusão só, e é, ainda mais que ele ainda acaba se encontrando com a sua autora. Pois é!

O filme tem uma receita completamente insana, daquelas que você passa, lê a sinopse e fala: “Ah, isso COM CERTEZA não vai funcionar!”, mas funciona, minha gente, muito bem, diga-se de passagem.

Por mais que tem o acontecimento surreal do personagem se encontrar com a escritora, que no enredo no filme, aceitamos naturalmente, o filme, entretém, desde as pessoas que só querem assistir um filme para se divertir, até quem gosta de fazer análises literárias malucas (como é o caso da pessoa louca que vos fala aqui). Encontramos entretenimento, mas também um algo há mais para se pensar.

Harold Crick, depois de se ver em meio a essa loucura, passar enxergar a vida de outra maneira, dá uma guinada de 180º, ele passa a viver e não só mais existir. Este é um filme para quem quer analisar o sentido das coisas, para quem quer analisar literatura, produção de texto, bom… Acho que perceberam que sou fã.

Harold mudando

Contando com excelentíssimo elenco que temos Will Ferrell como o personagem principal (não gosto tanto dele, mas, mandou bem nesse filme), Dustin Hoffman, como o professor de literatura, Emma Thompson, como a escritora, Queen Latifah e Maggie Gyllenhaal, Mais estranho que a ficção, é sem dúvida, uma comédia muito bem feita e que acho que merece aparecer aqui, como dica para vocês!

Espero que assistam e se assistirem, comentem aqui! Até mais, pessoas!

 

Compartilhe: