Qual é o lugar mais radioativo do planeta?

-por , em 10/06 -
Qual é o lugar mais radioativo do planeta?

Tenho certeza que todo nerd já pensou nessa pergunta um dia. É inegável que o lugar mais radioativo do mundo tem as maiores chances de produzir alguns super heróis para a nossa vidinha mundana, não acham? Brincadeiras a parte, vale colocar aqui que o lugar mais radioativo do mundo não é Chernobyl como a maioria pode imaginar e tampouco é Fukushima. A cidade que recebe este (nada divertido) título fica na Rússia, entre os montes Urais (lembra deles na aula da Tia Cotinha?), a alguns quilômetros da fronteira com o Cazaquistão. O nome da cidade é Ozyorsk e, se eu fosse você, riscaria essa cidade do seu mapa de próximos lugares para conhecer no mundo!

Ozyorsk é tão radioativo, mas tão radioativo, que se você der uma voltinha lá, morre em algumas horas. O lugar tem muita história e não é a toa que hoje é inabitável. Na década de 1940, a cidade foi sede de um centro de produção de material nuclear, que foi mantido em segredo até 1990. A função desse centro era extrair o Urânio-238 encontrado nas montanhas da região e enviar para a fabricação de armas. Em 1948, o primeiro reator começou a funcionar, convertendo urânio em plutônio.

A produção era uma beleza, mas algum gênio decidiu descartar o lixo nuclear no rio da região. O rio Techa, que abastecia cerca de 40 cidades e vilas da região, foi completamente contaminado. Em pouco tempo, isso resultou em 21% de aumento na incidência de câncer, 25% de aumento nos problemas no nascimento e 41% de aumento nos casos de leucemia em toda a região. O rio emitia 25% da radioatividade liberada na região durante um ano inteiro!

Ozyorsk

Se fosse só isso, já seria um desastre. Mas, em 1957, a explosão de um tanque resultou na dispersão de 50 a 100 toneladas de matéria de alto nível radioativo. Em 1968, os lagos contaminados da região sofreram um período de estiagem e o vento acabou dispersando a poeira radioativa que estava depositada nos leitos, atingindo milhares de pessoas. Finalmente, em 1990, cientistas descobriram que a taxa de radiação emitida pelo lago era suficiente para matar uma pessoa em uma hora.

A situação hoje está “controlada”. Parte dos lagos foram preenchidas com concreto, mas nada que diminua o sofrimento dos que ainda moram lá. Aliás, é uma boa pergunta: qual o sentido de morar nesse lugar?

Cris Siqueira
por

Cris Siqueira

Nerd, administradora, RPGista, apaixonada por gastronomia, curiosa sobre todos os assuntos e acha que Darth Vader é Deus. Gasta seus “bons tempos” escrevendo, lendo, vendo seriados e viajando. Reza todos os dias para tirar sempre 20 nos dados e nunca morrer no meio de uma batalha!

Recomendamos para você