Gente, é impressão minha ou a Disney está comprando tudo? Primeiro a Marvel, que eles compraram em 2009 por US$ 4 bilhões. Agora eles compraram a LucasFilms, empresa do George Lucas, responsável por sagas como Indiana Jones e Guerra nas Estrelas. A compra foi realizada em outubro do ano passado, pelo mesmo valor de US$ 4 bilhões. Depois disso, a Disney anunciou o lançamento do episódio VII de Guerra nas Estrelas…

 

O que vem depois? Será que a Disney vai comprar a SquareEnix? Bem, até então, tudo isso é noticia velha. Mas, semana passada, a Disney fechou a LucasArts, que é o setor da LucasFilms responsável pela produção de games. A LucasArts continua como uma marca da Disney, que poderá usá-la futuramente  para o licenciamento de outros jogos. Porém, os jogos que já estavam em produção (Star Wars: First Assault e Star Wars: 1313) foram encerrados. Além disso, os 150 funcionários do setor foram demitidos.

 

personagens

 

Isso é uma péssima noticia. Tanto para os funcionários e suas famílias, quanto para nós, Coxinhos nerds que curtimos games. Apesar de estar um tanto parada ultimamente, a  LucasArts se consagrou como uma empresa de games com compromisso em entregar games de qualidade. Agora, vamos dar uma olhada em algumas das pérolas produzidas pela LucasArts:

 

Dayofthetentacle

 

1987 foi um ano cheio de grandes acontecimentos. Em abril eu nasci (é, meu aniversário está chegando) e, em Outubro, a LucasArts lançou Maniac Mansion. Esse jogo de Adventure é simplesmente um marco para o mundo dos games. Quem aqui já jogou Kings Quest ou outros jogos de Adventure em que você controla o personagem clicando no cenário e existe um menu com as opções “Olhar”, “Pegar”, “Andar”, “Falar com” etc? Esse formato era extremamente comum e popular entre os games de Adventure dos anos 90.

 

Bem, quem sabe qual o nome disso? A engine usada para criar os games nesse formato se chama SCUMM. SCUMM é uma sigla para Script Creation Utility for Maniac Mansion que traduz toscamente para o português como “Linguagem Utilitária de Criação para o Maniac Mansion”.

 

Então, como vocês podem ver, o engine foi criado ESPECIALMENTE para esse game e, todos os inúmeros games que vieram depois dele e que usaram esse engine devem suas vidas ao Maniac Mansion. E foram jogos excelentes, como o Kings Quest já mencionado a cima e outros da Lucas Arts, alguns que eu irei citar mais tarde nesse post.

 

Bem, o jogo acompanha um adolescente Dave Miller, que entra em uma mansão para resgatar sua namorada de um cientista maluco. O jogo segue um enredo de filme de terror B, com um humor meio trash. Ele foi aclamado tanto pelos gráficos (que, apesar de toscos hoje, na época eram incríveis) quanto por seu enredo e humor.

 

Infelizmente, não tive a oportunidade de jogar Maniac Mansion. Mas eu joguei um pouco de The Day of the Tentacle (também conhecido como Maniac Mansion II: The Day of the Tentacle) que é considerado a continuação desse primeiro jogo. Lançado seis anos depois, The Day of the Tentacle é uma versão melhorada de algo que já é excelente. Os gráficos ficaram mais atraentes e agora nós controlamos três personagens alternadamente. O jogo continua com sua fórmula de adventure “point and click” e o enredo é tão insano e bem humorado quanto o do primeiro jogo. Além disso, os quebra-cabeças são consideravelmente difíceis, e eu tinha grandes dificuldades. Quando joguei, não consegui chegar muito longe.

 

starwars

 

Durante minhas pesquisas, encontrei um número impressionante de jogos de Guerra nas Estrelas produzido pela Lucas Arts. Tem jogos em que você controla naves (Star Wars: Starfighter), jogos de tiros em primeira pessoa (Star Wars: Dark Forces), jogos de ação em terceira pessoa (Star Wars: The Force Unleashed) e jogos de RPG (Star Wars: Knights of the Old Republic).

 

Desses, eu só joguei o The Force Unleashed e Knights of the Old Republic. Não tenho como saber se são os melhores jogos da companhia a respeito do universo de Guerra nas Estrelas, mas eu prefiro me manter em território conhecido para mim. Knights of the Old Republic (KOTOR), é um jogo de RPG lançado pela Lucas Arts em parceria com a Bioware, em 2003. Ele teve versão para PC, Xbox e MAC. No jogo, você cria seu próprio personagem, podendo escolher entre qualquer uma das 3 classes iniciais. Em um dado momento do jogo, você descobre que tem talento para a força e começa treinamento como um Jedi.

 

O jogo foi incrivelmente bem feito e contem uma quantidade absurda de informação a respeito do universo de Guerra nas Estrelas. Os personagens são bem construídos, com personalidades próprias e identificáveis. Porém, o que mais me impressionou no jogo, foi seu sistema de peso de decisões. Você, como jogador, pode escolher se seu personagem seguirá o lado da luz ou o lado negro da força. Cada decisão tomada faz com que você penda para um lado, para o outro, ou permaneça neutro e, durante do jogo, você sente como se suas escolhas de fato fizessem a diferença.

 

Já em The Force Unleashed, o jogador tem a chance de jogar como um Sith, usufruindo do uso do lado negro da força. Nesse jogo de ação em terceira pessoa lançado em 2008, Darth Vader persegue um jedi que sobreviveu à ordem 66. Depois que ele mata o Jedi em questão, ele descobre um bebê que tem um grande potencial da força. Ele logo toma esse bebê como aprendiz. O bebê cresce e se torna o personagem do jogador.

 

TheDig

 

Neste jogo, lançado em 95, você acompanha um grupo de astronautas que, depois de sofrer um acidente no espaço, se vê preso em um planeta inóspito e desconhecido. Você controla o comandante Boston Low enquanto ele desbrava o território desconhecido em busca de respostas e de um caminho para casa. O jogo é incrivelmente difícil, com quebra-cabeças que te deixarão dias pensando no próximo passo. Porém, a sensação quando você finalmente resolve uma charada é extremamente recompensadora (claro que, logo depois disso, você se encontra diante de outro quebra-cabeça, então a sensação não dura muito tempo). Esse foi outro que eu não consegui chegar longe, mas que eu recomendo profundamente. E, antes que eu esqueça, esse é um dos jogos que usou o SCUMM e deve sua existência ao Maniac Mansion.

 

FullThrottle

 

A lista de jogos de adventure produzidos pela Lucas Arts é extremamente vasta. A empresa reinventou o estilo e definiu o patamar de qualidade e dificuldade que todos os jogos de adventure deveriam almejar. Obviamente, não posso falar de todos os jogos nesse post, então irei me dedicar aos principais. E, eu não posso falar de jogos adventure sem falar de Full Throttle. Esse foi o primeiro jogo de computador de verdade que eu joguei na minha vida. Minha mãe comprou nosso primeiro computador nos anos 90 e ele veio com um CD de instalação grátis com Full Throttle.

 

Nesse jogo, você controla Ben, um motoqueiro barra pesada, com direito a jaqueta de couro, moto estilosa, barba por fazer e um temperamento explosivo. Os gráficos do jogo eram impressionantes para a época, assim como o trabalho de dublagem. O jogo era bem inteligente, com um enredo digno de um filme de ação de Hollywood. Esse jogo tem um lugar especial no meu coração, por ter sido o primeiro game que eu joguei até o final, e por ter me introduzido ao mundo dos jogos Adventure. Foi uma ótima estreia para mim e, até hoje, eu estou sempre procurando jogos de Adventure, que se tornou meu estilo de jogo favorito.

 

GrimFandango

 

Apenas 3 anos depois de Full Throttle, Lucas Arts lançou seu primeiro jogo de Adventure em 3D. Grim Fandango é uma obra-prima dos jogos de computador. Quem jogou sabe do que eu estou falando. Sua história é incrivelmente bem feita e bem humorada, todos os personagens têm personalidades e estilos únicos, que deixa claro o trabalho colocado pela equipe para dar vida ao mundo de Gim Fandango e transformá-lo em algo único.

 

Nesse jogo você controla Manny Calavera, um agente de viagens do sub-mundo. Baseado na crença Azteca de vida após a morte, o jogo parte do pretexto de que, uma vez morto, você vai para o mundo dos mortos, que é um lugar intermediário pelo qual você precisa passar para poder ir para o submundo em si. Boas ações dão acesso á pacotes de viagens melhores, dependendo do quão bom você foi em sua vida, você pode ir de navio, trem ou a pé.

 

Manny é um dos agentes de viagem. Ele coloca os dados dos mortos em seu computador e define como a pessoa deverá seguir para o submundo. Mas ele não está se dando muito bom no seu trabalho, pois só recebe clientes ruins e está tendo toda atenção roubada por Domino Hurley, um rival do trabalho. Seu chefe começa a ameaça-lo e, por conta disso, ele resolve tomar medidas drásticas para salvar seu emprego.

 

Ele então rouba uma das clientes de seu rival: Mercedes. Porém, para sua surpresa, o computador indica que Mercedes terá que ir ao submundo a pé. É então que Manny descobre que seu computador havia sido sabotado. Depois de perder o emprego, ele parte em busca de Mercedes, para tentar consertar seu erro, e acaba se apaixonando. A história é sublimemente contata. A jogabilidade é espetacular. E o jogo faz jus aos seus percussores 2D. Os quebra-cabeças são realmente desafiadores e recompensadores.

 

O jogo tem um clima noire, que eu adoro. Ele é muito bem humorado e tem um gráfico charmoso. Tudo isso faz com que acompanhar a jornada de Manny pelo submundo se torne uma experiência única.

 

IlhadosMacacos

 

Os jogos da Ilha dos Macacos não podiam deixar de aparecer nesse post. Eu comecei com A Maldição da Ilha dos Macacos, que foi lançado em 1997 e é o terceiro jogo da série. Depois dele, eu cacei todos os outros jogos da coleção e joguei, sim, um por um. Nos jogos, você acompanha as desventuras de Guybrush Threepwood, um aspirante a pirata, enquanto ele explora os mares do caribe e enfrenta seu arqui-inimigo, o pirata fantasma LeChuck.

 

A série toda é sensacional. Até o “Fuga da Ilha dos Macacos” que foi o primeiro jogo em 3D da série e que, diferente de Grim Fandango, teve sua jogabilidade levemente prejudicada por isso, é muito bom. Eu adoro Guybrush e suas trapalhadas. Adoro LeChuck e o seu estilo de vilania não convencional e adoro Elaine Marley, o amor de vida de Guybrush. Ilha dos Macacos é simplesmente minha série de jogos favorita. O jogo não se leva a sério. Ele não leva nada a sério, e isso o torna incrivelmente divertido de se jogar.

 

Eu não sei até que ponto essa informação pode ser confiável, mas existe um boato de que os filmes Piratas do Caribe foram levemente baseados nos jogos da Ilha dos Macacos. Isso faz sentido, por o humor de Jack Sparrow e as formas engraçadas e fanfarronas com ele se livra das enrascadas é muito parecida com as peripécias de Guybrush. Recentemente, a Telltale lançou uma série de cinco jogos chamados “Tales of Monkey Island”. Eu recomendo fortemente.

 

Perfil Bruno

Bruno Machado

Peço um minuto de silêncio pela Lucas Arts.
Facebook