Lovecraft Country Review: Episódio 1 – Sundown

No último dia 16 chegou na HBO, a série Lovecraft Country que adapta o livro de Matt Ruff. A estreia não poderia ter sido hora melhor, afinal, 2020 foi marcado por protestos em todo o mundo contra os sistemas racistas que perduram por anos.

A mistura Jordan Peele e J.J. Abrams chega para entreter e confrontar o espectador. O show nos apresenta logo em seu primeiro episódio intitulado Sundown, elementos de terror, ficção Científica e fatos históricos que tornam o show ainda mais envolvente.

Em seus primeiros minutos somos apresentados a Atticus Freemanm através de seu sonho. O ex-soldado, e fã da literatura Lovecraft não poderia ter um sonho que fugisse disso; O sonho em questão, nos apresenta elementos que permeiam a trajetória de Tic que o espectador precisa saber. Entre monstros e sonhos Tic acorda para a vida real e nos deparamos com um EUA dos anos 50, em meio a segregação racial. Atticus esta a caminho de Chicago, pois recebeu uma carta suspeita de seu pai Montrose.

Por mais que o show explicite a questão do racismo da época, é preciso sensibilidade para captar as nuances dos olhares, determinadas falas, e até mesmo da linguagem corporal de quem os cerca.

Em paralelo, conhecemos agora George Freeman e sua esposa Hippolyta. E nesta cena temos uma das principais referências históricas, pois eles dialogam sobre uma viagem, afim de montar um guia para Negros viverem e visitarem lugares em segurança no Pais, muito semelhante a história do ‘Green Book’.

Ainda no núcleo de George, conhecemos sua filha, Diana. Uma exímia desenhista e fascinada pelo espaço (captaram a referência?); quando finalmente as histórias se cruzam, Atticus chega na casa de George e descobrimos que são tio e sobrinho. Um diálogo entre Tic e George, revela maiores detalhes sobre a carta de Montrose, que acredita ter encontrado respostas sobre os ancestrais de sua falecida esposa (mãe de Atticus) e que Atticus teria um “legado sagrado”. Montrose, teria saído em busca destas tais respostas e depois de muito especularem, chegam à um nome: “Ardham” (Que faz referência a Arkham, cidade pertencente ao universo de H.P. Lovecraft).

Naquele mesmo dia a noite, nossa terceira protagonista é apresentada, Leticia “Leti” Lewis. Leti é irmã de Ruby, com quem parece ter uma relação conturbada. Leti é uma mulher a frente do seu tempo; e como veremos ao longo dos episódios a figura feminina dentro da narrativa enfrentará muito preconceito; o que reforça a força desta personagem que além de mulher, é negra.

Leti, George e Tic, pegam estrada e nesse momento fazemos um passeio por um América segregada, acompanhada por narração que substitui a necessidade da trilha sonora… de arrepiar. As cenas em questão são tão significativas e se encaixam perfeitamente no que falei no início deste texto; a série praticamente nos diz: “Você não entendeu as nuances, então pronto, mostro para você o preconceito real.”

A partir desse ponto, vemos a história se aprofundar… No que parecia até então, a zona de segurança dos nossos personagens, somos apresentados não somente a fatos da história, mas também aos momentos mais tensos do episódio.

George, Atticus e Leti entram em um restaurante que teoricamente estaria no que acreditamos ser o Green Book; no entanto o estabelecimento que era administrado por negros, agora pertence a brancos… E enquanto esperam, Tic observa ao seu redor e faz o seguinte questionamento: “Tio George me lembra por que a Casa Branca é branca?” Percebendo que os antigos donos tinham sido expulsos e possivelmente mortos.

A constatação resulta em uma das melhores cenas do episódio, onde eles são perseguidos. Leti ao volante realiza manobras eletrizantes, culminando na fuga perfeita; neste momento, enquanto escapam é possível ver uma mulher loira os observando, quem seria ela?

Enquanto caminhamos para os minutos finais do show, percebemos que os monstros estão mesmo por toda a parte, e as vezes mais perto do que imaginamos. George, Leti e Atticus estão no caminho para Ardham e perdidos na floresta são interceptados por um Xerife que justificado em nada, decide humilhar o trio e revela que todo o condado é um condado com toque de recolher ao pôr-do-sol, a “perseguição” a seguir é um dos momentos mais tensos.

O trio termina capturado em uma emboscada e levado para a floresta, com a finalidade de serem mortos de fato pelos oficiais brancos. Contudo eles são atacados por monstro que se assemelham não fisicamente mas em características comportamentais aos vampiros; Abrigados em uma cabana vemos os oficiais que haviam sido atacados, se transformarem nos mesmos monstros “vampiros”, fazendo uma analogia aos monstros da vida real e Leti percebendo, consegue se utilizar dos faróis para fugir , resgatando George e Tic.

George, Leti e Atticus conseguem sair da floresta, e se deparam com Ardham, sendo recebidos na porta por um homem branco. WHAT?!

‘Sundown’ foi um piloto envolvente e imersivo, e deixa claro o que a série quer nos mostrar, obviamente veremos monstros da mitologia Lovecraft, mas que eles não são os maiores desafios. Acreditamos que veremos muito mais dos monstros da vida real e de toda a complexidade da época, além de acompanharmos todo esse mistério que envolve a Coreia na vida de Tic e o segredo que seu pai esconde.

‘Lovecraft Country’ é um show corajoso, e a forma que os EUA é abordado, além de necessário é propositalmente incomodo e desconcertante para quem assiste… E esperamos muito mais disso nos episódios seguintes, que essa mistura social e ficcional sirva de alerta para os dias atuais. Afinal, uma série nunca é só uma série.

A série é exibida aos domingo às 22h na HBO.

LEIA MAIS SOBRE SÉRIES