Olá, pessoas… E eu acredito que nesta altura do campeonato vocês já saibam que um dos meus autores favoritos, é aquele escritor norueguês, de nome Jostein Gaarder, autor do Mundo de Sofia, certo (vocês podem até ver um pouco mais aqui) e eu até cheguei a falar de alguns livros e tudo mais, mas desse, em particular, não falei, porque eu ainda não tinha lido… Só que agora eu li, e sim, pessoas, vale muito a pena falar um pouco dele para vocês, porque o livro é muito bom… Me acompanham?!?! Então, sigam-me os bons!!!

O enredo

É a história de Petter. Enquanto criança, muito sozinho, de contato humano, isso não quer dizer que era solitário, sua imaginação bastava, criava histórias e mais histórias, inclusive uma história sobre uma menina de circo, Panina Manina, que permeia o livro inteiro. Ele também tem um amigo imaginário, o Homem Metro, que o acompanha pela vida inteira. E, por mais que tais elementos possam parecer itens de uma história meio boba, podem acreditar, não é… Eu simplesmente achei o livro genial.

Pelo o que eu já citei acima, dá para perceber que Petter é uma pessoa que tem uma imaginação muito muito boa, e realmente tem, ele tem uma capacidade imensa de inventar histórias, e isso que faz ele sobreviver(economicamente, digo), uma vez que ele, por mais que seja extremamente inteligente, não se dê muito bem na escola, por falta de paciência, e consegue fazer do fato de ele ter muita imaginação, um meio de vida, exatamente como o nome do livro sugere, vendendo histórias.

Como ele acaba montando uma linha de vendas, diferentes preços, para diferentes produtos, vamos dizer assim (ele fazia livros inteiros, somente ideias, dentre outras coisas), acaba dando problema porque… Bom, para vocês descobrirem o porquê, só lendo, afinal, de contas, mas do que fã do Gaarder, sou fã da River Song do Doctor Who e sou contra spoilers, certo, povo?! E não vale a pena eu já entregar o ouro assim, já que o interessante é vocês lerem… Continuando…

SPOILERS

As impressões

Este livro é  muito interessante, porque o livro, além de ter uma história, que é a trajetória de Petter ao longo de sua vida (que conta a sua história como vendedor de histórias, seus envolvimentos românticos, a relação com Homem Metro, os problemas e como ele fez para sair de tudo isso, mas, Jostein também nos presenteia com as inúmeras histórias que Petter acaba escrevendo para vender… Que são histórias, dentro de uma grande história, e sério, para pessoas que gostam de escrever, como eu, é um presente e tanto.

O mais legal é um autor, escrevendo sobre um autor, que escreve para vários outros autores, com uma imaginação incrível, escrevendo de coisas diversas, que dão origens a vários outros livros. Eu achei um projeto muito pretensioso e que ficou fantástico. Lembro que quando comecei a ler o livro, não apostei muito as minhas fichas nele, mas, depois que eu terminei, só pensava em algo como “uau”, por falta de melhor adjetivo para designar o que eu poderia dizer…

o vendedor de historias

Só sei que, com o tempo, você se envolve, não só com os inúmeros contos de Petter nos conta, mas, com a própria vida dele. Jostein Gaarder, como sempre, coloca a questão de uma busca, um encontro de si mesmo, que ele sempre acaba tratando em seus livros, mas, o mais interessante é que todo livro acaba abordando diferentes maneiras de se encontrar, e digo isso, filosoficamente falando… Então, se você gosta de pensar no sentido da vida, de livros, e livros dentro de um livro, por que não conferir O vendedor de histórias e contar para nós o que achou?! Aguardo o comentário de vocês! Até mais!!!

Compartilhe: