É engraçado ver certas coisas que participam do seu cotidiano de uma forma diferente. No último dia 18 estive no Circo Voador me deleitando com a ótima apresentação do Lenine. Eu vi a lona de um jeito que eu nunca presenciei. Acostumado com shows de rock e heavy, com a galera de camisas pretas entornando latas de cervejas (Eu sou um desses!) e falando alto, eu estranhei o colorido e a fala mansa do público do senhor Oswaldo Lenine Macedo Pimentel.

Antes do meu quase conterrâneo (Ele pernambucano, eu alagoano) entrar no palco, os magrelos do POSADA E O CLÃ divertiram a massa que circulavam pelo Circo mais famoso do Rio. Uma mistura de Nação Zumbi com Zé Ramalho, ótimas composições, presença de palco e com muita humildade conquistaram o público carioca. Lenine acertou em cheio ao leva-los em sua turnê.

Depois da honesta apresentação de Carlos Posada e sua trupe, o anfitrião da noite surge e nos brinda com uma performance inesquecível.

Alternando canções do aclamado Carbono e clássico de sua carreira, o moço de cabelos compridos e violão a tira colo que já ganhou cinco Grammy´s latinos tem uma puta banda que não deixa o clima minguar em nenhum momento. O Carisma do homem é inegável e seu público é devotado. Hoje eu quero sair só, Candeeiro Encantado e Undo foram cantadas a plenos pulmões. Eu, como um camisa preta (porém de camisa polo) fiquei embasbacado com a energia que circundava por ali.

Peguei o táxi relembrando quando vi o Circo tão lotado e tão feliz. Foram poucas vezes. A noite de sexta, quente como uma noite carioca deve ser, ganhou um tempero bem nordestino. O Carbono me conquistou.

Show do Lenine Circo Voador

Vemos-nos por aí! Grande abraço!

Compartilhe: