Ontem eu li um texto da Rosana Hermann intitulado “Será que vamos todos passar de ano?” divulgado em suas redes sociais e, sinceramente, não sei o que pensar a respeito de tudo o que anda acontecendo nesta internet. Estamos realmente construindo uma arma de destruição em massa com essa mania louca de dizer tudo o que pensamos sem filtros e sem medo de ser feliz? Chega a ser confuso, mas acho que minha avó tinha razão quando dizia que “liberdade demais é ruim”.

 

Para os que estão por fora do assunto, o caso (ou um dos casos) é o seguinte: O comediante Danilo Gentili tem sido constantemente acusado por diversas pessoas e mídias por utilizar de temas preconceituosos em seu programa na TV Bandeirantes. Uma dessas situações gerou um conflito ainda maior, como a que envolveu o redator Thiago Ribeiro de 29 anos. O rapaz ficou cansado dos ataques do comediante aos negros e resolveu agir. Thiago editou e postou um vídeo no YouTube com todas as piadas racistas que Danilo fez em seu programa e, claro, o comediante com uma ação de “uso de imagem” conseguiu tirar o vídeo do ar.

 

Não satisfeito com essa situação toda, Thiago escreveu uma carta-denúncia que cita trechos do programa de Gentili para apresentar para autoridades e para a TV Bandeirantes. Mas, no dia 30 de setembro (domingo), Thiago – através se seu twitter @LasombraRibeiro – procurou Gentili para falar sobre a carta e  recebeu a seguinte resposta: “Sério @LasombraRibeiro vamos esquecer isso… Quantas bananas você quer pra deixar essa história pra lá?”

 

Bom, acho que para explicar a história até aqui está muito bom, se vocês quiserem ler um pouquinho mais sobre o caso, acessem o site Galedés Instituto da Mulher Negra. Tem um tempinho que escrevi um texto aqui no blog sobre o comediante Rafinha Bastos e algumas coisas semelhantes que estavam acontecendo com ele na época. Fui extremamente criticada por algumas pessoas e nada disso me impede de ter opinião novamente, de ter discernimento sobre o que é certo e o que considero errado nesta vida.

 

Danilo está brincando com o fogo, assim como Rafinha brincou e assim como muitas pessoas anônimas brincam todos os dias. Na minha opinião, as redes sociais são invenções maravilhosas, os blogs, vlogs e dezenas de outras formas de expressão na internet precisam sim ser incentivadas e implementadas na vida de todos nós. Mas isso não muda a educação que recebemos de nossos pais e na escola sobre valores e limite. Dizer tudo o que pensamos nunca foi uma boa opção pois do outro lado da tela, do monitor ou de uma carta (não precisamos ser tão tecnológicos para falar sobre isso), existe um outro ser humano, com sentimentos e pensamentos, com valores e ética pessoal.

 

Achar que você pode agredir alguém verbalmente e moralmente e não ter nada de volta não é nada diferente de imaturidade. Se você quer dizer que está comendo em um restaurante chiquérrimo através do Foursquare, você tem esse direito, se quer postar o prato de comida lindo e maravilhoso no Facebook, você tem todo direito, se quer mostrar o presente que ganhou do seu namorado para todos os seus amigos, é seu direito também. Mas você não pode, não deve e não vai (se depender de mim), atacar uma comunidade inteira de negros simplesmente para fazer sucessinho na rede social.

 

Thiago tem o apoio de pessoas que se sensibilizam e se preocupam com o futuro da humanidade. Não estamos sendo preconceituosos em defender uma pessoa ofendida publicamente – porque tem muita gente que acha que apenas negros são defendidos pelos tais tribunais de causas ligadas à discriminação. Eu não sou negra, não tenho inclinação política radical e muito menos religiosa. Mas detesto qualquer tipo de preconceito contra qualquer grupo. Não gosto que pessoas ruivas sejam discriminadas, não gosto que espíritas e evangélicos tenham preconceito uns com os outros, e não gosto de partidos políticos que pagam milícias para exterminar concorrentes.

 

Não gosto de preconceito, e acho que estamos indo longe demais com essa liberdade toda!