Pois é… Parece que pegaram o cara para cristo mesmo e a novela está bem longe de ter um fim! O Ministério Público da Nova Zelândia apelou hoje da decisão que concedeu liberdade condicional ao fundador do Megaupload, Kim Schmitz, cuja extradição é pedida pelos Estados Unidos por Pirataria Virtual. Aparentemente a decisão sobre este apelo está nas mãos do juiz Timothy Brewer e será conhecida apenas amanhã.

 

Para os que não viram o começo da novela, Kim foi detido no dia 20 de janeiro deste ano em sua mansão em Auckland, junto com três outros responsáveis pelo Megaupload, no âmbito de uma operação policial internacional que acabou por encerrar o portal de compartilhamento de arquivos. Kim tem nacionalidade alemã e finlandesa, se diz inocente e ainda assegurou que não tem intenção de abandonar a Nova Zelândia.

 

O cara tem 38 anos e é mais um milionário excêntrico – ele compareceu ao tribunal vestido de preto com um gorro e óculos escuros, acompanhado de sua esposa e vários amigos. Junto com Kim, foram detidos Matthias Ortmann, co-fundador do site, Finn Batato, responsável técnico do portal e Bram van der Kolk, chefe de programação.

 

Kim havia solicitado sua liberdade condicional logo depois que foi detido, mas esta havia sido negada duas vezes seguidas. Finalmente, na semana passada, outro juiz do tribunal do distrito de North Shore concedeu a liberdade ao rapaz, que ficou sujeito a uma série de condições. Entre elas, vazaram as seguintes: proibição de acessar internet ou helicóptero (Olha o nível) bem como a proibição de se afastar por mais de 80 km de sua casa. A primeira audiência em tribunal está prevista para agosto deste ano – esta sobre o pedido de extradição para os Estados Unidos para todos os envolvidos no Megaupload – sendo justificado pela perda de mais de US$ 500 milhões de dólares da indústria americana de cinema e música. No que será que isso tudo vai dar hein?

Compartilhe: