O jogo mais de Rosca da história!

-por , em 05/08 -
O jogo mais de Rosca da história!

É muito comum vermos, pela internet, curiosidades sobre jogos como os mais legais, os mais difíceis e os com maior número de referências… Nós também cansamos de ver o custo dessas super produções, tendo como maior exemplo o GTA V – o mais caro da história com um investimento de mais de 200 milhões de dólares. Mas, ao contrário do que muitos pensam, os games não surgem do dia para a noite. Alguns levam meses, outros, alguns anos para serem produzidos! Existe um jogo, um único, que marcou a história e até virou motivo de chacota para alguns entendedores do assunto. Conheça a sofrida produção de Duke Nukem Forever!

Em 1996, ocorreu o lançamento de Duke Nukem 3D, um FPS estrelando Duke Nukem – um valentão americano com pinta de herói de guerra, incumbido de salvar o mundo de invasões alienígenas. O game em si, virou rapidamente um clássico e viciou mais de 3 milhões de fãs, após passar por um ano e meio de desenvolvimento. Esse blockbuster da Apogee fez tanto sucesso que, pouco tempo mais tarde, mais um título foi anunciado. E é aqui, caro leitor, em 1997, que a loooonga jornada de Duke Nukem forever (DNF) começa.

DUKE NUKEM FOREVER

Essa sequência, que prometia deixar no chinelo seu predecessor, estava programada para ser lançada no ano seguinte e havia sido meticulosamente planejada, só que para a geração tecnológica em que estavam. Com a chegada de processadores em chips, muitas engines surgiram, trazendo diversas melhorias e possibilidades para detalhes e programação, inclusive de inteligência artificial, que antes não existiam. É claro que isso significou o praticamente abandono das engines antigas, inclusas as que seriam usadas em DNF. A solução? A Apogee teve que desembolsar uma boa grana para comprar uma engine nova. Do concorrente! Pelo menos o tempo perdido foi botado em dia e, rapidamente, eles já estavam modelando o jogo.

Não demorou muito para o perfeccionismo subir a cabeça dos desenvolvedores, no entanto. Imagine só o cenário: O jogo teve o enredo anunciado elogiado e comparado a enredos de filmes hollywoodianos. Em coletivas de imprensa, os criadores se empenhavam e mostravam os mínimos detalhes gráficos e, na E3, o game aparentou ser um futuro sucesso extremo. Isso tudo fundiu na mente da empresa a ideia de tornar o título épico, mas adivinha? Como se não fosse o bastante, outra engine mais moderna surgiu e o que a Apogee fez? Exato! Mudou o jogo tooodo para ela, reiniciando o projeto do zero mais uma vez!

DUKE NUKEM FOREVER

E basicamente, é assim que DNF foi se enrolando. O sonho de fazer o jogo perfeito para seus fãs fez com que cada vez mais o perfeccionismo os influenciasse. Sim, é uma ideia pura e nobre, de certa forma, querer trazer o melhor possível, mas o lucro também era importante. Ao todo, desde o começo, o jogo teve de ser modificado 3 vezes por causa de mudanças de engine e no fundo, não se havia uma noção real de como o jogo seria no final, uma vez que Broussard, um dos sócios criadores da Apogee, vinha muitas vezes com ideias tecnicamente aleatórias, vindas de filmes e jogos de sucesso, para serem incrementadas ao jogo.

Após 12 anos nesse triste lenga-lenga, a empresa se viu em crise. Alguns dos desenvolvedores originais, encantados por uma promessa de receberem parte dos lucros na venda do tão esperado jogo, já haviam desistido e abandonado o projeto, nesse ponto já considerado uma piada. Ainda, os gastos despreocupados levaram o grupo que, até então não havia passado por problemas financeiros à falta de dinheiro e uma tentativa falha de negociação com a empresa que publicaria o jogo, a take for two. Tantos problemas levaram os criadores a reunir toda a equipe e fechar as portas, desistindo do projeto e levando como recordação somente uma foto de todos os envolvidos.

DUKE NUKEM FOREVER

Triste história, eu sei, mas pelo menos, acredite se quiser, o jogo veio ao mundo! A Gearbox Software, criadora de Borderlands, comprou os direitos sobre a franquia e trabalhou mais 3 anos no Duke Nukem Forever, finalmente lançando-o e fazendo muito feliz um senhor de muuuita fé que comprou DEZ ANOS ANTES o jogo que, sebe-se lá como, estava na pré venda. Imagina a surpresa da loja ao ver o cuponzinho da compra velhinho e surrado na mão do cara!

DUKE NUKEM FOREVER

No fim, o jogo, que foi iniciado na época do windows 98, acabou sendo jogado por nós, gamers da nova geração, nos consoles de ps3 e xbox 360, fazendo com que o sonho do jogo épico para os fãs nunca fosse exatamente alcançado, uma vez que aqueles que o testaram, em muitos casos, não tinham nem ideia da existência dos predecessores da franquia. Isso sem contar os fails de produção como por exemplo os tiros certeiros que não ferem o inimigo e um modo campanha longo e entrecortado por inúmeras telas de loading que IRRITAM MUITO!

É, o coitado não saiu aquelas coisas nos reviews, mas pelos menos teve quem curtisse! :s E depois desse conto grego, diga-me leitor: Que outros fails a lá “All your planet are belong to us” você conhece? O que achou a curiosidade? Deixe ai o seu comentário e faça uma pequena nerd muito feliz 😀

E, sem mais delongas porque de demora já vimos muito por hoje, eu vou ficando por aqui! Espero que tenham curtido! Beijinhos e até a próxima!

Larissa Fogo
por

Larissa Fogo

Otaku e gamer assumida, é uma garota que ama o Japão e tudo referente ao assunto. Joga FPS e lê romances e aventuras. Também é uma futura química (não, não peçam para "cozinhar", porque se bobear, inventa um jeito de queimar até a água). Idolatra a Lara Croft. É uma nerd de todo coração!

Recomendamos para você