Olá coxinhos, tudo bem? Assisti “O Homem de Aço”, o novo filme do Super Homem, dirigido pelo Zack Snyder, que dirigiu grandes filmes como 300, Suckerpunch e Watchman, e produzido por Christopher Nolan, responsável pela trilogia do Cavaleiro da Trevas nesse novo Universo DC.

 

Como alguém que curtiu os filmes do Zack Snyder até o momento presente (Watchman! <3), eu estava bem otimista a respeito desse filme. Além do mais, esse é o primeiro filme de uma série de filmes de um universo compartilhado da DC que resultaria, eventualmente, no filme da Liga da Justiça. Em outras palavras, o primeiro filme do Homem de Aço seria, para a DC, o equivalente ao Homem de Ferro para a Marvel.

 

Por causa disso, não deixei todas as criticas negativas que li a respeito do filme me dissuadirem. Até por que, eu gostei do Homem de Ferro 3 e, até hoje, só vejo pessoal falando mal do filme online. Então, munido da crença de que a opinião da internet não é referencia, eu fui assisti o filme.

 

E eu devo admitir que tenho sentimentos mistos a respeito deste filme. Vou começar falando das coisas que eu gostei sobre o filme. Já aviso que eu não sei exatamente o rumo que esse texto vai tomar, mas que eu não hesito em dar spoilers e que existe a possibilidade real de eu acabar dando muitos spoilers. Então, se você  não quer spoilers, recomendo que pare de ler agora.

 

HomemdeAcoElenco

 

Gente, sério, o Henry Cavill está perfeito como o Homem de Aço, ele tem a cara do Super Homem e o achei muito mais convincente do que Tom Welling (de Smallville) ou Brandon Routh (Super-Homem, o retorno). Mas, não é nem por isso que eu achei o elenco perfeito. Na verdade, eu tenho uma queda absurda pela Amy Adams, desde que a vi em “Encantada” e achei ela simplesmente perfeita para o papel.

 

Isso sem mencionar Javert, Russel Crowe, como Jor-El, Lawrence Fishbourne como Perry White e Kevin Costner como Jonathan Kent. Podemos falar mal o quanto quisermos desse filme, mas não podemos criticar as escolhas de atores. A única ressalva que eu faço é o “qual-é-seu-nome?” para interpretar general Zod. Tipo, o cara é o maior general de guerra de Krypton e eu achava que ele seria um pouco mais intimidador.

 

Porém, gostaria de destacar que, ter o elenco perfeito, nem sempre garante um bom filme. Lembram como Ryan Reynalds era perfeito para o Lanterna Verde? Pois é, e todos nós sabemos o que aconteceu ai. O filme teve um problema que é, apesar de um elenco fantástico, estava muito cheio de si e os atores não tiveram a chance de brilhar adequadamente. O potencial e o talento estavam lá, mas, no todo, senti que o elenco foi desperdiçado.

 

HomemdeAcoLuta

 

O Super Homem é o herói mais forte do mundo. Ele tem um repertório de poderes de causar inveja e são pouquíssimos os personagens do universo DC (ou de qualquer universo) que conseguiriam encarar o Homem de Aço no mano a mano. Por isso é tão absurdamente foda quando aparece alguém capaz de cair na porrada com ele. No filme, vemos o homem de aço trocando socos com grandes guerreiros Kryptonianos, com efeitos especiais incríveis e um nível de destruição que nos deixa embasbacados. E, para ser justo, o que mais gostaríamos de ver em um filme do Super Homem?

 

Não me levem a mal, Lex Luthor é um vilão e tanto. O simples fato dele ser uma ameaça para o Super Homem, sendo apenas humano, já faz com que ele seja digno de minha admiração. Ele consegue bolar planos para derrotar a criatura mais poderosa do mundo e, quase sempre, chega assustadoramente perto de consegui-lo. Porém, as vezes, nós só queremos ver a porrada comer solta e, nesse quesito, o filme do Zack Snyder entrega a encomenda.

 

HomemdeAcoKrypton

 

Digo logo de cara que achei a história de origem do Super Homem nesse filme muito mal contada (é o item abaixo), pois sabemos muito pouco sobre como foi a infância ele na fazenda Kent e seu crescimento. Porém, isso não é necessariamente ruim. Para ser sincero, já estou bem cansado da origem do super homem na terra, uma vez que já vi 10 anos disso em Smallville. Em O Homem de Aço, houve um foco maior na origem Kryptoniana do herói, que era uma parte de sua história que eu, pessoalmente, conhecia menos a respeito. E, por isso, foi mais interessante para mim.

 

HomemdeAcoLois

 

Tá ai uma coisa que eu nunca engoli no super homem: o disfarce dele é um óculos. Um para de óculos. Ele coloca os óculos e, de repente, ninguém sabe quem ele é. Porra, todo mundo no universo DC tem que ser muito demente para não reconhecer um cara só por que ele tirou os óculos.

 

Se você só vê o super homem de longe, voando em sua super-velocidade, dá para entender que você não o reconheça como Clark Kent, o jornalista do Planeta Diário. Mas, pelo amor de Deus, a Lois Lane fica cara a cara com o homem de aço em inúmeras ocasiões, eles têm um romance e se beijam. Que ela não o reconheça é, na realidade, uma ofensa à inteligência de qualquer pessoa que acompanhe o herói. Ela é uma repórter investigativa, não é possível que ela seja tão estúpida.

 

Por isso eu gostei da decisão de Zack Snyder, de fazer com que a Lois saiba, logo de cara, quem ele é. Assim, não ficamos com a impressão de que ela é uma débil mental que não reconhece seu colega de trabalho quando ele tira os óculos. Agora, vamos ver o lado negativo:

 

HomemdeAcoHistoria

 

Então, vamos dar uma olhada na estrutura do filme. A última metade do filme é só pancadaria. Sério, eu olhei no relógio e, estávamos em 1 hora de filme quando Clark Kent começou a enfrentar os asseclas do general Zod. A ação levou mais de uma hora. Isso tendo sido dito, a primeira metade do filme foi consideravelmente parada. Tivemos 20 minutos de abertura, em que acompanhamos Jor-El em sua busca para salvar seu filho – a última esperança de Krypton – e impedir os planos de Zod.

 

Então, se fizermos os cálculos, ficamos com 40 minutos de filme para contar a história de Clark Kent. Eu achei isso pouquíssimo tempo e achei que tudo correu muito absurdamente rápido. Ele acha a nave de seu planeta, recebe o uniforme, descobre que consegue voar, salva uma galera de um incêndio em questão de minutos. Ai ele salva Lois Lane de um robô alienígena e a ela fica obcecada para descobrir quem ele é. Ela investiga, descobre quem é ele. Os dois conversam e ele a convence de manter o seu segredo.

 

Isso sem contar os flashbacks que recheiam a história, mostrando o falecido Jonathan Kent e suas lições de moral, que ajudam a moldar Clark no homem que ele é hoje. Sério, hollywood? Por que toda essa mania com flashbacks? Esse é um vício da atualidade que os filmes e séries precisam, desesperadamente, largar. Se isso parece ser muita coisa para ser contada em 40 minutos, é por que é.

 

HomemdeAcoAcao

 

O resultado final do filme foi 1 hora de história e 1 hora de pancadaria. Em vez de distribuir isso melhor durante o filme, acabou ficando muito concentrado. A primeira metade do filme é simplesmente chata e, com exceção do começo, em Krypton, não havia realmente nada acontecendo que prendesse a minha atenção durante o seu desenvolvimento.

 

A segunda metade foi o exato oposto. Havia só ação, sem praticamente nada de história. A ação foi muito boa e bem feita, mas eu não consegui evitar em achar que ela se prolongou por muito tempo. Parecia que o diretor estava querendo esticar aquela ação (que foi, praticamente, a única ação do filme) ao máximo possível.

 

Perfil Bruno

Bruno Machado

Agora estou ansioso para o filme da Liga da Justiça!
A favor dos nerds e contra a tirania dos kibes.
Facebook

Compartilhe: