Histeria coletiva pode aparecer em qualquer lugar, desde que haja um grupo de pessoas dispostas a cair em uma ilusão coletiva. Embora seja fácil de olhar para trás em retrospectiva e rir de todos esses casos, é um mundo totalmente diferente para os que foram envolvidos. Muitos casos de histeria em massa acabam se tornando em uma espécie de “desastre natural” simplesmente pelo fato de fazer um grande estrago e deixar para trás um monte de uma bagunça para limpar.

Confira os casos mais curiosos na nossa lista:

 

O Mistério das Crianças Holandesas Caninas

Em 1676, crianças moradoras de um orfanato em Hoor, Holanda começaram a se comportar como cachorros. Sim, latindo e engatinhando no chão.

De acordo com o teólogo Balthasar Bekker que presencial pessoalmente o comportamento atípico, as crianças de repente entravam colapso e apresentavam um olhar estranho.

“Eles se arranhavam e rasgavam suas roupas,  batendo no chão com as pernas e os braços e até mesmo com suas cabeças, chorando gritando e latindo como cães de modo que era uma coisa terrível de se ver”, escreveu ele.
O comportamento das crianças foi explicado como possessão demoníaca. As pessoas rezavam nas igrejas em toda a cidade para salvar as crianças das garras do diabo. Finalmente, as crianças foram reunida com suas famílias e tudo voltou ao normal.

 

Freiras Felinas Mordedoras

Durante a Idade Média, um caso desconcertante de histeria em massa atacou um convento na França. O incidente começou com uma freira miando como um gato, que resultou repentinamente em um convento de freiras miantes. O grupo miava junto por muitas horas em horários específicos dia, o que irritava os vizinhos da redondeza. As freiras finalmente cessaram a seu miado depois que os soldados, que foram enviados para o convento, ameaçaram chicoteá-las com varas.

Um caso semelhante também se manifestou em um convento na Alemanha, quando uma freira começou a morder suas companheiras. Posteriormente, ele desencadeou uma epidemia de freira mordedora que se espalhou para outros conventos e chegou até Roma. O comportamento bizarro das freiras poderia ser atribuído a crença intensa do período no sobrenatural. As freiras com suas vidas de clausura rígida e religiosas acabavam mais vulneráveis a episódios de histeria.

 

Febre da Dança

Um evento muito desconcertante aconteceu durante o período medieval na Europa.

Em julho de 1374 em Aachen, na Alemanha, dezenas de aldeias foram repentinamente tomadas por uma praga de dança chamada coreomania. Por nenhuma razão aparente centenas de pessoas tomaram as ruas saltando, empurrando, e pulando ao ritmo da música.
O problema era que ninguém podia ouvir a música, exceto para aqueles que dançavam.
Outro aspecto estranho desta história é que essas pessoas não queriam parar de dançar. Eles não comiam, bebiam ou dormiam. Tudo o que faziam era dançar, gritar e ter alucinações por dias. Mesmo quando caíam, eles continuavam a dançar, no chão mesmo. Obviamente, eles não podiam controlar seus movimentos, até que finalmente seus corpos enfraquecidos entravam em colapso por exaustão.
Este surto de dançomania se espalhou tão longe que chegou até a França e durou vários anos. Quase tão repentinamente como chegou, a histeria desapareceu sem solução aparente.

 

As Bruxas de Salem

Um dos exemplos mais conhecidos de histeria em massa da história é que ocorreu em Salem, Massachusetts, em 1692.
Tudo começou quando um grupo de jovens meninas começaram a exibir comportamento bizarro. A pequena e unida comunidade não conseguia explicar as crises convulsivas, blasfêmias gritadas, e estados de transe que afligiam as jovens. Os médicos chamados para examinar as meninas não conseguiam encontrar nenhuma causa natural para o comportamento perturbador. E a conclusão vocês já sabem: Se a fonte da aflição não for  enfermidade física, então deve ser a obra de Satanás. As pessoas que viviam na aldeia começaram a orar e jejuar, a fim de livrar-se da influência do diabo. As meninas foram pressionadas a revelar quem na comunidade controlava seu comportamento.
Isto conduziu à identificação de três mulheres que foram examinadas. Uma deles, uma menina escrava chamada Tituba confessou ter visto o diabo que lhe apareceu “por vezes, como um porco e algumas vezes como um grande cão.” Ainda mais preocupante, Tituba confessou que havia uma conspiração de bruxas na vila de Salem.
Em março as meninas acusaram Martha Corey, um membro honrado da congregação puritana – sua revelação como uma “bruxa” demonstrou que a influência de Satanás havia conseguido se manifestar no cerne da comunidade.
Depois de um festival febril de acusações, julgamentos e inúmeras sentenças de morte, o governador colonial tomou a decisão de dissolver o júri local, cessando assim o caso de histeria.

 

Epidemia de Espasmos

Durante a primavera de 1939, uma escola em Louisiana registrou vários casos de espasmos entre estudantes do sexo feminino. A epidemia começou após uma menina apresentar espasmos incontroláveis em sua perna direita, durante o baile anual da escola. Os ataques de espasmos da menina pioraram consideravelmente durante as semanas seguintes, menos de um mês depois, colegas e amigas da estudante também estavam sofrendo do mesmo mal. Pais preocupados chegaram a afastar suas filhas do colégio, o que alimentou ainda mais o medo da doença do espasmos entre os estudantes e resultando no crescimento da histeria. Demorou uma semana para que as coisas finalmente se acalmassem.
Mas o que causou a contração muscular? Para os investigadores que estudaram o caso, não era nada mais do que meninas querendo atenção. A paciente zero Helen, era uma péssima dançarina e se preocupava em perder o namorado por outra garota mais hábil. Eles concluíram que o subconsciente de Helen resolveu o problema através da produção de uma contração dolorosa na perna, o que também lhe permitiu ser dispensada de suas odiadas aulas de dança.

 

Envenenamento de Maridos

A mania envenenamento atingiu a França e Itália durante os anos 1600.
Em 1659, o Papa Alexandre VII foi informado de que um grande número de mulheres que haviam admitido envenenar seus maridos. Um grupo de mulheres que se encontravam regularmente para traçar planos e metas foi preso e punido. Logo após a prisão do grupo, três   mulheres envenenaram seus maridos e também foram entregues a Roma. Como resultado dessa “pequena histeria” 30 mulheres foram chicoteadas publicamente pelas ruas e várias foram banidas do país. As punições não assustaram as outras mulheres que continuaram a envenenar seus maridos também na França e Itália.

 

A coceira do Bin Laden

Em um período entre outubro de 2001 a junho de 2002, milhares de estudantes, principalmente estudantes do ensino fundamental apresentavam uma erupção cutânea que apareceu sem causa conhecida. A alergia durava de algumas horas até duas semanas, e depois desaparecia tão misteriosamente como surgia. À luz dos ataques de 9/11 e o susto de antraz, muita gente pensou que era um caso de bioterrorismo.

Bom, o que era realmente a causa das coceiras? Alergias, erupções e coceiras são sintomas muito comuns em qualquer escola, mas a suspeita fez com que os estudantes prestassem mais atenção à sua pele, o que resultou em um número muito maior de casos relatados pelas enfermeiras das escolas. Funcionários dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças também observaram que alguns alunos deliberadamente esfregaram lixas em suas peles em uma tentativa de faltar nas aulas. A nomeada “Coceira do Bin Laden” -embora, em última instância inexistente, se alastrou rapidamente gerando um enorme sucesso de histeria em massa.

 

Você conhece mais casos de Histeria Coletiva? Conta pra gente!

Compartilhe: