O serviço de streaming da Warner, que chega nos EUA no dia 27 de maio – HBO MAX encomendou 10 episódios de uma nova versão de Gossip Girl e ao que tudo indica o título da série será: Xoxo Gossip Girl. 

Baseado na série original o show passará oito anos depois que o site ficou às escuras, com uma nova geração de adolescentes de escolas particulares de Nova York. Tendo uma ligação direta com o final da série. 

A informação foi dada por Joshua Safran, escritor e produtor executivo da primeira fase de Gossip Girl e que estará de volta na nova versão. “Não houve muita representação na primeira vez. Portanto agora os personagens não serão todos brancos”, garantiu.

Além de personagens negros, Safran disse que a série deve contar com mais representatividade LGBT. Com o retorno do blog de fofocas que aterroriza a vida desses jovens privilegiados, a nova Gossip Girl vai abordar como as redes sociais e a paisagem nova-iorquina mudaram nos anos que se passaram.

“Oito anos depois do site original ter sumido, uma nova geração das escolas privadas de Nova York é introduzida para a vigilância digital da Gossip Girl. A prestigiada série vai mostrar como as redes sociais e Nova York mudaram nesses anos”. 

Mas já que existem uma clara passagem de tempo e a confirmação de que não é um reboot, a pergunta que ficou no ar é: “Será que teremos participação das carinhas conhecidas antigamente?”
Quem não queria ver  Blake Lively, Leighton Meester, Penn Badgley, Chace Crawford e Ed Westwick aparecendo na série? 

Bem, o co-criador, Josh Schwartz, nos deu uma notícia animadora “(…) adoramos trabalhar com todos do elenco e foi um momento muito importante em nossas vidas e seis maravilhosas temporadas com eles. Se alguém quisesse voltar, gostaríamos de tê-los com a gente”. 

Mas o que podemos esperar sobre a trama? 

Pra quem não sabe, Gossip Girl é baseado numa coleção de livros com o mesmo nome, da autora Cecily von Ziegesar – que revelou que se inspirou em sua própria vida ao escrever os livros, já que vivia nesse mundo da alta-sociedade de Nova York durante a adolescência. Mas, além dos livros de Gossip Girl, temos alguns spin offs de histórias que não giram em torno do time principal de Gossip Girl.  

Alguém já leu os Carlyle’s?

Na trama, temos a história de adolescentes da elite de Manhattan, ambientados em uma linha do tempo após Blair Waldorf  ir pra faculdade e vender seu apartamento para essa família. Resta saber se o criador vai apresentar essa família na história ou seguir novos rumos e criar diferentes personagens para gente! 

Gossip Girl continua até hoje sendo uma série muito vista já que ao entrar em 2011 para as plataformas de streaming acabou conquistando durante todos esses anos um novo fandom para a série. Sendo, a partir de 2012, distribuída para mais de 192 países! 

Mas é claro que muita coisa mudou no mundo além da tecnologia e olhando mais a fundo para algumas histórias e partes da trama que foi finalizada em 2012, essa nova série precisa agora passar por uma nova reformulação. Ninguém mais tem um blog, isso é tão 2007…

 Será que a série irá abordar uma nova rede social ou irá trabalhar com as que já existem? Será que teremos um universo mais focado no glamour dos influenciadores digitais do que só apenas a elite conservadora de Manhattan que já nasceu em berço de ricos? Podemos ver algo mais similar como as Kardashians, quem sabe? 

Também existe um reparo na questão de representatividade, já que a série original quase não tinha personagens negros e pouco destaque para os personagens LGBT. 

Uma das principais era Vanessa, que no livro é uma mulher muito diferente do que foi retratada na série. Os fãs até hoje não gostam de uma das únicas personagem que não se vendeu para o mundo nem sempre tão glamouroso desse universo da série. Tudo isso pois ela era colocada como “inimiga” de Serena Van der Woodsen. A garota pobre que “tinha inveja de Serena”. Mas não era exatamente isso, Vanessa tinha um lado humilde e possuía um caráter que poucos apresentavam como personagem. Hoje muitos conseguem ver a injustiça sobre a personagem que era um apoio para as histórias principais e acabou deixando o show sem um final decente. 

O ponto positivo da série além do glamour no mundo fashionista foi sempre conseguir mostrar o quão predatório e obscuro o universo da série era e que até mesmo o personagem mais ingênuo poderia se transformar no pior de todos eles. Existe uma grande conversa entre filosofia, moralidade e até mesmo sobre classes. 

Atualmente conseguimos ver que Chuck Bass é um personagem muito problemático para a trama se fosse trabalhado nos dias de hoje do jeito que foi construído na época. Mas não precisamos abrir em discussão sobre o certo ou errado, sobre gostar ou não do personagem. Em 2007 o mundo não era o que é hoje e resta esperar saber o que os criadores da série estão trazendo para essa nova fase de Gossip Girl. 

Ao que tudo indica coisas novas e interessantes estão por vir. A estreia da segunda fase de Gossip Girl ainda não tem data, mas até o momento ela segue confirmada para 2020.

LEIA MAIS SOBRE SÉRIES