Parece que a novela finalmente chegou ao fim. Após inúmeros casos de explosões de phablets Galaxy Note 7 ao redor do mundo e do pedido da companhia para que os usuários do smartphone parassem de usá-lo, a Samsung finalmente revelou o motivo do superaquecimento das baterias.

A sul-coreana postou em um FAQ (Frequently Asked Questions ou em bom português, Perguntas Mais Frequentes) no site britânico da marca a seguinte resposta: “Baseado em nossa investigação, aprendemos que há um problema com a célula da bateria. Um aquecimento extremo da célula da bateria acontece quando a ligação ‘ânodo-para-cátodo’ entra em contato, o que é um erro muito raro no processo de fabricação”

09125734074061

Falando em nossa língua, isso significa que houve um defeito de fabricação já no planejamento da arquitetura dos celulares. Por causa dele, a bateria possuía duas áreas que não podiam entrar em contato: a área de ânodo e a de cátodo, que estão ilustradas na imagem acima. Quando ocorria contato entre elas, a bateria aquecia muito e a explosão acontecia.

Com as investigações concluídas, a Samsung pretende corrigir o erro nos modelos e colocá-los de volta no mercado. Acha que é uma boa ideia? Ou toda essa história manchou pra sempre a imagem do Note 7? Não deixe de comentar aí embaixo, na nossa página no Facebook e nas outras redes sociais! Como diriam agora Cris e Panda: é tudo COXINHANERD (tudo junto mesmo!).

Leia mais sobre Samsung e Tecnologia

Compartilhe: