Escolha uma Página

LET IT GO…INTO THE UNKNOWN!

O ano de 2014 mal começou e Frozen chegou aos cinemas. A Aventura Congelante ainda não sabia, mas se tornaria um dos maiores sucessos dos Estúdios Disney. Quase seis anos depois, não há um momento em que os acordes de Let It Go comecem a tocar e todos ao redor saibam a letra. A história de Anna e Elsa pode ser considerada a mais marcante da Disney na última década e trouxe diversos significados.

Há muito não víamos uma princesa encerrar um filme sem um príncipe ao lado. A representatividade de Frozen foi muito além do que um simples filme de princesa do gelo. A história foi contada e encontrou um desfecho, conivente com a trama que apresentou ao longo do filme. Agora, seis anos depois, Frozen 2 chega aos cinemas e retorna com nossos amados personagens. No momento do anúncio da sequência ficou-se a dúvida a cerca da necessidade ou não do filme. Seria recomendável mexer em algo já fundamentado como bem sucedido?

A sequência

Frozen 2 estreia em 2 de janeiro nos cinemas brasileiros. Tivemos a chance de assistir ao filme e agora podemos responder a pergunta feita acima. A sequência não era necessária, mas somos gratos por sua existência. Perguntas foram respondidas e outras levantadas ao longo da história mostraram-se pertinentes. Conhecemos uma nova versão de Anna, mas principalmente, aprendemos ainda mais sobre Elsa. A protagonista do primeiro filme é o grande assunto do segundo, que revelou-se ainda mais significativo.

A história se inicia levando o público ao passado das irmãs, quando os antigos rei e rainha de Arendelle ainda eram vivos. Enquanto o primeiro filme nos mostrou Elsa e seus poderes já mais velha, em Frozen 2 conhecemos sua origem. Descobrimos a Floresta Encantada e toda sua relação com a formação da cidade. Os antepassados das irmãs têm um importante papel na vida de Elsa e sua busca pela auto aceitação.

Elsa

Elsa sempre se condenou por ser diferente e usou o isolamento para confinar seus poderes. A jovem se considerava uma aberração e sempre se culpou pelo acidente de seus pais. Ao voltar ao passado, porém, descobre ser mais especial do que qualquer outro membro de sua família. E é lindo poder acompanhar esse descobrimento. Por mais que muitas crianças não consigam entender a dimensão da libertação de Elsa, regada a solos musicais e shows de neve, há um significado muito grande por trás.

Frozen 2 é um filme objetivo desde seus primeiros minutos. O longa não se apoia no antecessor e traz apenas mais do mesmo, pelo contrário. A produção se desenrola de forma independente e aborda de forma aprofundada aquilo que foi apenas mostrado em Uma Aventura Congelante. O resultado é extremamente surpreendente e nada previsível. Até mesmo o elemento “filme da Disney” pode ser deixado de lado. Há um final feliz, mas o caminho até ele é tortuoso e complexo.

Os personagens

O enfoque ainda são os personagens introduzidos no primeiro filme. Olaf deixa de ser apenas um personagem fofo para dar verdadeiras lições. Anna não é mais apenas a irmã de Elsa, pelo contrário. A personagem cresce e ganha seus próprios momentos de destaque. E quando seu relacionamento com Kristoff toma uma nova proporção, nos pegamos ficando felizes e orgulhosos pela jovem princesa.

Frozen 2 nos traz novos personagens, que apesar do pouco tempo, tornam-se de vital importância. Sterling K. Brown dá voz ao Coronel Matthias, enquanto Evan Rachel Wood vive a Rainha Iduna. Novos rostos reafirmam a sensação de que estamos vendo algo original, com um novo roteiro e uma nova história. São fundamentais para o ritmo do longa e protagonizam algumas das melhores cenas da obra.

As músicas

Não poderíamos falar de Frozen sem mencionar o caráter musical. E é aí que Frozen 2 tem um ponto negativo. Embora extremamente cantado e com boas novas músicas, deixa a desejar quando comparamos com o primeiro. Você Quer Brincar na Neve e Let It Go tornaram-se emblemáticas e serão para sempre lembradas. É difícil pensar em alguma canção de Frozen 2 que ficará na cabeça do público por anos. Salvo o solo de Into the Unknown, que acontece no momento auge do filme, outras canções apenas acontecem.

Frozen 2

O elenco de Frozen 2 não decepciona. Os destaques ficam por conta de Idina Menzel e Kristen Bell, no papel das irmãs. Além de darem um show a parte nas canções solo, protagonizam grandes diálogos e momentos de criar lágrimas nos olhos. Jonathan Groff enfim ganhou sua chance de mostrar a bela voz, afinal, Kristoff agora tem sua própria música. O ator é um dos grandes destaques da Broadway, já tendo feito peças como Hamilton e O Despertar da Primavera. Josh Gad mais uma vez brilha como Olaf. Seja cantando ou fazendo monólogos, o personagem provou o porquê de ser um dos mais queridos do público.

Frozen 2 surpreende e mostra a importância da aceitação de Elsa em relação a seus poderes. A menina vista como diferente pela maioria, enfim descobriu o quão especial é e que não precisa seguir os passos de sua família. A princesa da Disney termina mais um filme sem encontrar um par, mas encontra a pessoa mais importante de sua vida: ela mesma. Comparações são inevitáveis, mas devem ser descartadas. Frozen impactou por ser novidade e sua sequência chegou para ensinar ao público a respeito de sua história.

Frozen 2 chega aos cinemas brasileiros em 2 de janeiro de 2020.