Conferimos uma curiosidade no site Macaco Velho e resolvemos compartilhar aqui com vocês de tão bizarra que é. Olha que mania incrível: Você já parou pra pensar no destino que quer para seus restos mortais? É um assunto delicado para todos, em especial quando se trata de entes queridos que não tomaram a decisão em vida. Velório, enterro e cremação são os procedimentos mais comuns, mas também existem diversos outros modos. E um deles, seria a macabra eternização do cadáver maquiado para parecer vivo em foto. É isso mesmo que você leu!

Essa prática é conhecida como fotos post-mortem, e, felizmente, hoje em dia é vista com maus olhos. Mas já no século XIX, quando ela surgiu, foi um ato bem costumeiro. Tudo começou quando a Rainha Vitória, atual Rainha da Inglaterra, fez o inusitado pedido de que fotografassem o cadáver der um parente próximo, após tratá-lo para que parecesse vivo, e não demorou muito para que isso se espalhasse por diversas partes do mundo. E tudo funcionava de uma maneira bem rústica, usando-se armações de madeira para sustentar os cadáveres e abuso de maquiagem (o que incluia, em muitos casos, desenhos de olhos nas pálpebras).

Além do lado estético, haviam também crenças por trás do processo. Muita gente acreditava estar eternizando também a alma de seu ente querido em um pedaço de papel. Felizmente, com o passar dos anos, essa prática passou a ser vista com repulsa pela sociedade. Mas isso não significa a extinção do ato. Na verdade, muitas dessas imagens são, até hoje, comercializadas à valores exorbitantes, inclusive com a existência de leilões do ramo. E você, quando a hora chegar vai querer descansar em paz ou fazer um último ensaio para sair desse mundo com estilo?

 

E aí? Você faria?