Assistimos ao filme Em Transe (Trance) de Danny Boyle e nos surpreendemos positivamente, o clima é ótimo, tem algumas cenas exageradamente nojentas, claro, mas é um filme com conteúdo super interessante no fim das contas. Vale a pena o tempo assistindo, vale a pela a profundidade da história.

 

Dirigido por Danny Boyle (ah, mas o que isso significa?) – quem assistiu 127 Horas sabe exatamente até onde Danny Boyle pode ir com seu detalhismo e com a profundidade dos nossos sentimentos durante a história. Acho surpreendente um autor que consegue fazer uma história que nos desperta diversos sentimentos. O filme é realmente surpreendente.

 

movie trance

 

Surpreendente por um único motivo: No meio do filme, você meio que desconfia do que pode estar acontecendo, de para onde estamos indo com os personagens, mas ainda com muitas dúvidas. E no final, quando realmente descobrimos o que está acontecendo, o que aconteceu e fim, não era muito bem aquilo que estávamos imaginando, com uma pitada de “bem que eu sabia”. Deu para entender alguma coisa? Não, o filme não é confuso, só que exige sua atenção 100%, não adianta ver o filme pensando na morte da bezerra, vai por mim!

 

Sinopse oficial: Um profissional (James McAvoy) ligado aos leilões de peças de arte acaba envolvido com uma gangue responsável pelo roubo de quadros. Para se livrar destas pessoas, ele deve se unir a uma hipnoterapeuta (Rosario Dawson), mas logo a relação entre desejo, realidade e sugestão hipnótica começa a colocar todos em perigo.

 

movie em transe

 

Lembrando que o filme não é indicado para menores de 16 anos (Danny Boyle e suas intensidades). Tem algumas cenas bem fortes mesmo que fizeram com que eu olhasse para o outro lado. Mas são muito poucas, a maioria é bem tranquila e intrigante. Ah, e o filme é categorizado como de “suspense”, mas não colocaria ele aí nesse limbo que afasta muita gente não. Ele é um filme bem psicológico, bem intrigante. Não dá medo não, rsss….

 

Perfil Coxinha

Coxinha Nerd

Fica a dica!
A favor dos nerds e contra a tirania dos Kibes.
Facebook | Twitter