Festival Internacional de Quadrinhos de BH – Um paraíso Nerd?

-por , em 20/11 -
Festival Internacional de Quadrinhos de BH – Um paraíso Nerd?

De 13 a 17 de novembro de 2013, na Serraria Souza Pinto, em Belo Horizonte – MG ocorreu o 8º Festival Internacional de Quadrinhos, ou, para os íntimos, FIQ. Mas você sabe por que esse evento atrai Nerds de todo o Brasil? Eu não sabia, então fui conferir!

Aproveitei o feriadão, peguei meu nerdmóvel e fui com a patroa pra BH. Saímos cedinho e depois de seis horas de estrada tranquila e duas paradas para lanche (o melhor de viajar é parar para lanchar – pensamento de nerd gordinho) chegamos à cidade. Admito que a minha ansiedade era enorme, afinal, o último grande evento de quadrinhos que eu havia ido tinha sido a Rio ComiCon em 2011, e nunca havia tido a oportunidade de ir ao FIQ.

Ao entrarmos, uma atmosfera mágica nos fez imergir em um universo maravilhoso, onde todos parecem velhos amigos. De fato, acho que este é o maior mérito deste tipo de evento: fazer pessoas que nunca se viram, nem sequer se conhecem, conversarem sobre sua paixão em comum por horas, como velhos conhecidos. E para mim foi duplamente especial, pois encontrei um amigo do Rio que não via há muito tempo, e conheci pessoalmente alguns amigos do grupo de colecionadores do qual faço parte no Facebook.

Claro que nenhum nerd que se preze iria ao FIQ sem uma pilha de gibis na mochila para serem autografados, e eu tinha minha lista de prioridades. De cara, consegui a senha para a fila de Eduardo Risso, cultuado ilustrador argentino. Ao lado do capista Dave Johnson, também da equipe criativa de 100 Balas (que estaria completa se problemas pessoais não tivessem impedido a presença de Brian Azzarello), distribuiu autógrafos, sorrisos e tirou foto com todos os fãs, sem apresentar sinais de cansaço. Porém, enquanto eu estava nesta fila, momentos de tensão: a distribuição de senhas para os ilustradores das Graphics MSP havia começado. Neste momento, minha sidekick e esposa Renata provou seu amor por mim (como se ir a uma feira de quadrinhos sem gostar nem um pouco do tema já não fosse prova suficiente), e conseguiu senhas para todas as mesas! Dia cansativo, porém missão cumprida.

Meu segundo dia de FIQ, que na verdade foi o quarto dia de festival, começou com uma expectativa muito alta, e explico de forma rápida, com duas palavras: George Peréz! Se você conhece minimamente o mundo dos quadrinhos, com certeza já ouviu falar nesse nome. Essa lenda viva participou de um momento histórico da DC Comics com Crise nas Infinitas Terras, Novos Titãs e a reformulação da Mulher Maravilha, e já desenhou praticamente todos os personagens da DC e da Marvel e, segundo o próprio, ele adora encher a página com dezenas e até centenas de personagens. Mas você pode pensar que um Mito como Mr. Pérez pudesse ser um cara arrogante, distante dos fãs. Errado! O tamanho de sua simpatia rivaliza com o tamanho de seu currículo: pense num homem com estoque infinito de sorrisos e abraços!

A FIQ recebeu artistas nacionais e internacionais e contou com exposições (entre elas a do livro Ícones, que em suas páginas mostram personagens emblemáticos do mundo dos quadrinhos reinterpretados por outros autores), debates, oficinas, lançamentos de quadrinhos, autógrafos, além de um excelente espaço para fazer amizades, uma gibiteca à disposição de todos e diversas outras atividades oficiais e paralelas relacionadas à nona arte. Realizada pela Prefeitura de BH, por meio da Fundação Municipal de Cultura, sua programação foi gratuita. O homenageado desta edição foi um dos mais importantes criadores da atualidade, Laerte, criador dos Piratas do Tietê, Overman, entre outros. Se você quiser conhecer a programação completa do evento e todos os autores que passaram por lá, acesse: Programação FIQ

Agora me fala: um festival onde você pode ter contato com autores cultuados nacionais e internacionais, conhecer quadrinistas independentes, ficar sabendo de novidades antes de todo mundo e fazer novas amizades, é ou não é um paraíso Nerd?

Bruno Pinotti
por

Bruno Pinotti

Bruno Pinotti é publicitário, ator, pai, marido e muito Nerd. Colecionador de quadrinhos, foi um dos primeiros de sua espécie a procriar fora do laboratório. Escreve para o Coxinha Nerd sempre que possível, mas não tanto quanto gostaria. Dê uma passadinha no menu "sobre nós" e divirta-se com meus outros posts!

Recomendamos para você