O Filme origina Netflix, intitulado Festival Eurovision da Canção: A Saga de Sigrit e Lars; faz uma sátira ao famoso concurso musical Eurovision. Originalmente o filme estrearia juntamente com a data do concusro em 2020, no entanto o mesmo foi cancelado em virtude da Pandemia.

A história acompanha Lars e Sigrit. Dois Islandeses que sonham um dia poder cantar no festival Eurovision, contudo a qualidade duvidosa da banda e a descrença na população da cidade nunca foi muito motivadora. Até que um golpe de sorte aliado ao elfos -famosos na Islândia- eles são escolhidos para as seletivas. E contrariando todas as probabilidades possíveis eles se veem dentro do concurso.

Um filme com piadas moderadas, afinal estamos falando de um concurso real, e zombar dos “Donos da Casa” seria algo muito, mas muito errado. Com isso, a história se limita a acompanhar os altos e baixos da dupla e a descoberta de sua real identidade na musica.

A relação entre Lars e Sigrit, que mais está para fraterna do que amorosa, também é parte da piada, onde a produção faz uma crítica -subentendida- ao machismo de pequenas cidades.

O desenvolvimento não decepciona, principalmente se te agrada esse tipo de filme com muita música, muita confusão e muitas piadas. Confesso que muito possivelmente são os tons das “piadas” que podem estar decepcionando a crítica. Algumas soam preconceituosas, como por exemplo a dos americanos, ou sobre gays na Russia.

E se você está acostumado a assistir filmes com o ator Will Ferrell, então muito possivelmente está acostumado ao padrão exagerado e caricato que seus personagens sempre tem; Lars não é diferente. Ele interpreta um personagem traumatizado, e infantiloide que se recusa a crescer, limitado a seu egoismo e a seu sonho… Mas, engraçado.

Rachel McAdams está belíssima e certamente é o maior destaque. Ela não somente é uma ótima atriz de comédia, como também soube equilibrar o lado dramático que o filme propôs.

E se você achou que não teria, a banda Abba nunca poderia ter sido deixada de lado, já que ela foi uma das maiores estrelas do concurso. Seja através de pôsteres, ou com a participação especial Graham Norton. Foi de fato uma boa homenagem.

Com uma reviravolta sem muito significado, Eurovision cumpre o que propõe que é entreter. Não é um filme ruim, mas é menos do que esperava.

Eurovision já está disponível na Netflix.

LEIA MAIS SOBRE FILMES