Se fossemos trancados em uma sala, sem nenhuma maneira aparente de sair, é muito comum imaginar que  provavelmente surtaríamos, chutaríamos as portas e janelas, gritaríamos por ajuda ou, que até mesmo, sentaríamos num cantinho para chorar. A ideia de ficar preso em um ambiente realmente não é algo muito confortável para se pensar, a não ser quando… Tudo se torna uma grande brincadeira!

Os famosos jogos de escape são nossos conhecidos de longa data. Suas primeiras aparições foram em RPGs de mesa e nos computadores, quando estes ainda só nos mostravam textos em uma tela de cor única e, convidavam seus participantes a exercitarem suas habilidades lógicas e de raciocínio, em desafios onde uma situação problema era apresentada juntamente de algumas opções de ação, sendo que as escolhas certas te levariam a avançar até o final e as erradas, a qualquer momento do jogo, te fariam voltar até a estaca zero. Hoje, com a desenvoltura e propagação da ideia, não existe site de jogos online que não possua uma seção de escape, e muito menos um título de game, independente da plataforma, que não possua em pelo menos um momento de puzzle em sua história. Temos como exemplos jogos e fases clássicas vistas em Tomb Raider, Crimson’s Room, Portal, God of War, Splintercell e, claro,  livros como “Cidadela do Caos”, entre muitos outros.

Maaaas, é claro que tudo que é virtual ou fictício anda de mãos dadas com o pensamento de “E se fosse verdade?”. É daí que, primeiramente no exterior e agora no Brasil, surgiram lugares especializados no assunto, trazendo para a realidade a experiencia de fuga. Os mais fortes exemplos são o já apresentado por nós Escape 60 (Se ainda não viu, o link do post está AQUI) e o hoje inaugurado ESCAPE ROOM.

Imagens obtidas no site do Escape Room

Localizado na Vila Mariana, o Escape Room é um ambiente divertido que tivemos a chance de conhecer em um animado coquetel realizado neste último dia 07 de julho. O lugar possui atualmente disponível o desafio chamado “O lado B”, porém já conta com uma próxima sala em desenvolvimento e teste, mais uma planejada e outras a serem idealizadas. Assim que eu e minha mãe chegamos, além de muito bem recepciondas por Tony e João, criadores e desenvolvedores de tudo por lá, nos deparamos com um lobby onde existe uma prateleira com diversos livros e mini puzzles para nossa distração, entre eles, livros de quizz sobre Senhor dos Anéis e GoT, desafios de geometria e ilusão de ótica, dois cadeados de Houdini e outros. Em conversa com os criadores, eles nos contaram um pouco sobre a idealização do Escape Room e como foi o desenvolvimento de “O lado B”. Uma das curiosidades citadas é que eles procuraram testar a sala com diferentes grupos de pessoas, inclusive testando e comparando como grupos gamers reagiam e entendiam  os puzzles propostos em relação a grupos de pessoas não gamers, que, por não terem esse contato mais constante com os jogos, poderiam não enxergar tão rápido dicas e sacadas que talvez fossem mais óbvias aos gamers, já com bagagem e noção básica do que procurar. Também foi nestes testes que foram ajustados o nível de dificuldade do escape, os tipos de pistas e distrações inseridas e claro, como seriam encaixadas na história do desafio.

Todos os que foram convidados tiveram a chance de visitar, fuçar e explorar o ambiente de “O lado B”. Contudo, infelizmente não poderei lhes falar muito sobre a sala, para não correr o risco de entregar qualquer dica que possa ajudá-los. O que posso contar é que se trata de um ambiente de mistério. Um escritório de época onde trabalhava um doutor em experimentos científicos que, de alguma forma agora envolveram você, encarregado de entender o que aconteceu e perceber as conexões existentes entre o passado vivido pelo homem, o presente em que você vive e um futuro distante, para encontrar as respostas dos enigmas deixados na sala e assim poder sair de lá.

Entrada da Sala O Lado B (não podemos mostrar detalhes em alta definição 😉 )

Mais além, lembram daquela sala que já está em teste que citei alí em cima? Então, os criadores nos organizaram em grupinhos de oito e fizeram mini sessões de 10 minutos para cada, nos desafiando a sair de um ateliê de artes com quadros de um falsário! Para nós, foi uma experiencia divertida e repleta de risos. A interação entre todos alí, cada um correndo pra um canto e gritando “ACHEI ISSO!”, “ACHEI AQUILO!” para depois levantar teorias e testar hipóteses até chegarmos a chave valeu muito a pena! Foi engraçado depois de tudo olhar pra sala e ver como deixamos passar coisas óbvias e fomos direto tentar as ideias mais complicadas… ai, ai… Ok, nós escapamos, mas confesso que precisamos ultrapassar dois minutos do tempo limite e ainda de algumas dicas do pessoal do Escape room, que nos acompanhou do início ao fim e filmou nossa atividade, mas NÓS ESCAPAMOS e eu fiquei super feliz! E para a staff, nossa tentativa serviu de indicador, pois tudo na sala tem que ser bem lógico, a pessoa precisa conseguir chegar de alguma forma na informação, ou pelo menos perto dela para conseguir chegar na resposta pensando um pouco. Então são essas partidas que mostram que algo que parecia ser bom pode ter algumas falhas, estar fácil ou difícil demais para o tempo estipulado ou até mesmo ser incrementável e adaptado, para o resultado final ser algo super bom!

Mas, e ai? Se interessou pelo Escape Room? Então, fique ligado nestas próximas semanas para um entrevista super bacanas com os criadores! E não se esqueçam: olhem tudo, pensem em tudo e nunca tratem nada como trivial demais se quiser vencer os 60 minutos! E não se esqueça de agendar a sua visita pelo site, para não perder a diversão, pois os jogos só são realizados com dia e horário marcados, ok?

Endereço: Rua Bagé, 268 – Vila Mariana, SP, CEP: 04012-140

Eu vou ficando por aqui. Beijinhos e até a próxima!

Compartilhe: