A primeira temporada da série Todxs Nós chegou ao seu fim no último domingo na HBO , mas as mensagens por ela transmitida seguirão firme e presentes em nossas mentes e corações.

Ao Longo de oito significativos episódios, pudemos ver temas de extrema relevância ligados ao universo LGBTQIA+, tais como compreensão, inclusão, aceitação e uso de linguagem inclusiva por meio do cotidiano de três protagonistas Vini, Maia e Rafa, personagem este que se trata de um jovem pansexual e não-binário que chega à cidade de São Paulo em busca do seu próprio caminho.

Além da linguagem simples, o show se utilizou do tom de comédia para discutir e promover a reflexão acerca do preconceito social. Pensando nisso, listamos sete ensinamento que Todxs Nós nos transmitiu:

IDENTIDADE DE GÊNERO SEM RÓTULOS
TODXS NÓS nos desafia a expandir a compreensão sobre a identidade de gênero. Historicamente, o gênero foi pensado como binário, organizado em duas categorias opostas: feminino e masculino. A série apresenta diversas experiências de gênero possíveis em pessoas que não se identificam totalmente nem com o feminino, nem com o masculino. A história de Rafa também mostra que a compreensão de gênero não é estática, pode fluir no tempo, e também pode se localizar em um amplo espectro por fora do binarismo tradicional.

MAIS PRECONCEITOS DO QUE PARECE
No primeiro episódio de TODXS NÓS, Rafa chega a São Paulo em busca de um ambiente livre onde possa encontrar o seu caminho longe das expectativas do pai, um homem tradicional e conservador. Por isso, invade a vida do primo Vini, um jovem cisgênero, homossexual e urbano, acreditando que encontraria nele alguém aberto e sem preconceitos. No entanto, Rafa descobre que, mesmo na comunidade LGBTQIA+, as pessoas não binárias ainda não são totalmente compreendidas. No começo, é difícil para Vini entender Rafa. Para que isso aconteça, ele terá que ir deixando de lado as categorias às quais estava acostumado. Além de mostrar o percurso de Rafa, a série bate de frente com outros tipos de preconceito, abordando com humor e audácia mais temas relevantes por meio das histórias de Vini e Maia, como o veganismo, a monogamia, o racismo, o feminismo, o assédio no trabalho e a homofobia.

NÃO É BRINCADEIRA, VOCÊ ESTÁ FALANDO DE MIM
Há alguns anos, a linguagem inclusiva vem ganhando espaço na sociedade. O modo como nos expressamos é uma ferramenta-chave de inclusão e respeito pelos outros e faz parte do caminho em direção a uma sociedade mais diversa. Em alguns episódios de TODXS NÓS, vemos Vini ironizar a linguagem inclusiva, ao colocar a letra “e” no final de todas as palavras. Na verdade, esse recurso é indicado para uso nos substantivos que fazem referência a pessoas, além dos artigos, pronomes e adjetivos que os acompanham.

UM CAMINHO EM CONSTRUÇÃO
Enquanto apresenta as complexidades da identidade de Rafa na cidade grande, TODXS NÓS percorre seu caminho de crescimento e transformação. O personagem deixa completamente para trás a garota que foi um dia e experimenta mudanças físicas como tatuagens ou um novo corte de cabelo, redescobre a sexualidade, enfrenta as dificuldades da independência econômica e transita o caminho em direção à vida adulta.

COMO VOCÊ QUER QUE EU TE CHAME?
TODXS NÓS também mostra com humor um desafio cotidiano quando nos relacionamos com uma pessoa não binária. Rafa nos ensina que, quando existe há dúvidas sobre como se referir a alguém, o mais indicado é perguntar: Como você quer que eu te chame?

A CIDADE BINÁRIA
TODXS NÓS também revela as dificuldades cotidianas decorrentes da concepção binária do mundo. Pessoas não binárias encontram obstáculos em espaços divididos por gênero, como banheiros ou salões de beleza. Em um encontro com pessoas não binárias e transgênero em São Paulo, no terceiro episódio, Rafa descobre, sem meias-palavras, os efeitos da discriminação e da exclusão do coletivo LGBTQIA+.

UM PEDAÇO DE PANO NÃO DEFINE NADA SOBRE NINGUÉM
A produção nos convida a refletir sobre outros preconceitos culturais enraizados que vêm à tona no dia a dia. Como é explicado em uma conferência à qual Rafa comparece no primeiro episódio, a identidade de gênero não deve ser confundida com as preferências de gênero. Uma roupa, por exemplo, não pode ser feminina nem masculina. Trata-se apenas de um pedaço de tecido. O mesmo acontece com os cortes de cabelo, já que não existe penteado de lésbica, como a personagem de Maia insinua no segundo episódio. Os objetos, as cores ou os estilos que culturalmente classificamos como femininos ou masculinos não têm gênero e, menos ainda, definem a identidade de gênero de uma pessoa.

A luta pelos direitos LGBTQIA+ está muito longe do fim, e a cada dia a comunidade alcança novas conquistas; a mais recente foi o direito de poder doar sangue, que antes não era permitido. Esperamos que um show, com o grau de relevância de Todxs Nós tenha a visibilidade necessária, e que possa dia após dia sensibilizar aos que assistem e permitindo que o pré conceito seja minimizado na mente e nos corações das pessoas.

TODXS NÓS está disponível na HBO GO.

LEIA MAIS SOBRE SÉRIES