Hoje saiu o prêmio Nobel da paz, e eu ainda não ganhei! Ahhhhhh… Pois é, eu sei que vocês torceram muito, mas ainda não rolou, quem sabe no ano que vem né? Este ano, quem levou o sonhado prêmio foi a União Européia e o comitê justificou citando o papel que o bloco exerce, há muito tempo, para a união do continente. Vou reproduzir aqui o que li a respeito na Globo.com.

 

A União Européia e as instituições que a precedem em sua formação “contribuíram durante mais de seis décadas para a paz e a reconciliação, a democracia e os direitos humanos”, disse Thorbjoern Jagland, presidente do comitê do Nobel. O comitê saudou o bloco, atualmente com 27 países, por ter reconstruído a região após a Segunda Guerra Mundial e por ter semeado a estabilidade nos países do antigo bloco comunista, após a queda do Muro de Berlim, em 1989. “Durante um período de 70 anos, Alemanha e França se enfrentaram em três guerra (1870, 1914-18 e 1939-45). Hoje em dia, uma guerra entre Alemanha e França é impensável”, disse Jagland. (…)

 

A surpreendente premiação ocorre em um momento em que o bloco político e econômico é abalado por uma forte crise econômica, que põe à prova a unidade regional, com profundas divisões entre os países do sul do continente, como Portugal, Grécia, Itália e Espanha, muitos afetados pela crise da dívida e suas consequentes políticas de austeridades, e os do norte, mais ricos, liderados pela Alemanha.

 

Tirando a parte da brincadeira, eu acho que este prêmio deveria servir de exemplos para países como o Brasil que não passou por nenhuma guerra tão devastadora como a Segunda Guerra Mundial, mas que mesmo assim apresenta características de subdesenvolvimento dignas de um país pós-guerra. Somos um país grande, politicamente capaz e economicamente capaz. A era da colonização já se passou há mais de 500 anos e mesmo assim continuamos nos comportando como dependentes e incapazes.
O que será que falta nesse nosso lar para que possamos crescer e nos desenvolver com ética, valores e força? Porque continuar dependentes tão fortemente do que os países mais ricos dizem e decidem? Ah, porque temos uma dívida ativa? Não entendo porque isso limita nosso desenvolvimento. Nos foi dado (de graça mesmo) um solo fértil, um grande território, um clima privilegiado e muitas pessoas para trabalhar e ajudar a crescer. Porque não unimos todos os fatores que estão a nosso favor e não começamos a fazer a diferença?

 

Ganhar o prêmio Nobel da Paz por fazer um continente se tornar unido e desenvolvido mesmo depois de muitas guerras é realmente bonito e digno de aplausos, mas acharia mais lindo ainda se o Brasil ganhasse o prêmio Nobel da Paz por acabar com a fome, com a péssima educação e com a dependência que temos dos poderes criminosos e corruptos.

Compartilhe: