O abismo existente entre as mídias virtuais, impressas e televisivas é imenso e quem mais percebe essa distância é exatamente quem trabalha com a internet. Ser uma celebridade virtual, na maioria das vezes não faz diferença alguma para as ditas “pessoas normais”, ou seja, que não possuem o hábito de acessar a internet para gastar horas com blogs, sites de humor e entretenimento.

 

O que isso gera? Uma quantidade gigantesca de celebridades anônimas! What? Parece contraditório, mas é isso mesmo. Vou explicar um pouquinho melhor…

 

Nem todo mundo conhece o Anonymous, você vai achar essa afirmativa um absurdo, mas vou lhe provar: se perguntar para a sua avó quem é Carlos Nascimento, ela vai conhecer com certeza, vai dizer que é um jornalista e tal… Mas experimente perguntar quem é Anonymous, será que ela vai saber? (lembrando que reconheço que existem exceções, ok?).

 

O fato é, assustem-se ou não, as pessoas com zilhões de seguidores no twitter ou que possuem mais de 300 mil likes no Facebook e se vangloriam diariamente disso, podem ir comprar pão na padaria normalmente sem ser incomodado por ser uma celebridade… já o Carlos Nascimento… isso mesmo! Parece triste, mas tem hora que determinadas pessoas tem vontade de gritar no meio da rua “Ei! Eu sou uma celebridade na internet! Me amem!”.

 

Para os que acham que esse mundo está mudando, aqui vai minha mais sincera conclusão: Está mesmo! Duvida? Pois então, está mudando aos pouquinhos, mas está! Li hoje uma reportagem que me despertou o interesse por este assunto, o nome dela é: Anonymous aparece entre os 100 mais influentes da TIME. Não, ninguém precisa causar confusão ou invadir sites do governo para ser famoso na internet, mas o fato de existir uma mídia impressa dando a devida importância ao que acontece na internet, já é um ponto positivo, não acham?

 

Muitos programas de TV tem se valido do impacto que algumas pessoas tem na internet para chamar atenção e aumentar a audiência… Parece que os valores estão sendo invertidos! E isso é legal, considerando que pais e mães tem se importado um pouquinho mais em entender o que seus filhos vêem na internet, sem classificar tudo como “esquisito”, “proibido” ou “vulgar”.

 

Pensem um pouquinho sobre essa inversão de valores e dêem sua opinião aqui! Estamos participando de uma grande mudança de valores na sociedade de modo geral, vale a pena formar uma opinião a respeito.

Compartilhe: