Doctor Who – Review do 1º episódio – Deep Breath

-por , em 25/08 -
Doctor Who – Review do 1º episódio – Deep Breath

Meu Deus, pessoas… O que foi isso?!?! Doctor Who voltou, finalmente, com um super episódio de um pouquinho mais de 1 hora e quinze minutos, e que começo de 8ª temporada, não?!?! Deep Breath, acredito que não foi só pelo contexto do enredo, mas um alerta para nós fãs… Porque olha, foi preciso respirar fundo em vários momentos, afinal, você acha que seria fácil lidar com tanta coisa que ficou para este primeiro episódio?! A readaptação do Doctor, sua amizade com Clara, Vastra, Jenny e Strax, Londres vitoriana, e uma dinossaura…. Oi?! Dinossaura?

Pois é… A Tiranossaura Rex que de repente apareceu na Londres Vitoriana e prontamente identificada como fêmea, pela Madame Vastra! Como em um susto e que se apareça o dinossauro! O que eu achei muito interessante neste episódio, é que ele foi escrito tão cuidadosamente e inteligentemente, que parecia que nós, expectadores, não fôssemos somente as pessoas sentadas de frente a uma tela assistindo, mas que fôssemos os personagens do enredo e passássemos pelas mesmas emoções que as personagens.

doctor who s08e01

Chamaram Vastra para entender o que era aquilo e claro que o enigma fora resolvido, assim que a dinossaura vomitou a TARDIS… Ela fora para Londres por ter engolido o Doctor e a Clara… Dentro da nossa querida caixa azul. A Madame Vastra deu um aparelho que manteria a dinossaura presa em um determinado diâmetro, ainda mais porque o Doctor teria que se recuperar da regeneração, que nunca é um processo muito fácil, vide as outras regenerações, ainda mais esta que se deu em uma circunstância muito especial, vide o especial de Natal, apareceu do nada um ciborgue que roubou os olhos de um homem que estava olhando para dinossaura, de repente, se volta o take para o Doctor e ele traduzindo o que a dinossaura dizia e de repente, ela pega fogo. Auto combustão, foi o que sugeriram, mas não foi isso.

peter capaldi and jenna coleman

Claro, foi o ciborgue, que queria o nervo óptico de dinossauro, para enxergar melhor, e queimou tudo para encobrir o que faltava, como foi muito bem deduzido por Vastra, e no meio do caminho, o Doctor acordou para tentar salvar a dinossaura, ficou um tempo perdido. até ser atraído por um anúncio de jornal, juntamente com a Clara, um restaurante com vários outros ciborgues, que encurralaram a nossa dupla, a Clara quase se deu mal e é claro que o Doctor salvou a vida, obviamente, passando bem da sua confusão inicial causada pela regeneração. Este ciborgue ejeta um compartimento de seu restaurante, que na verdade é uma nave, que ainda funciona por ter partes de corpos humanos, bem parecida com a…

Exatamente, Madame de Pompadour do século 51, lembram-se da 2ª temporada, com o 10º Doctor? É o mesmo princípio… Inclusive, é uma nave irmã… Curioso que vimos algumas alusões ao passado do Doctor, como quando o próprio Doctor diz ter saudade de Amy. E o Doctor derrota o ciborgue, sim… Mas, vamos às considerações mais profundas…Primeiramente, o episódio foi bem confuso, o que para mim foi ótimo, mostrou bem a confusão do Doctor…

doctor who

Começando bem de supetão com o dinossauro, e as dúvidas e tudo mais… Foi um episódio que nos remeteu ao passado, como sempre acontece com o Doctor que vai demonstrando traços dos antigos (e o Capaldi falando Geronimo), como disse, nos remeteu à 2ª temporada e à época da Amy…. No final, ele oferece à Clara, batata frita, coisa que a Rose adorava e, não sabendo o que vestir, ele cogitou de usar o cachecol do 4ºDoctor, e que realmente nos mostrou a bagunça que fica a cabeça do Doctor com a regeneração. Só, que acima de tudo, este foi um episódio de aceitação.

Trabalhou-se muito com a Clara, que de certo modo esperava o Doctor de Matt Smith, aí fica a questão: a Clara representou o público mais resistente com relação à troca ou todos nós fomos transformados em Clara para quem estava sendo mostrado o novo Doctor? Vastra, foi até feroz com Clara, até perceber que sim, ela não deixaria o Doctor. E também, o trabalho que o próprio Doctor fez com ele para que ele se aceitasse… Mas, o mais emocionante disso tudo estaria por vir.

Ok… Aquela parte que Vastra diz que assim como ela usa o véu, o Doctor escolhe faces para ser aceito, foi de uma extrema força, e extrema sensibilidade, mas, nada comparada à emoção de ver o 11º Doctor ligando para a Clara para explicar o que aconteceu e falar: Sim, aceita, sou eu… E não me diga que eu estou grisalho… Nossa… Lágrimas, pessoas, lágrimas!!! Matt Smith me aparece no 1º episódio e o Moffat se mostrou um safado mais uma vez, mas foi super emocionante… Não só o 11º falando com a Clara, mas, mais ainda, o pedido reforçado pelo 12º… E a Clara reconhecendo o Doctor, finalmente… Isso foi lindo, e espero que para todos tenha funcionado… E por fim, pra não dizer que Moffat não aprontou pouco conosco…

matt smith

Lembram do ciborgue, né?! A conversa entre ele e o Doctor foi crucial também para a aceitação do novo Doctor, e esta questão de se reconhecer ou não, muito bom, mas, vimos que ele morreu, e ele foi para a Terra Prometida, o Céu… Recepcionada por uma tal de Missy e quem é ela?! A mulher que colocou o anúncio do jornal para atrair o Doctor e a Clara, colocou o número do telefone para o Doctor ligar e quer que os dois fiquem juntos?! Ela se intitula “namorada” do Doctor e me deu nó…

mulher doctor

Foram muitas as emoções e as confusões deste primeiro episódio… E vou falar, valeu a pena a espera! Já adorei o Capaldi como Doctor e acho que será uma ótima temporada… Espero que todos tenham gostado e não vejo a hora de ver o segundo episódio… E como ainda diz o Doctor… Geronimo!

Cris Siqueira
por

Cris Siqueira

Nerd, administradora, RPGista, apaixonada por gastronomia, curiosa sobre todos os assuntos e acha que Darth Vader é Deus. Gasta seus “bons tempos” escrevendo, lendo, vendo seriados e viajando. Reza todos os dias para tirar sempre 20 nos dados e nunca morrer no meio de uma batalha!

Recomendamos para você