Sim, pessoas! O famigerado dia do adeus do 11th chegou! The Time of the Doctor chegou, para a tristeza de muitos Whovians, o que é o meu caso, já que o Doctor de Matt Smith é o meu favorito (sim, é indiscutível a qualidade do 10th Doctor. David Tennant é sim o melhor Doctor desta geração, por ser assumidamente um fan boy da série, o idolatro, com certeza, mas é que não consigo não me render pela fofura de Matt Smith), mas também para a alegria de muitos outros Whovians que estão ansiosos pela nova repaginada que a entrada de Peter Capaldi propõe para a série. No episódio, vimos o Doctor envelhecer, o porquê dele regenerar, sendo que pela regra, ele não regeneraria mais, a rachadura na parede e Amy Pond no final, junto com os sempre maravilhosos discursos que Matt Smith sempre deu! Vem comigo, que conto mais…

O episódio começa com o Doctor teletransportado por Handles, uma cabeça de Cyberman, com um bom banco de dados, sem a parte orgânica e com o tempo, percebemos que se tornou para o Doctor, o que foi o Wilson para Chuck Noland em O Náufrago, vide as piadinhas pelo Facebook, mas falaremos disso depois. Em uma nave Dalek e ele, com um pedaço de Dalek na mão. O que acontece é que todos os inimigos dele estavam parados, em torno de um planeta, pois ouviram um tipo de mensagem, embora não soubessem direito do que se tratava, foram checar e o Doctor não poderia ficar de fora. Até que, o telefone toca… Ele pede pra Handles um dia lembrá-lo para colocar o console dentro da unidade e…

Era Clara… Sim, precisava de um namorado, e seria ele… Aquela antiga trapalhada de falar que temos namorado quando não temos e blá-blá-blá, o peru de Natal que ainda não estava assado, assar o peru no vórtice da TARDIS (oi?) e acabar indo para o espaço… Como o Doctor tinha aparecido sem roupa para ir para a igreja, a TARDIS os leva para lá… A Igreja Mainframe Papal, uma Igreja de Segurança que mantém o Universo seguro. Tasha Lem, a Sacerdotisa da Igreja, vai ter uma conversa privada com Doctor sobre a mensagem que  está despertando medo em todos os povos que a ouvem através do tempo e espaço e Clara, que espera do lado de fora, se depara com o Silêncio, invade o quarto onde os dois estão conversando, mas logo esquece… Nesta altura, Tasha já está mandando Doctor para o planeta que está emitindo a mensagem para ele averiguar o que é… Doctor leva Clara, mas Tasha exige a chave da TARDIS antes deles descerem ao planeta…

Tasha Lem

Eles descem no planeta, muita neve e Weeping Angels debaixo dela, com um truque de esconder a chave na peruca, porque sim, o Doctor raspou o cabelo, eles conseguem transportar a TARDIS para lá, com a ajuda de Handles, se salvam das Angels e vão ver o que se passa na cidade. O Doctor até sugeriu que mentissem, mas, eles estavam embaixo de um campo de verdade, impossível mentir na cidade, e principalmente debaixo da torre em que estavam… E como se chama a cidade, se chama Natal. Eles entram na torre e Doctor acha a rachadura, a fraqueza estrutural em todo Universo, cicatriz causada no dia 26 de junho de 2010, o dia que o Universo explodiu. E o Doctor percebeu que estaria tentando alguém passar pela fenda. Como antes, quando eles estavam pairando pela fenda, Handles falou que estavam sobre Gallifrey, seu planeta natal, o 11th percebeu que era seu povo querendo passar pela fenda. Bastasse ele responder a pergunta, que fora decodificada pelo seu Wilson, a pergunta mais antiga e que daria passagem para eles… A pergunta que não quer se calar: Doctor Who?

Se o Doctor desse o nome, os Time Lords entenderiam que acharam o local certo para atravessar. Depois que Handles traduziu a pergunta para todas as formas de vida do Universo, todos entenderam, inclusive Tasha Lem, o que estava prestes a acontecer. Time Lords atravessando para este lado da rachadura, a Guerra do Tempo se iniciaria novamente, mesmo que eles viessem em paz. Uma coisa que ela não poderia permitir. Doctor, percebendo o perigo que os cercavam, manda Clara de volta para Terra e pergunta à Lem, que planeta era aquele. Ela prontamente responde, Trenzalore e Doctor parece aceitar sua sina, já que sabia ser este, seu destino final.

Doctor decidiu ficar e cuidar da cidade, O Homem que ficou pra o Natal, e com a ajuda da Igreja, que manteve os inimigos de Doctor afastado, e passaram-se 300 anos. A cada ano que se passava, Doctor foi ficando mais querido entre os habitantes da cidade e até parecia que ele já tinha esquecido que tivera outras vidas. Até que em uma festa, eis que surge a TARDIS, ele até questiona por onde ela esteve por 300 anos, e com ela vem Clara. E Doctor a chama para mostrar o amanhecer e a luz do sol que só dura alguns minutos e explica a ela que ele não pode sair do planeta e que ninguém pode atacar, pois, se atacarem, ele solta os Time Lords e se ele for embora, eles acabam com o planeta. É nesse momento, depois de 300 anos que Handles “morre”, pois ele desenvolveu um defeito… O companheiro do Doctor morreu, e depois que amanhece, Doctor explica brevemente que ele não pode mais regenerar, já que ele só pode ter 12 versões dele, mesmo e contando o War Doctor já se foram as 12 versões das 13 regenerações. E ele é chamado por Tasha pra conversar.

Chegando lá, ele percebe que Tasha, não é mais Tasha, e sim um Dalek com resquícios de Tasha Lem que até consegue assumir novamente a consciência, ajudando Doctor a escapar de mais uma. Ele, mesmo contra a vontade de Clara, a manda de volta para Terra, e volta para Trenzalore. Clara fica desolada, na sua ceia de Natal com a família, até que ouve novamente o barulho da esperança, a TARDIS. Ela pensando ser o Doctor, se depara com Lem e ela diz que ele não pode morrer sozinho, ele já está muito velho e prestes a morrer, de velhice, mesmo cercado por todos os inimigos.

Old Doctor

Creio ser aí a parte mais emocionante do episódio, Clara, pensando ser o Doctor, leva daqueles biscoitos que vêm com poemas (embora todos preferissem piadas) e dá ao idoso Doctor, já em Trenzalore. O poema, um trecho de “Pensamentos em um Relógio” de Eric Ritchie Junior que dizia: “E agora é a hora do último arco. Como todos seus outros eus… A hora do décimo-primeiro acabou agora… O relógio está marcando doze.” Nisso, avisam que os Daleks estão vindo para pegar o Doctor e este, já cansado, vai se entregar. Ele se despede da impossible girl e já nos dá um nozinho na garganta.

Ela, não satisfeita, pede ajuda para os Time Lords do outro lado da parede, falando que o real nome do Doctor, é realmente Doctor pois foi assim que ele se fez amado e conhecido! E se eles realmente o amam, eles iriam ajudá-lo. A rachadura da parede some e a cena vai para Doctor em cima da torre, ele percebe que a rachadura aparece no céu e os Time Lords sopram um pouco de energia de regeneração para Doctor, e assim, burla-se a regra das 13 regenerações. Doctor dá início ao processo de regeneração e consegue afastar a todos os inimigos.

Quando o Doctor dá início a este processo, ele praticamente devasta a cidade com a energia liberada. Clara sai à sua procura e o encontra na TARDIS. Foi legal ver elementos do começo da era Matt Smith, fish fingers and custard, Amy jovem correndo pela TARDIS, o Doctor sabendo que não seria mais o 11th e mais uma vez, um discurso, sempre muito bem feito por ele, e que emociona. Falando que tudo que você é, vai embora em algum momento, as coisas mudam, assim como ele também precisa mudar, todos mudam quando se pensa nisso, somos diferentes pessoas durante a vida, e tudo bem, contanto que sempre lembremos de quem éramos, ele prometeu que lembraria, mas ele regenera, e esquece… Inclusive de como se pilota a TARDIS… Mas antes, ele tem a visão de Amy, que fala para ele: “Raggedy man, good night!”. E regenera!

Amy Pond

Ponto fortíssimo para este final, ser o último rosto que seu rosto viu, o primeiro de todos eles. Claro que o episódio teve suas falhas, aluns pontos corridos, mas pode-se dizer que o adeus do 11th fez jus à trajetória de Matt Smith em Doctor Who, mas a despedida dele não superou a despedida de Tennant que foi traumatizante! Mas foi triste ele derrubando a gravata borboleta! :'(

12º Doctor

E que se dê boas vindas ao 12º Doctor! Peter Capaldi!

Compartilhe: