ESPECIAL DIA DAS MÃES | As 5 matriarcas mais marcantes das séries!

-por , em 12/05 -
ESPECIAL DIA DAS MÃES | As 5 matriarcas mais marcantes das séries!

COMEÇANDO AS COMEMORAÇÕES DO DIA DAS MÃES!

Primeiramente, gostaria de começar esse post dando parabéns para todas as mães nerds que acompanham o nosso site. Parabéns para Cris, que tem os filhos Luke, Leia e Beto. Parabéns para a minha mãe, minha avó e minha sogra (na probabilidade ínfima delas estarem lendo esse post).

Bem, como todos devem saber, domingo é o dia delas. Elas, que nos deram a vida, nos criaram e nos ensinaram o que é certo ou errado. Elas, que nunca vão aprender que game online não dá pra pausar, que nem todo pokemon é o Pikachu e que sempre entra no quarto na cena de sexo daquela série que você acompanha.

Então, sem mais delongas: FELIZ DIA DAS MÃES. E, para comemorar essa data tão especial. Seguem 5 das mães mais marcantes dos seriados. Como todas as minhas outras listas, eu só incluo séries que eu já tenha assistido. Então, se houver alguma mãe especial que eu esqueci de incluir, provavelmente é por causa disso. E essa lista não está em nenhuma ordem de preferência.

PS: Alerta de possíveis SPOILERS

Interpretada por Jane Kaczmarek, Lois – do seriado dos anos 2000, Malcolm in the Middle – é talvez a mãe mais durona dessa lista. Ela tem o temperamento forte, é mandona, teimosa e extremamente agressiva. Mas ela está totalmente justificada. Afinal, ela é a única mulher em uma casa com o marido e quatro filhos (cinco, se contar o bebê que nasce no meio do seriado).

É preciso ser um tipo especial de mãe durona pra conseguir criar tantos homens de forma honesta e mantê-los na linha. Apesar disso, ela ama a família com toda as suas forças e irá brigar por eles e protegê-los sempre que necessário.

Já falei de Catelyn em outro post sobre dia das mães que fiz aqui para o Coxinha, mas nunca é demais falar dela novamente. Catelyn é uma mãe e esposa super dedicada e o amor dela por sua família é inegável.

Ela está sempre preocupada e faz de tudo para se certificar de que seus filhos estejam bem. É de partir o coração perceber como a família dela tem sido desfeita no decorrer das temporadas.

Sinceramente, se eu tivesse que escolher uma mãe de seriados para ser a minha mãe, eu escolheria Kitty Forman. Seu jeito amoroso e compreensivo é a perfeita contramedida ao jeito grosso e insensível do marido, Red.

Enquanto o pai critica duramente o filho, tentando criá-lo “como um homem de verdade”, Kitty paparica o garoto, e o apoia quando necessário. O seu bom humor, e seu apoio, estão sempre presentes e fazem dela uma mãe espetacular. É raro ela se irritar, mas quando isso acontece, até o bravo e corajoso Red corre para as colinas.

Uma lista de mães não estaria completa e eu não incluísse a Dona Nenê, de A Grande Família. Essa é, discutivelmente, a melhor série de humor brasileira até o momento e, por 14 anos (sério, é todo esse tempo! Eu também fiquei surpreso), essa família fez parte das nossas vidas.

A música de abertura já começa dizendo “Essa família é muito unida…” e todos sabemos que Dona Nenê é a cola que manteve essa família unida por todos esses anos.

Com a nova temporada lançada pela Netflix, Gilmore Girls se tornou relevante novamente e eu fico feliz de poder incluir Lorelai na minha lista. Originalmente, a série ficou no ar entre os anos 2000 e 2007 e se tornou referência do que uma série de “mãe e filha” deveria se tornar. Lorelai teve a filha muito cedo e, por isso, é bem jovem na série.

Ela tem um jeito irreverente e divertido, que faz com que ela se identifique muito com a filha e, de vez em quando, elas troquem de papel (pois Rory é bem madura para a idade dela). Apesar do seu jeito um tanto imaturo (principalmente na forma como ela lida com os pais), Lorelai claramente ama a filha e faz de tudo por ela. Inclusive, quando a filha foi aceita em Chilton, Lorelai engole o orgulho e pede ajuda financeira aos pais.

Curtiram nossa primeira lista? Então fiquem ligados que o Especial Dia das Mães só está começando!

Veja mais sobre Séries

Bruno Machado
por

Bruno Machado

Carioca de nascimento, mas Pernambucano de criação, esse cabra arretado é um verdadeiro seriófilo (é uma palavra sim). Jornalista e roteirista, ele se gaba de ser capaz de identificar qualquer serie a partir de uma imagem. Acredita que o dia não tem horas o suficiente para todos os livros, series e jogos que existem no mundo. Defende que é biscoito (não bolacha), só come hambúrguer sem tomates, bebe coca sem gelo e só consegue assistir TV se o volume estiver em um número divisível por 5.

Recomendamos para você