Imagine acordar e ver que alguém pretende demolir sua casa. Você corre para tentar impedir tal ato e seu amigo te convida a ir a um bar as 10 horas da manhã. Seu amigo te revela que ele não é quem você pensa que ele é. E também te conta que o mundo como conhecemos vai ser demolido em pouco menos de 10 minutos. Ahhh, e também menciona que é um extraterrestre e que como você o salvou anos atrás, ele salvará sua vida hoje.

É desta forma que começa uma das histórias mais cômicas e loucas que já li em toda a minha vida…O Guia do Mochileiro das Galáxias foi escrito por Douglas Adams, inicialmente como forma de programa de rádio, em 1978. O programa de rádio fez tanto sucesso na Inglaterra que logo depois foi transformado em livro, quadrinhos, série de TV e por último, um grande filme de Hollywood.

Todo mundo sabe que o Guia do Mochileiro das Galáxias é um livro totalmente sem noção, sem explicação, sem respostas, de uma visão da Galáxia surpreendente e com um humor ímpar…capaz de fazer qualquer um passar vergonha ao ler a coleção em um lugar público! Vamos combinar que o “Não Entre em Pânico” registrado na capa do livro e na capa do Guia do Mochileiro das Galáxias, conforme explicado por Ford Prefect a Arthur Dent, não serve somente para os personagens fictícios dos livros…Precisamos também não entrar em pânico ao começar a viagem por um lugar muito maior e mais vasto que o universo, ainda mais imprevisível que o Gerador de Probabilidade Infinita.

A nave Coração de Ouro acaba de aterrisar na mente de Douglas Adams (salve! salve!) e no mundo criado a partir de suas teorias, idéias, histórias e todo o resto. O Guia do Mochileiro diz que Douglas Adams é um escritor que já foi guarda-costas, construtor de cachoeiras, porteiro de hospital, limpador de galinheiros, editor de série de TV Doctor Who, além de ter sido escritor e locutor de um livro chamado O Guia do Mochileiro das Galáxias.

Adams era um visionário e em 1978, em seu programa de rádio, já idealizava um produto igual ao atual Kindle, e-reader da Amazon.com, lançado em 2007. Em reconhecimento ao título de “ser único” no que diz respeito a ideias loucas, Adams foi premiado diversas vezes no mundo da tecnologia. Um dos tradutores mais famosos da Internet, o “Babel Fish”, foi batizado em homenagem ao “Peixe Babel” de seu livro, assim como o comunicador de mensagens instantâneas “Trillian” que homenageou a personagem terráquia que deu toque feminino ao livro.

No livro, aprendemos que “a poesia Vorgon é apenas a 3ª pior do universo, sendo a primeira a poesia de Paula Nancy Millstone Jennings”, mas na verdade o nome correto da autora da pior poesia do mundo era Paul Neil Milne Johnstone, uma pessoa real. Segue abaixo um trecho da 3ª pior poesia do universo:

Ó fragúndio bugalhostro tua micturição é para mim Qual manchimucos num lúrgido mastim. Frêmeo implochoro-o, ó meu perlíndromo exangue. Adrede me não apagianaste a crímidos dessartes? Ter-te-ei rabirrotos, raio que o parte!

Pior do que a poesia Vogon, seria tentar imprimir o Guia do Mochileiro das Galáxias, apresentado no livro, o que representaria uma quantidade de papel suficiente para encher muitos prédios, a quantidade exata não pode ser calculada nem pelos tons de azuis surpreendentemente inteligentes. Para os fãs, foi anunciado em Janeiro de 2010 que o 6º livro da “trilogia de 05 livros” será finalmente lançado no Brasil com o título “Só mais uma coisa”, editado pelas Editoras Record e Sextante e escrito por Eoin Colfer. Será que presta?

Os leitores do Guia do Mochileiro das Galáxias são descritos pelo autor como “Pessoas que tentavam exercitar seus cérebros através da leitura, um hábito que foi deixado de lado desde a criação do Guia do Mochileiro das Galáxias em sua atualização número 42, quando foi adicionado leitor de voz. O que por sua vez levou muitos mochileiros à morte pela Terrível Besta Voraz de Traal que acha que se você pode falar com ela então ela pode comê-lo”.

Bom, para os que querem conhecer um pouquinho mais dessa história, podem ver o filme…nele, durante o passeio de Slartibartfast pela galáxia o rosto de Douglas Adams pode ser visto como um planeta. E não se esqueçam: “Não entre em pânico” afinal, “Resistir é inútil”.

Compartilhe: