Cuidado com os “Nude Selfies” e os “Sexting”!

-por , em 16/04 -
Cuidado com os “Nude Selfies” e os “Sexting”!

Nos dias atuais, os Selfies se tornaram uma coisa muito comum e está na moda a sua prática. Ainda mais com as facilidades concedidas a qualquer um que porte um Smartphone: acesso rápido a rede, câmeras de boa definição, muitas vezes até munidas da opção de flash, apps de edição de imagem e acesso as redes sociais… Facilmente se pode tirar um foto de si mesmo e por em exposição para o Mundo ou quem você preferir. Isso atrai especialmente os adolescentes e, acabou ainda, gerando os chamados  “nude selfie” e “sexting”, o compartilhamento de fotos intimas em sites e aplicativos como o WhatsApp.

Existe no Brasil uma ONG especializada em lidar com vítimas dessas situações, pessoas que tiveram suas fotos expostas indevidamente na Internet, a Safernet Brasil. Esta entidade monitora crimes e violações dos direitos humanos na internet, em parceria com a Policia Federal e o Ministério Público e, realizou recentemente, um estudo sobre o assunto.

O estudo mostra que o numero de casos atendidos pela Safernet, por razão de sua intimidades ter sido indevidamente exposta na web, vem crescendo desde 2013. Essas pessoas são vitimas da veiculação de fotos, videos e conversas de conteúdo erótico ou pornográfico, que foram feitas em caráter intimo, e que não desejavam ver na web. O incrível é que as vítimas de  “nude selfie” e “sexting”, que mais buscam ajuda do atendimento psicológico da Safernet, são garotas que estão na faixa etária de 13 a 15 anos

A psicóloga Juliana Cunha, da Safernet, diz que  os adolescentes e jovens encontraram nos smartphones uma nova maneira de expressar sua sexualidade. Razão para o “nude selfie” e o “sexting” fazerem parte dessa nova cultura. Ela declara: “O ‘selfie’ com nudez é mais um jogo sexual, em uma fase de descobertas que sempre aconteceu na adolescência. Para muitas, é uma prova de cumplicidade e intimidade com o parceiro. O problema é que agora existe uma platéia enorme assistindo à cena e julgando a vítima através das redes sociais. Não existe mais segredo entre duas pessoas na internet””.

Já uma outra pesquisa da Safernet, esta feita em parceria com a operadora de telecomunicações GVT, mostrou que 20% de 2.834 jovens brasileiros entrevistados, afirmaram ter recebido conteúdos de “nude selfie” e “sexting”. E que 6% deles reenviaram essas imagens para outras pessoas.

A maior preocupação relacionada a essa prática de compartilhamento, é justamente a perda do controle da foto ou vídeo intimo, uma vez que foram publicados e estão on-line. Um exemplo a se citar é o de uma estudante de 19 anos, de São Paulo, que acabou constrangida após fotos suas praticando sexo grupal com cinco universitários, terem rodado a internet. Também, em novembro de 2013, o caso de Júlia Rebeca, que morava em Parnaíba (PI), tinha 17 anos e se suicidou depois de um vídeo seu praticando sexo circular as  redes sociais.

A Safernet acaba de lançar uma campanha mundial contra a divulgação e o compartilhamento nas redes sociais de fotos, vídeo ou mensagens intímas, especialmente de menores de idade. O cartaz de divulgação contem alertas como “A internet não guarda segredos” e “Mantenha a intimidade off-line”, pois as imagens compartilhadas podem cair nas mãos das pessoas erradas.

A divulgação desse tipo de conteúdo, sem o consentimento do dono, de acordo com varias leis, é crime. O ato pode ser classificado como difamação ou injuria segundo os artigos 139 e 140 do Código Penal. O artigo 241 do Estatuto da Criança e do Adolescente, qualifica como crime grave a divulgação de fotos, gravações ou imagens de crianças ou adolescentes em situação de sexo explícito ou pornográfica, com pena de 3 a 6 anos de reclusão e multa para quem publicar materiais que contenham menores de 18 anos. Também temos a Lei 12.737, que conjura como crime a invasão de um dispositivo informático alheio para  obter, adulterar ou destruir informações sem a autorização do dono, podendo haver multa e  prisão de 3 meses a 1 ano.

Marco Civil da Internet, que aguarda aprovação do Senado para virar lei, prevê em seu artigo 21 que a vítima pode pedir ao provedor a retirada de conteúdo de nudez da própria pessoa, sem a necessidade de advogado ou de recorrer ao judiciário.

Eu sou mulher e mãe, aconselho a minha filha o que agora aconselho aos leitores: não guarde em hipótese alguma esse tipo de conteúdo. As vezes, no momento em que você e aquela pessoa pessoa especial estão juntos, fazem essas fotos. Vocês tem esse direito. Mas depois de passado o momento da brincadeira e da curiosidade, melhor deletar. As pessoas se chateiam ou brigam e na hora da raiva, agem sem pensar. Uma vez na rede, como já foi dito acima, você não tem como saber quem teve acesso a imagem. Então, a melhor solução é a prevenção e evitar o que leva a tentação!

Luciana Fogo
por

Luciana Fogo

Chocólatra assumida, sou também uma viciada em livros e totalmente capaz de virar a noite com uma boa história! Mas o meu maior amor é ter INFORMAÇÃO! Pergunte que eu descubro!

Recomendamos para você