“O medo de sangue tende a criar o medo de carne”. A produção de fraldas para adultos nunca obtivera tanto lucro quanto depois da criação de Silent Hill! Sim, caros amigos! O Halloween está aí e pra você que quer ter alguns “medinhos” e por conta de algum alinhamento de planetas não conhece esses “joguinhos inocentes”, venha com o Titio Heavy , adentrar nessa cidadezinha tão marota…

No meio do sucesso de um console revolucionário da Sony, o Playstation, eis que surge um survival horror que se diferenciava muito dos seus parceiros de gênero. Grande sacada da Konami, em 1999, era lançado o primeiro jogo borrador de calças de Silent Hill, survival horror de primeira qualidade, roteiro amedrontador, grotescamente fantástico em seus gráficos (para a época, deixemos claro) e trilha fantástica.

O plot da história do primeiro game é o seguinte (não entrarei em detalhes para não estragar a experiência de jogar), Harry Manson e sua esposa ao andar de carro em um belo dia encontram um bebê, e dão o nome de Cheryl a praga criança. Depois do infortúnio, que é a morte da esposa, um belo dia Harry e Cheryl decidem tirar férias em Silent Hill (vale dizer que eles costumavam fazer isso). Mas entrando na cidade, o carro bate em uma árvore e nosso querido amigo, quando acorda, percebe que sua filha sumiu e então tenta encontrá-la!

A história do primeiro game se desenvolve naturalmente de forma macabra e cativante, os gráficos (muito bons para época) dão frio na espinha, e a trilha sonora fantástica, composta por Akira Yamaoka, faz com que qualquer marmanjo tenha arrepios ao se aventurar pela cidade.

Mas lógico que estou falando da série nesse post, a qual, mesmo tendo seus escorregões com algumas coisas em seus sucessores, sempre conseguiu manter o mesmo ritmo de: Você vai cagar na calça e pedir pra dormir com a mamãe depois de jogar. Vale dizer ainda que, a série já teve jogos para o Playstation 1, 2 e 3, GBA, Xbox, Xbox 360, PSP, Arcade, PC, Celular, Torradeira da tua vó, ou seja, caso queira se assustar um pouco, tem pra todos os gostos e fanboys disponíveis. Todos eles com seus sustos, reviravoltas (tanto de história como de estômago), trilhas de levantar até os pelos que você não sabia existirem! Enfim, tudo para que você tenha uma boa jogatina e precise de terapia depois.

Antes de sair dos jogos, é bom falar do motivo de Silent Hill ser tão prestigiado e assustador. O diferencial da maioria dos survival horrors da época (afinal tem muito jogo desse tipo hoje em dia que aprenderam com o mestre) era que, ao invés de focar na aparição de monstros e na explosão de miolos, o foco do jogo era um terror mais psicológico, algo bem parecido com terror de filmes japoneses (quem já viu um filme de terror oriental sabe do que falo), muito mais psicológico do que visual, tanto que muitos dos monstros e situações vividas pelos protagonistas de cada jogo, refletem seus medos, desejos, pecados, angústias e etc.

Além da franquia consagrada de jogos, a cidade do capiroto ainda se aventurou no cinema com dois filmes. Um lançado em 2006, Terror Em Silent Hill como foi chamado aqui no Brasil, é considerado por muitos uma das melhores (se não a melhor) adaptações de jogos para o cinema já feita na história. O plot do filme segue uma linha baseada no primeiro jogo da série, entretanto com algumas mudanças, a começar pela protagonista que agora é uma mulher mas que também vai atrás de sua filha.

O segundo filme lançado em 2012 é Silent Hill: Revelação, o plot conta sobre Heather Mason que junto com seu pai Harry tem alguns probleminhas com a galerinha de outro mundo, mas a coisa se complica quando o patriarca some, e a guria que está para completar seus 18 anos começa a ter uma série de revelações e se vê obrigada a fugir da cidade.

A bizarrice e legado de Silent Hill não acaba nos filmes, recentemente fomos apresentados ao novo game da série: Silent Hills, que ainda não tem data de lançamento, entretanto já sabemos que nomes de peso como Hideo Kojima (Metal Gear), Guilherme Del Toro (O Labirinto Do Fauno) e também Norman Reedus (Daryl Dixon de The Walking Dead). O game será lançado para o Playstation 4 e existe uma demo jogável na PSN. Até mesmo o diretor do game já disse que quer ver os jogadores de Silent Hills borrando as calças, mas enquanto não temos maiores informações, vou deixá-los com o trailer maroto.

E para terminar esse post gigantesco que é um resumão sobre a série, vou deixar uma curiosidade para vocês, SILENT HILL EXISTE! Assim, guardadas a suas devidas proporções é lógico, sem monstros (até onde sabemos), sem gente maluca, e sem crianças para serem achadas na rua. Mas a cidade que estou falando é Centrália, lá pelas quebradas dos EUA, mais exatamente no estado da Pensilvânia, o lugar claramente inspirou o game pois, todo o local é coberto com uma névoa bastante sombria. Na verdade, ao contrário do jogo que tem uma explicação mais mística, a ‘sillent hill’ da vida real sofreu um acidente em uma mina de carvão, a qual até os dias de hoje continua fazendo com que uma densa neblina cubra o local.

E você meu caro amiguinho, se borrou nas calças? Já jogou alguma coisa de Silent Hill? Gosta da série? Tem pavor? Diga aí nos comentários qual é sua opinião sobre essa obra prima da Konami.