Olá Coxinhos, tudo bem? Hoje vou começar uma coluna nova aqui na Coxinha Nerd, vou explicar: Eu e meu marido resolvemos nos aventurar em uma nova jornada – a de criar o nosso primeiro cachorrinho! Vamos pelo começo, desde que fomos morar juntos pensamos em adotar um animalzinho, mas entrávamos sempre naquela indecisão da melhor raça a ser adotada, ele tem experiência com vira latas e defendia a tese de que é o melhor mesmo e eu tinha experiência com um Llasa Apso (o cachorro do Cebolinha, para os que não sabem), que é a coisa mais fofa do mundo, mas atentado demais.

 

Bom, como estávamos enrolando muito para decidir, acabamos por deixar essa vontade meio que de lado, mas nessas férias, vi no Facebook que estavam doando seis filhotinhos e resolvemos visitar e ver como eles eram. A mãe dos filhotinhos é uma vira lata bem pretinha, e o pai é um Yorkshire malhado de preto e branco. Ficamos apaixonados pelos filhotinhos, tinham três bem pretinhos, um totalmente branquinho e dois malhadinhos. Decidimos por um dos dois malhadinhos, porque era o mais feliz e atentado de todos – será que vamos nos arrepender de não ter ficado com um calminho? rsss

 

Optamos pelo nome Luke por ser totalmente nerd e de fácil associação, acho que nomes complexos para animaizinhos de estimação é meio pesado demais, né? Bom, no meio dos irmãozinhos, Luke era o que se sobressaía, ele ficava montando nos outros filhotinhos, mordendo suas orelhinhas, enfim, um atentadinho de verdade. E isso fez a gente se apaixonar por ele – se quiserem associar a cena à Marley & Eu, fiquem à vontade, porque até nós achamos semelhante demais, rsss… No primeiro dia em casa, como não tínhamos espaço determinado para o cachorrinho, resolvemos improvisar uma cerquinha com uma estante de plástico que tínhamos.

 

A gente não tinha nada mesmo para ele ainda, nem potinho, bem casinha e muito menos uma área reservada para cachorros né? Por isso improvisamos da melhor forma possível, colocamos um travesseiro de viagem para ele e uma toalhinha e não é que o pequetitinho adorou seu cantinho novo? Pelo menos no primeiro dia, rsss…que ele estava tremendo e cheio de medo, mas a partir do segundo dia esse cantinho já não era mais tão atrativo para ele assim…

 

Bom, na primeira noite o Luke deu muito trabalho, não sabíamos o que era para fazer com todo aquele choro e latido de medo e solidão – ah, esqueci de comentar, o Luke nasceu dia 24 de julho e nós o pegamos no dia 02 de setembro, ele estava com um pouquinho mais do que 30 dias, ou seja, um bebezinho mesmo!!! Lemos muito na internet sobre como lidar com um cachorrinho filhote e já posso adiantar aqui que tem muita baboseira espalhada por aí hein? Como ficamos nervosos demais com a choradeira do Luke, acabamos por agir muito mal com ele, demos atenção em todos os momentos de choro e desespero. Isso não se faz e já aprendi.

 

Precisa ter muita concentração e sono pesado, porque os bichinhos fazem de tudo para ter sua atenção mesmo, mas estamos ainda treinando isso… Ser desprendido no momento que seu filhote está sofrendo exige um trabalho psicológico muito grande, rsss… Mas precisamos lembrar que essas primeiras experiências ficarão marcadas durante toda a vida do Luke, então queremos fazer certo.

Compartilhe: