E agora que coca cola dá câncer? O que fazer?

-por , em 13/03 -
E agora que coca cola dá câncer? O que fazer?

A substância cancerígena 4-metnilizadol (4-MI), também chamada de corante caramelo, está presente nos refrigerantes tipo cola (Coca-cola e Pepsi estão entre os mais comumente consumidos) e também em outros produtos que fazem parte da dieta pouco saudável do brasileiro.

 

Cerveja, achocolatados, doces de confeitaria, molhos curry e vinagrete, além de salsichas, sopas e sucos industrializados são só alguns exemplos. Na semana passada, um comunicado feito pelo instituto de Defesa do Consumidor dos Estados Unidos alertou sobre o risco aumentado de câncer em camundongos expostos às doses altas do 4-MI.

 

A entidade – sigla em inglês CSPI – pediu providências do órgão sanitário norte-americano, o FDA, que regula o consumo de alimentos e medicamentos nos Estados Unidos. O FDA se posicionou dizendo que ainda não há evidências sólidas sobre os prejuízos acarretados à saúde humana e que seria necessário beber “mil latinhas de refrigerante por dia para ter algum efeito tóxico”.

 

Ainda assim, o estado da Califórnia (EUA) determinou a redução da substância nos refrigerantes cola de 150mg para o limite máximo de 29mg – caso contrário, mensagens de alerta sobre as sequelas tóxicas devem estampar as embalagens do produto. (convencidos pela possibilidade de existir o marketing negativo né?).

 

A coca-cola, em comunicado oficial, anunciou que pode modificar a sua fórmula, sem que o sabor ou coloração do produto sejam alterados. Nos Estados Unidos, a modificação na produção industrial já começou, conforme noticiou o jornal inglês The Guardian.

 

Alimentos desnecessários – Apesar dos refrigerantes terem motivado a discussão sobre a segurança do consumo do corante caramelo, a bebida gaseificada não é a única que utiliza esta substância. Uma revisão de estudos realizada no ano passado pela European Food Safety Authority (EFSA) informou que entre as principais fontes alimentícias de 4-MI no continente europeu estão, além de refrigerantes, a cerveja, os achocolatados, as salsichas, os doces de confeitaria, o vinagre, o molho curry, os temperos em geral, além do pão de malte, sucos industrializados entre outros.

 

No painel divulgado, a EFSA alertou que não foi comprovado o efeito cancerígeno em humanos devido ao consumo do corante mas que ainda são necessários “mais estudos”.

 

“Muitos alimentos utilizam o corante caramelo além dos refrigerantes, doces e balas de caramelo, por exemplo”, afirma o toxicologista do Instituto da Criança da Faculdade de Medicina da USP, Anthony Wong.

 

“Não temos nenhuma evidência, entretanto, de que o efeito tóxico da substância 4-MI é cumulativo e nem sabemos qual é a dosagem consumida com base nestas diversas fontes”, completou. “Mas o fato é que os alimentos que utilizam o corante não são, por essência, saudáveis. De qualquer forma, eles devem ser consumidos com moderação independentemente da associação com a substância cancerígena”.

 

O professor de toxicologia e farmacologia da Universidade de Caxias do Sul, e ex-presidente da Sociedade Brasileira de Toxicologia, Carlos Augusto Mello da Silva, alerta que ainda é preciso esperar evidências sólidas sobre o real risco do corante e o posicionamento dos órgãos reguladores.

 

“Mas para as pessoas que estão apreensivas, é bom alertar que o corante não é um nutriente essencial à saúde. Em vez de refrigerante, pode-se optar por sucos de frutas naturais ou água mineral”, sugere.

 

No Brasil – A avaliação de Wong, a restrição mais incisiva ao uso do corante caramelo deveria ser adotada como norma sanitária no País, como foi feito recentemente com a utilização do bisfenol A – composto cancerígeno presente em mamadeiras e chupetas, proibido no ano passado.

 

Comida enlatada favorece obesidade – “A Califórnia é um estado que dita as normas de segurança ambientais e alimentícias para o mundo. Precisamos ficar atentos”, disse o toxicologista.

 

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou, por meio da assessoria de imprensa, que “acompanha o caso da restrição do 4-MI” mas que não há previsão de nenhuma alteração nas quantidades máximas da substância nos refrigerantes. (Via Cidade Verde)

Cris Siqueira
por

Cris Siqueira

Nerd, administradora, RPGista, apaixonada por gastronomia, curiosa sobre todos os assuntos e acha que Darth Vader é Deus. Gasta seus “bons tempos” escrevendo, lendo, vendo seriados e viajando. Reza todos os dias para tirar sempre 20 nos dados e nunca morrer no meio de uma batalha!

Recomendamos para você