Entrando no clima…com Zé do Caixão!

-por , em 30/10 -
Entrando no clima…com Zé do Caixão!

Renomado médico obstetra, o Dr. Dalton faz declarações em uma emissora de televisão ressaltando nada ter contra as religiões em geral, mas que sua cruzada é contra os charlatães que pululam todos os meios de comunicação, ludibriando pessoas simples e crédulas, muitas vezes levando-as à loucura.

Mãe Dalmara, uma falsa espiritualista exploradora da fé do povo, revolta-se com as declarações do famoso médico, ela está segura de que isto irá prejudicar seus negócios. Um favelado desesperado com o estado de saúde de sua esposa, que está prestes a dar à luz e sua hemorragia é forte, procura a charlatã em busca de salvação. A vingativa mulher vê neste sujeito a chance de se desforrar e inicia um estranho ritual, tendo como parceira a gravida dilacerada pela dor. Rodeada por suas discípulas seminuas, ela rodopia e vocifera como que num combate direto com o próprio senhor das trevas. Durante sua atuação, ela nota que a frágil mulher já esta agonizando, e aí que como se tivesse recebido uma revelação, ela ordena ao crédulo marido que a leve à um famoso médico, e que o mesmo seria o único que a poderia salvar.
Danilo agradece à feiticeira e parte célere em direção à clinica do Dr. Dalton. Chegando lá ele é recebido pelo médico, que já estava fechando a clínica, tendo um carro parado na porta com sua esposa Samara e seus dois lindos filhos. Mas o Dr. Dalton, fiel ao seu juramento, imediatamente atende a moribunda e a leva para dentro.
Após um rápido exame o mesmo nota que o quadro é grave, e faz-se necessário uma transfusão imediata. O problema é que a paciente tem um tipo sangüíneo rarissímo (o negativo). O desespero do médico é grande, a enfermeira informa que nos estoques da clínica não há tal tipo, e o banco de sangue somente poderia atendê-los no dia seguinte. Danilo entra em parafuso e tenta agredir o médico com um bisturi, o Dr. Dalton consegue se defender dando vários golpes no alucinado homem. Ele sai correndo, seguro de que sua mulher já estava as portas da morte, e volta à tenda da mãe de santo. A salafrária já o estava esperando, numa postura de concentração, e diz ter recebido ordens espirituais para solucionar o problema do coitado.
Antes de explicar o que deveria ser feito, ela serve num cálice uma bebida para drogá-lo, e quando a beberagem começa a fazer efeito vem a informação de que somente um sacrifício humano resolveria a questão; “olho por olho…dente por dente!”. Danilo, já alucinado pela droga, entende que a morte da esposa e filhos do médico iriam salvar sua mulher, arma-se de um revolver e dirigi-se à residência daquele que havia assassinado seu amor.
Fica impossível de descrever a expressão no rosto desfigurado da malvada mãe de santo, regozijando-se na certeza da vingança já alcançada. Na clínica o médico, fazendo de tudo para salvar a mulher e os filhos que queriam nascer (eram gêmeos), subitamente é atingido pela lembrança de que seu tipo de sangue é o mesmo da paciente. Auxiliado pela enfermeira, ele praticamente fura sua veia e inicia-se a transfêrencia do plasma vital para a desvalida que já entrou em coma. Neste ínterim, na tenda da feiticeira, todos estão envolvidos num rito ao diabo chefiados pela morfética, enquanto que Danilo invadia a casa do médico deparando com a esposa e os dois filhos. Ele atira primeiro no menino, enquanto a mulher desesperada foge com a filha para a sala tentando ligar para o marido vir ajudá-la.
Acontece que, pela gravidade do caso, o Dr. Dalton havia tirado o fone do gancho para que nada interrompe-se seu trabalho. É exatamente neste momento que nasce a primeira criança, e o filho do médico morre… são gêmeos! Exclama o Dr. Dalton ao retirar a segunda criança, quase que sincronizado com o momento do impacto da bala no coração de sua filhinha. Agora o cano do revolver aponta para a cabeça da esposa do médico, duas balas estouram seu crânio, despejando pedaços de cérebro para todos os lados, e quando seu corpo inanimado atinge o chão, lá na clinica a moribunda abre os olhos! O louco drogado adentra na clinica, pronto para culminar sua rota de carnificina. Antes que possa esboçar qualquer reação ele é recebido pela enfermeira que traz seus dois filhos no colo, toda sorridente. O médico se aproxima informando-o de que um milagre aconteceu, fez-se a vontade de deus e sua mulher passa bem. O Dr. Dalton pede licença ao atônito homicida, e começa a discar para sua casa; na fisionomia de Danilo uma expressão indefinida começa a se formar…
Cris Siqueira
por

Cris Siqueira

Nerd, administradora, RPGista, apaixonada por gastronomia, curiosa sobre todos os assuntos e acha que Darth Vader é Deus. Gasta seus “bons tempos” escrevendo, lendo, vendo seriados e viajando. Reza todos os dias para tirar sempre 20 nos dados e nunca morrer no meio de uma batalha!

Recomendamos para você