Chadwick Boseman era um herói nas telas de cinema, sem dúvida. Fora delas, porém, ele não tinha poderes sobrenaturais ou um traje feito de um metal extremamente resistente. Mas Chad também era um herói. Ele vestia o manto do Pantera Negra com seriedade, onde quer que fosse. Ele assumiu a responsabilidade de ser um ídolo, um herói e um exemplo para os fãs, sempre pensando no impacto que suas ações teriam a imagem do personagem de T’Challa. Em uma entrevista recente, o agente do ator, Michael Greene, comentou um pouco sobre projetos que Chadwick e recebeu e recusou, buscando não decepcionar seus fãs, principalmente os mais jovens. 

“Houve um grande interesse em parcerias vindo das marcas depois de Pantera Negra. Alguém nos abordou e disse, ‘Você quer ter parte em uma empresa de bebidas, como o George Clooney e vários outros tem feito?’. Ele disse, ‘Eu não posso, porque como eu posso mostrar para crianças e jovens negros que eles podem ser super-heróis e depois fazer isso?’”

O agente aproveitou para contar um pouco mais sobre Chad e seu impacto no mundo.

“Chad sempre prezou pela integridade, ética e moral em seu trabalho. A quantidade de tempo que nós passamos montando estratégias sobre como ele deveria atuar para melhorar a humanidade – era sempre sobre como utilizar essa plataforma. ‘Como eu posso retribuir? Como eu posso fazer isso ser valioso para a comunidade negra e para a comunidade no geral?’ Ele sempre pensava ‘O que eu poderei dizer através desse papel?’”

Chadwick Boseman faleceu na noite do último dia 28, vítima de um câncer de cóllon.