Eu sou completamente apaixonada pelo Rio de Janeiro, independente de seus problemas econômicos e sociais. Sou nascida na capital e, mesmo tendo morado muitos anos no interior de MG, nunca deixei de me encantar com o dourado fim de tarde no Arpoador, as corridas e andadas de patins nas orlas da zona sul e as manhãs deliciosas na praia da Barra. O interior me amansa, mas o Rio me acalenta e é por isso que essa notícia aqui me emocionou e me despertou interesse em correr para o aeroporto Tom Jobim, independente de já morar aqui, na cidade maravilhosa!

Aproveitando a alta temporada de turismo pré-Olimpíadas, o RIOGaleão convidou o fotógrafo Pedro Garcia de Moura para uma exposição no Aeroporto Internacional Tom JobimCartiê Bressão, personagem criado para representar uma nova faceta do artista, é uma homenagem bem-humorada e antropofágica ao pai da fotografia de rua do século XX, o francês Henri-Cartier Bresson. As legendas das fotos, uma mistura macarrônica de francês e carioquês, ajudam a ressaltar ainda mais a maneira única do brasileiro de encarar a vida, esse je ne sais quoi tupiniquim.

Seu trabalho começou apenas com uma conta de Instagram e logo se espalhou pela internet, contando hoje com milhares de seguidores, livro publicado, exposições em galerias e no Palácio do Planalto, e extensa repercussão no Brasil e no exterior. A exposição reúne uma seleção de 40 fotos, pensadas especialmente para a ocupação das janelas de vidro do embarque e do desembarque do aeroporto, ficando ao alcance de todos que entram e saem da cidade, onde será possível conferir o panorama tão peculiar que Cartiê Bressão apresenta do Rio e dos cariocas. Dá um olhadinha em algumas obras:

RioGaleão exposição RioGalea exposição rio 2016

riogaleao rio 2016 rio de janeiro

rj rj

riogaleao rio 2016 rio 2016

rj riogaleao

Pedro Garcia de Moura nasceu e cresceu no Rio, mas foi viver seus anos de “exílio” trabalhando como diretor de arte em Londres, São Paulo e Buenos Aires. Ao voltar, em 2011, cheio de saudades das aves que aqui gorjeiam, fantasiou-se de lambe-lambe num bloco de carnaval carioca. Numa epifania carnavalesca, descobriu a vocação para retratar o cotidiano de la Cité Merveilleuse.

Lindo né? 🙂