O Instagram, bem como muitos redes sociais, amanheceu repleto de quadrados pretos nesta terça-feira (02/06). O movimento das redes sociais faz parte de um movimento muito maior contra o racismo. Chamado de Blackout Tuesday (terça-feira do apagão, em tradução livre), o objetivo da manifestação foi parar toda e qualquer atividade diária em redes sociais para se juntar ao protesto virtual.

As publicações estão sendo acompanhadas das hashtags #BlackoutTuesday e #TheShowMustBePaused (O espetáculo precisa ser pausado). O movimento partiu de algumas empresas do setor de música, começando fora do Brasil, mas rapidamente atingindo todo o mundo. Desde atores e atrizes a astros da música, todos usaram suas redes para postar o quadrado preto em protesto.

Dentre as empresas que se juntaram ao apagão, a Apple Music apagou todas as publicações no Instagram, e deixou apenas um vídeo e uma foto em apoio ao movimento. O Spotify prometeu inserir 9 minutos de silêncio entre músicas e podcasts, representando o tempo em que George Floyd ficou preso, com o joelho do policial no pescoço. A plataforma ainda comentou que irá amplificar as vozes negras.

O que mais?

O assunto serviu de debate para muitos, afinal, apenas postar o quadrado preto resolve? A usuária do Twitter, @juzao, usou sua conta para comentar sobre assunto. Dentre outras elas, ela escreveu:

“sim, só postar #blackouttuesday é pouco, POR ISSO, as iniciativas precisam se complementar – não se anular o movimento todo tá gerando notícia em portal, tá gerando pauta, discussão, debate. ele é uma abertura pras discussões maiores e não pode morrer só nisso. esse é o problema”

Empresas como Capitol, Warner Music Group, Interscope Records, Motown, Caroline, Kobalt, Electric Feel Management, LVRN, Universal Music Group, Ingrooves, UMPG e Pulse Music Publishing se juntaram ao movimento. No Brasil, as empresas Som Livre, Warner Music Brasil, Sony Music Brasil, Ingrooves Brazil, ONErpm, UBC, Universal Music Brasil, Deezer Brasil compartilharam seu posicionamento em redes sociais.

Informe-se sempre antes de divulgar qualquer tipo de conteúdo.

LEIA MAIS SOBRE MUNDO