“Uma coisa pode ser muito triste para ser crível ou muito má para ser crível ou muito boa para ser crível; mas ela não pode ser tão absurda para ser crível, neste planeta de sapos e elefantes, de crocodilos e peixes-espada”. Filósofo inglês G.K. Chesterton
 
Sinopse Oficial — A aproximação com o foco na relação entre pai e filho, o que expande a visão desta rica relação, desde o Big Bang até o fim dos tempos. O filme mostra uma fabulosa viagem pela história da vida e seus mistérios que chega ao ponto mais elevado na busca pelo amor altruísta e o perdão.
Direção — Terrence Malick.
Se você não gosta de filmes existencialistas, nem perca seu tempo assistindo “A Árvore da Vida”! Mas se você curte uma discussão subjetiva sobre o ciclo da vida e seus impactos na vida de todos nós, assista-o quantas vezes achar necessário. Terrence acertou 100% pelo simples fato de ter discutido a origem da vida sem se ater a conceitos religiosos e muito menos ateus.
O principal foco é a luta interna de seu personagem central – Jack (Sean Penn) – uma amargurada criança que se torna um amargurado adulto por ter sido criado por pais com ideologias completamente diferentes. A história tem seu início realmente no Big Bang e caminha até os dias atuais. É criada uma narrativa não-linear através de uma montagem de fatos da vida desta família em paralelo com o surgimento da vida em nosso planeta.
O verdadeiro conflito não está no filme e sim em cada um de nós. Terrence consegue desviar o foco da história para cada um dos espectadores quando nos apresenta conflitos inexplicáveis e acontecimentos que não dependem de nossa vontade. Ele joga em nossa cara o quanto somos consequências de um ciclo já pronto para começar e terminar.
A questão central — “a capacidade de amar e de se assombrar da humanidade é o que define a beleza e a razão da existência desta. Destarte, seriam os percalços e destruições que ocorrem durante nosso período nesta esfera azul o preço a pagar por tais maravilhas, uma parte inerente da incrível aventura que é viver?”
No mais, só vendo o filme mesmo, é uma experiência única! Além da fotografia impecável com efeitos especiais de deixar qualquer um de boca aberta e com uma trilha sonora de Alexandre Desplat que te transporta para essa história cheia de simbolismos e significados ocultos.
A Árvore da Vida não é um simples filme, encare-o como uma versão da vida por Terrence Malick.
Assista abaixo ao trailer do filme e veja-o assim que puder! =)