SOMOS UM PAÍS QUE LUTA!

Há 3 anos, o Brasil ocupa o primeiro lugar de um ranking mundial, que não foi comemorado: Ser o país que mais mata ativistas no mundo – só em 2017, foram 57 mortos, 80% deles de defensores da natureza – definitivamente não é motivo de orgulho.

Ao invés de exterminar, por que não protegemos e nos unimos a quem trabalha pela continuidade da vida no planeta? – A pergunta quem faz é Aruanas, série original Globoplay, produzida pela Globo e pela Maria Farinha Filmes.

Escrito por Estela Renner e Marcos Nisti, o thriller ambiental tem um propósito claro: alertar para a crise ambiental mundial e valorizar e proteger o trabalho de ativistas. Com direção artística de Carlos Manga Jr e direção geral de Estela Renner, ‘Aruanas’ vai além do suspense e da ação ao ressaltar o debate sobre a preservação da biodiversidade e, consequentemente, da vida.

A série em 10 episódios, cujo roteiro foi escrito com Pedro de Barros, tem ainda parceria técnica do Greenpeace e o apoio de cerca de 28 ONGs de atuação internacional e será lançada simultaneamente no Brasil e no exterior.

Nessa história, três guardiãs e sentinelas da natureza como Aruana, o nome de origem indígena da ONG que fundaram juntas, só querem defender o meio ambiente. No time majoritariamente feminino, também há espaço para a estagiária, com olhos leigos e disposição para aprender a lutar por seus ideais; e para os dramas pessoais de cada uma delas, como relacionamento abusivo, adultério, traição de amizade e briga judicial por guarda de filho.

A trama se passa na fictícia Cari, cidade do interior do Amazonas, de realidade dura e onde fatos estranhos acontecem: um pedido de socorro em tom de denúncia anônima, pessoas adoecendo de forma misteriosa, assassinatos e ameaças aos povos indígenas. As ativistas, cada uma em sua trilha investigativa, criam um mosaico de evidências que leva a um grande esquema de crimes ambientais envolvendo garimpos ilegais e uma renomada mineradora nacional.

Aruanas chega ao catálogo do Globoplay no dia 02 de julho de 2019.