Um dos grandes lançamentos da Disney esperado para 2020 era Artemis Fowl. Com mais de 10 exemplos de obras literárias, desde a série de livros a graphic novels, a história lançada nos anos 2000 marcou uma geração. Até hoje, sonhávamos com a adaptação cinematográfica do mundo de magia do jovem Artemis e ela chegou durante a pandemia. Embora só chegue ao Brasil quando o Disney+ for lançado, o filme vem arrebatando críticas negativas ao redor do mundo.

Mas afinal, Artemis Fowl: O Mundo Secreto é ruim?

O filme enfrentou alguns percalços antes de ser, enfim, adquirido e lançado pela Disney. Harvey Weinstein seria o responsável por liderar a adaptação ainda nos anos 2000, pela empresa Miramax. O projeto não deu certo e ficou guardado por um tempo, até ser assumido pela Disney, com Kenneth Branagh na direção. O resultado vem decepcionando muitos dos fãs dos livros, que esperavam por uma adaptação épica da história. Mas afinal, quem nunca se decepcionou com uma trama literária mal contada?

O filme conta uma versão infantilizada da história, que apesar de trazer um adolescente como protagonista, traz a sua maturidade. O filme adapta a trama dos dois primeiros livros da série de Eoin Colfer, iniciada por O Menino Prodígio do Crime. Ferdia Shaw foi o escolhido para viver Artemis e é um dos pontos altos do filme. Apesar da pouca idade e de interpretar um personagem nada carismático na produção, Shaw se destaca nas expressões e nos olhares sérios, principalmente nos momentos de tensão. O personagem, por sua vez, é fraco. Artemis é o protagonista da história, mas o roteiro raso o transforma em um adolescente mimado e apático.

Artemis

Aos 12 anos, Artemis busca cada vez mais o reconhecimento e amor do pai. Interpretado por Colin Farrell, Artemis Fowl Sr é um grande nome quando se trata de artefatos históricos. Após um sumiço misterioso, o garoto descobre que o pai foi sequestrado e esconde um grande segredo. O que ele não imaginava, porém, era que todas as histórias sobre fadas e criaturas mágicas eram verdadeiras. E o futuro do pai depende de um artefato misterioso, desaparecido do mundo das fadas.

O Artemis dos livros é um pequeno espião, basicamente um MacGyver de 12 anos. Suas habilidades mediante tecnologias, acessórios e situações de risco são o ponto chave da história, ao menos dos livros. E gostaríamos muito de ver a genialidade de Artemis como criminoso, superando até mesmo as expectativas do pai. No filme, o que temos são breves momentos de ação, forçados para dar destaque ao protagonista. Shaw entrega um bom trabalho, mas não era exatamente o que o público gostaria de ver ali.

O filme

O principal ponto prejudicial a Artemis Fowl: O Mundo Secreto foi a pandemia. O isolamento obrigou o lançamento do filme a ser feito por streaming, assistido em telas de computador ao redor do mundo. A produção da Disney é toda voltada pra o visual futurista, com tons de verde e azul destacando o olhar dos personagens. Esse era o tipo de filme que preciava ser visto em uma tela gigantesca, em altíssima definição e com um sistema de som igualmente capaz de nos transportar para o mundo de Artemis. Ver em casa certamente não trouxe o efeito que Kenneth pensou para seu filme.

Como um filme destinado a um público mais jovem, Artemis Fowl cumpre seu papel. Como um filme destinado a um público fiel e apaixonado pelos livros, Artemis Fowl está longe de ser satisfatório. Ter um protagonista de 12 anos não obriga a produção a adquirir um caráter infantil e é isso que acontece aqui. Toda a história dos livros foi adaptada para uma versão infantilizada e mais boba, decepcionando a muitos. Mas não pense que o filme é ruim, pois está longe disso. O visual e a fotografia são belíssimos e o elenco composto por nomes como Josh Gad, Judi Dench e Farrel, também não decepciona.

Artemis Fowl chegará ao Brasil pelo serviço de streaming, Disney+.

LEIA MAIS SOBRE FILMES