Armas exóticas comuns!

-por , em 16/08 -
Armas exóticas comuns!

Sabe aquele camarada exótico que você viu na tv? Aquele da tribo pigmeu? Pois é, na tribo, ele é só um cara comum. Exótico é você.

 

Estou falando isso porque há um talento, presente tanto em D&D quanto em Pathfinder e outros rpgs semelhantes, com o qual nunca concordei: usar arma exótica. Entendo a premissa de que se você não teve contato com uma arma pode ser mais difícil usá-la. Mas, se formos levar isto em consideração, toda arma que não esteja descrita na história de seu personagem é uma arma exótica para ele. Porque tamanha facilidade em aprender a usar uma Ranseur, que não é arma exótica, e tamanha dificuldade em usar um chicote? Tenho certeza que muitos que estão aí lendo nem sabem o que cargas d’água é uma Ranseur.

 

Acho que este talento é uma forma de desestimular a diversidade entre os personagens. Salvo raras exceções, alguém só vai pegar “usar armas exóticas – chicote” se quiser muito ser o Indiana Jones ou se for um pré-requisito para conseguir alguma coisa muito boa mais para frente.

 

armas comuns comuns

 

Em outros jogos, como o Gurps, não importa qual arma você utilize, será sempre necessário gastar alguns pontos na proficiência com a mesma. Faz sentido. Se você nunca usou uma arma, normalmente, vai apanhar um pouco dela até aprender a usá-la com perfeição. Mas isto é qualquer arma. Não é porque uma shuriken é exótica para nós ocidentais que ela será para um oriental que aqui reside. E mesmo assim, vai que o amigo do seu avô é o senhor Miyagi? Já dá para considerar a hipótese de usar uma shuriken desde criança (além da proficiência em pintar cercas e polir carros), não?

 

Então, proponho três métodos para corrigir este erro.

 

1- Extinguir o talento e permitir o uso de qualquer arma por qualquer jogador.

 

2- Delimitar o número inicial de armas de cada classe (exemplo: guerreiros começam conhecendo 6 armas e magos 2) e, a partir daí, para usar uma arma que o personagem não conheça ele precisará de treinamento (talento ou perícia, o que for conveniente pelo seu sistema) ou sofrerá as penalidades cabíveis.

 

3- Para pegar uma arma, o personagem tem que investir um mínimo em uma perícia conhecimento de armas. Por exemplo, pode-se exigir que um guerreiro de d&d tenha uma graduação em cada arma que saiba utilizar para poder utilizá-la sem penalidades. Nisto há um defeito: guerreiros normalmente têm poucos pontos para investir em perícia. Claro que este problema teria que ser solucionado com o aumento de pontos.

 

Enfim, fica a critério de cada um.

 

Perfil Gest Post

Guest Post

Participação especial na Coxinha Nerd!
Rafael Badia, ex colaborador da Coxinha Nerd!
Twitter

Cris Siqueira
por

Cris Siqueira

Nerd, administradora, RPGista, apaixonada por gastronomia, curiosa sobre todos os assuntos e acha que Darth Vader é Deus. Gasta seus “bons tempos” escrevendo, lendo, vendo seriados e viajando. Reza todos os dias para tirar sempre 20 nos dados e nunca morrer no meio de uma batalha!

Recomendamos para você