Animais tatuados? Sério isso?

-por , em 09/02 -
Animais tatuados? Sério isso?

Já tem um bom tempo, que navegando pela net, eu me deparei um gato com um desenho no corpo. A principio considerei como uma manipulação de imagem. Afinal, quem em sã consciência iria tatuar um pobre gatinho? Eu, pelo menos, nunca pensaria na hipótese! Não muito depois, eu soube que era real! O gato em questão, da raça Sphynx (aquela sem pelos, sabe?), realmente tinha uma tatuagem permanente no seu corpo! Não vou mentir: achei o resultado realmente muito bonito, mas também totalmente desnecessário e nunca o faria.

A moda começou na Europa, uns dizem que na Rússia, mas eu não consegui definir um local de origem para a prática, apenas que foi realizada em vários países por lá. Muitos disseram que era uma forma de arte, outros que era uma prova de amizade dos donos para com os seus pets. Foram tatuados animais diversos: cobras, cães, gatos, porcos. Só para você ter ideia, em 2007, o artista belga Wim Delvoye lançou a exposição Art Farm, onde apresentou vários porcos tatuados com o logotipo da grife Louis Vuitton, imagens religiosas, e até mesmo personagens da Disney, como a Pequena Sereia. Felizmente, muitos desses países hoje proíbem a prática, por considerarem ser crueldade com os animais. Eu agradeço! (Se bem que a Rússia aparentemente continua a permitir e muitos ainda o fazem por lá)

Se você deseja uma tatuagem em uma parte do seu corpo, isso é uma opção sua. Mas o pet certamente não tem o direito de optar se o dono tomar essa decisão por ele. E isso não é o mesmo que um procedimento comum realizado em pet shops, não se compara nem de longe a um banho ou tosa!

Para se tatuar um animal, é preciso anestesia-lo, ou ele não irá parar de se mover. Isso por si só já é um risco, mesmo com o veterinário estando presente. Assim como seria arriscado para você tomar uma anestesia geral, o mesmo é para o animal. Ele corre o risco de paradas respiratórias e choques anafiláticos tanto quanto um ser humano. Fora que, depois do procedimento, a cicatrização de uma tatuagem dói e requer também alguns cuidados para que não haja complicações. E o animal certamente vai tentar lamber a área que ele vai interpretar como estando debilitada, então será obrigado a usar um cone.

Eu entendo a vontade do ser humano de embelezar tudo, mas temos alguns limites! Eu acho bonito o resultado, como já disse, mas não acho que valha a pena fazer o animal sofrer para isso. Não é algo que vá fazer bem a saúde dele, apenas aos olhos de quem vê…

MAS, se você realmente quiser tatuar o seu pet, existem opções mais seguras e menos estressantes! As tatuagens momentâneas em animais tem grande aceitação, não necessitam de anestesia e saem após alguns banhos (o que eu até acho mais legal, já que o desenho pode mudar! eu não tenho tattoos porque sei que enjoo). São feitas com moldes estêncil e tintas que não prejudicam o pet, mesmo que ele lamba o corpo na área tatuada. 😉

E ai?  Você tatuaria o seu Pet?

Luciana Fogo
por

Luciana Fogo

Chocólatra assumida, sou também uma viciada em livros e totalmente capaz de virar a noite com uma boa história! Mas o meu maior amor é ter INFORMAÇÃO! Pergunte que eu descubro!

Recomendamos para você