Me lembro até hoje quando eu tinha lá pelos meus 10 anos de idade e minha mãe, sabendo como eu gostava de “desenhos japoneses”, chegou em casa com um VHS de Akira. Acho que foi esse o momento onde ela ficou chocada com os animes, já que, com menos de 10 minutos de filme, ela já estava a caminho da locadora para devolver o VHS. Akira é uma obra prima e conceitual criada no início dos anos 80 e que marcou gerações de otakus com toda sua grandiosidade. Hoje vamos conhecer um pouco sobre o mangá Akira, que poucas pessoas conhecem. Continuem lendo para mais detalhes!

Criado por Katsuhiro Otomo, Akira teve seu primeiro dos seis volumes lançado em 20 de dezembro de 1982 e é um dos precursores do gênero Cyberpunk no Japão, estilo que ainda não era famoso no Japão. Em 1988, Otomo se juntou com Izo Hashimoto e Akira ganha um longa-metragem de animação, que foi popularizado pelo mundo inteiro.

Toda a história acontece em Neo-Tokyo, que nada mais é que Tokyo destruída pela Terceira Guerra Mundial, que, supostamente, foi iniciada pelos incontroláveis poderes de uma criança chamada Akira (entendeu? entendeu?). 30 anos depois da III Guerra Mundial, uma gang de motoqueiros liderados por Kaneda é envolvida numa luta com a gangue rival, quando o membro mais novo do gang de Kaneda, Tetsuo, colide numa auto-estrada com uma criança misteriosa que havia escapado do programa de investigação psíquica secreta do governo. Tetsuo é depois levado pelos responsáveis deste programa governamental juntamente com a criança, e é sujeito às mais diversas experiências. O incidente com a criança misteriosa bem como os testes realizados acordaram os poderes latentes de Tetsuo, com desastrosas consequências tanto a nível pessoal, bem como conflitos interpessoais com os seus amigos, e a nível mais amplo, uma vez que Neo-Tóquio é novamente ameaçada por outro incidente.

No mangá, Akira é um personagem que surge apenas no segundo volume, enquanto que no filme, Akira foi dissecado para pesquisa e os seus restos mortais permanecem armazenados em crioconservação por baixo do Estádio Olímpico de Tóquio. Esta mudança tem um efeito dramático sobre a história. No mangá, Akira e Tetsuo aliam-se e depois Akira destrói Neo-Tóquio. O mangá tem muitas diferenças em relação ao filme, mas o resultado é o mesmo em ambos.

Algumas das curiosidades do anime são que o filme é composto de 2.212 fotos e 160.000 imagens únicas, que é 2/3 vezes mais do que uma animação normal; Foram usadas 327 cores diferentes, o que é um recorde para filmes de animação e cerca de 50 dessas cores foram criadas exclusivamente para o filme.

Outra grande curiosidade é que o personagem K’9999 de The King of Fighters 2001 foi amplamente baseado em Tetsuo, desde sua história até seu visual e poderes.

Existem algumas informações que a JBC irá começar a distribuir o mangá de Akira ainda esse ano aqui no Brasil pelo formato 17x24cm e com leitura oriental, ou seja, de trás para frente, diferente da versão que a Globo lançou em  dezembro de 1990. Existe também um rumor que Cristopher Nolan está envolvido com o Akira Project, projeto para dar vida ao Live-Action do mesmo. Lembrando que Nolan tem um misterioso filme para o início de 2017 que ninguém sabe o que é. Então esperamos que seja tudo verdade né?

Deixem suas opiniões e dúvidas aí embaixo que nós respondemos!

LEIA TAMBÉM:

10 ANIMES DE TERROR QUE TODO MUNDO TEM QUE VER!

GAMES: OPORTUNIDADES E AMEAÇAS DE UM SETOR EM EXPANSÃO!

ELES TRANSFORMARAM SEUS CORPOS PARA FILMES!

#DICADELIVROS – HERÓIS MODERNOS ESTÃO NA MODA?