Não sei vocês, mas sempre que assisto a um filme do Woody Allen, minha cabeça tende a explodir um pouquinho mais do que o normal. Eu já havia assistido ao filme Meia Noite em Paris há um bom tempo, mas hoje acordei pensando em todas as teorias que o filme defende e minha cabeça insana acabou fazendo um paralelo com a vida real…e aí já viram né? Virou post!


Para os que não conhecem a história do filme: A história conta sobre a vida de Gil (Owen Wilson) – um escritor que sempre idolatrou os grandes escritores americanos e sonhou em ser um dia como eles. Gil começou a trabalhar como roteirista em Hollywood e assim sendo, passou a ser muito bem remunerado e bastante frustrado. Agora Gil está indo para Paris com sua noiva Inez (Rachel McAdams), e os pais da moça. A viagem para Paris faz com que Gil volte a se questionar sobre os rumos de sua vida, desencadeando o velho sonho de se tornar um escritor reconhecido.

 

1

 

O melhor da história não é o fato de Gil e sua noiva viajarem para Paris ou de começar a existir uma crise de identidade profissional no protagonista. O que realmente movimenta o filme são as descobertas de Gil sobre seus anseios e realizações. Em uma noite de caminhada tranquila pela cidade, Gil pega carona com um grupo de escritores do século anterior e ele não acredita que estava realmente conversando e discutindo literatura com seus ídolos.

 

A moral da história nos leva a pensar naqueles momentos que vemos filmes de épocas antigas e imaginamos “acho que nasci na época errada”. Quem nunca teve esse sentimento? Pois então, convivendo com as mazelas de uma época que sempre admirou, Gil descobre que a melhor época para se viver é a sua própria época, é o seu momento, e é a sua história. Não adianta ficar romanticamente pensando que em épocas anteriores tudo era mais bonito e simpático. A beleza da sua história é você quem constrói. Um dia alguém verá seus filmes caseiros, seus filmes de férias, suas fotos e seus diários e com certeza pensará: “acho que nasci na época errada”. É um ciclo sem fim (ops, rei leão?!).

 

Sabe o que pode ser feito para tudo ser mais bonito, simpático e romântico em sua vida? Uma grande mudança! Nada melhor do que mudar… E acredite, podemos mudar qualquer coisa – todos os tipos de mudança tem efeito positivo em nosso cérebro e principalmente em nossa alma. Mudança não quer dizer “trabalho redobrado” e sim “renovação de energia”. Tem coisa mais gostosa do que começar uma nova era dentro de sua trajetória? Fazer diferente, criar novos objetivos e expectativas, construir novos sonhos, ter realizações mais concretas? Se recriar não é sinal de fraqueza! Acredite!

 

Em uma época como a nossa, que todo mundo tem direito de gritar o que pensa aos quatro cantos do mundo, porque iríamos gostar de viver em um lugar restrito e limitado? Ah, porque isso tudo me cansou e acho que nessas épocas anteriores o ser humano tinha mais valor. Então faz um favor para você mesmo (a), olhe para o ser humano ao seu lado e valorize-o. Comece com um simples sorriso e com certeza você terá muito mais em troca. Sabe o que é isso? Recriar o que você acredita dentro do que não te satisfaz. Complicado? Aposto que é muito mais simples do que tentar construir uma máquina do tempo ou encontrar um espaço qualquer que te leve para 1812. Pense nisso e comece a mudar sua vida, você não precisa ser mais um no meio da multidão. Você pode ter seu próprio brilho e sua própria luz, seja feliz com a vida que tem! Ela é preciosa demais para ser vivida em depressão!