O que foi aquele episódio de ontem de Game of Thrones? Fiquei tensa desde a semana anterior quando passou o teaser do nono episódio, esperei ansiosamente ontem o dia inteiro e parecia que 22h não chegava nunca nessa vida, mas finalmente chegou e até a abertura que teoricamente já estava acostumada me emocionou. Tudo bem que tratava-se do episódio da guerra e sinceramente, desde que a temporada foi anunciada no ano passado com o título The War is comming, já esperava por este momento. E ela chegou, no nível que eu imaginava que seria em Game of Thrones… com muito sangue e ritmo medieval, tudo que um bom nerd gosta de assistir!

 

Estava na dúvida se postava ou não alguma coisa com spoilers, mas não resisto…então se ainda não assistiu e tem frescurites agudas com spoiler…deixe para ler este post depois, ok?

 

O começo do episódio me deixou meio tensa (lembrando aqui que ainda não li os livros, estou esperando terminar essa segunda temporada para ler logo o primeiro e o segundo…digam o que quiserem, me planejei assim e é o que farei!). A atitude do Tyrion é sempre a mais esperada nesta segunda temporada, o anão tem ditado as regras do jogo (não é a atoa que tem o salário mais alto da temporada) e Joffrey tem sido um rei lambão que está sendo finalmente colocado de lado (não aguarentava mais as atitudes mimadas do moleque).

 

Tyrion deu as ordens para o início da guerra com toda a pompa e circunstância que um anão sabe ter e, sinceramente, foi a primeira parte do episódio que me chamou mais atenção. A flecha com uma pequena tocha de fogo seguindo rumo ao mar em direção ao único navio dos Lannisters fez com que por 5 segundos estivéssemos todos ligados…nós espectadores, Tyrion, Joffrey e os barcos de Stannis. Todos unidos em uma só tensão e apreensão… e no final das contas, o fogo verde lambeu tudo e todos que estavam pela frente – cena impecável! Momento único que ficará guardado na memória de todos os fãs e que será recontada por bardos e bêbados de tavernas nos próximos séculos.

 

A segunda cena, mais desconcertante do que qualquer outra coisa, foi a da rainha nos aposentos de esconderijo das mulheres e crianças zombando do jeitinho “ingênuo” de Sansa, dando vinhos para a menina se embebedar, contando relatos de seu passado, tentando justificar o absurdo de seu relacionamento com Jamie Lannister e assustando a menina com relação a seu passado com Joffreu e com os invasores do castelo. Bêbada e completamente sem noção do que estava tagarelando, é claro que ela ordenou a seu mais novo capacho Lannister que trouxesse Joffrey escondido ao castelo e o levasse a seus aposentos… Covardia de mãe…covardia de Joffrey que… estava quase se borrando ao lado de Tyrion na frente de guerra. Um pequenino e maldoso covarde esse Joffrey. – momento freak da história.

 

Nada como o momento final em que várias personalidades foram ‘teoricamente’ reveladas e jogadas em nossa cara… o cão abandonou a guerra e disse claramente que queria que o “rei morresse sozinho”, procurou por Sansa e demonstrando ter pelo menos 10% de uma tendência boa, lhe ofereceu proteção para fugir e retornar a Winterfell. Veio a calhar essa ajuda. Tyrion discursando em suas melhores palavras de guerra convencendo a guarda real a não abandonar a batalha… tirou da manga o plano alternativo de defesa de Westeros e liderou o que seria, infelizmente, sua última batalha. Triste e decepcionante…a cena foi pequena, à altura do pequeno herói… acredito no bem maior, então espero que sua morte seja justificada em algum momento da história. A cena da rainha no trono com seu pequenino herdeiro, contando histórias (ainda alcoolizada) e com o veneno em mãos, pronta para dizer tchau ao mundo foi bruscamente (e decepcionantemente) interrompida por um “papai Lannister” determinado a ganhar a guerra. Não curti, acho que a liderança Lannister já poderia ter acabado… Mas como Robb pode ter sucesso sobre a família que lhe fez tão mal…se ele mesmo não retirar esses loirinhos insuportáveis do poder?

 

Bom, que o último episódio seja realmente um divisor de águas entre a história que estamos mastigando desde a primeira temporada e o fim dessa autonomia Lannister que não parece ter fim… Vamos esperar, aproveitar este último momento com os personagens e passar a cultivar nosso sofrimento até a terceira temporada…

Compartilhe: