Se você acha que o mundo parece ser um lugar mais violento e brutal nos dias de hoje, bem, isso é porque você provavelmente não prestou muita atenção nas aulas de história. É claro que você sabe que houve muitas guerras, opressão e tal. Mas, nós não estamos falando sobre isso, nós estamos falando sobre pessoas ricas e poderosas que fizeram coisas tão apavorantes que, se você visse em um filme, você acharia que o escritor é algum psicopata!

Phalaris de Agrigento

Phalari de Agrigento era um líder muito eficaz; ele construiu sua cidade-estado em um lugar próspero e bem equipado para criar uma família. Em teoria, isso faz com você queira aterrissar a sua máquina do tempo caseira naquela época. Na prática, levaria cerca de 0,2 segundo para Phalaris dar a ordem para assar sua bunda ao vivo em uma câmara de tortura de metal em forma de um touro.

Phalari (o ditador eleito de Agrigento, Sicília entre 570 e 554 aC) é um exemplo perfeito do dilema mais antigo da humanidade: você toleraria um líder capaz, mas que gosta de distribuir tortura sádica de vez em quando? Seu método favorito era conhecido como o touro de bronze. Esta estátua oca touro foi apresentada a ele por um artista grego chamado Perillos. O touro tinha um alçapão instalado no ventre, de modo que o condenado poderia ser fechado dentro da estátua com uma fogueira acesa por baixo. Como o metal aquecido, a pessoa presa dentro seria gradualmente torrada à morte. Para mostrar que o projeto é realmente do diabo, a acústica do touro faz com que os gritos da vítima pareçam mugidos, dando muito mais “emoção” para a tortura.

Perillos não percebeu que entregar um novo dispositivo engenhoso de tortura e execução à um ditador sanguinário não era uma boa ideia. Quando Phalaris ganhou seu novo brinquedo, ele exigiu uma demonstração do próprio artista e, então, trancou Perillos dentro da engenhoca. Já que os gritos do criador demonstraram que o touro funcionava exatamente como anunciado, Phalaris resgatou Perillos de dentro do touro… Tudo para que ele seja jogado de um penhasco para a morte. (hehehe)

Este incidente deu o pontapé inicial de uma longa seqüência de torrefações fatais. Para o restante de seu reinado, Phalaris recheou com vítima após vítima o bovino de bronze, para o gozo de ninguém, além de si mesmo. Enquanto isso, seus súditos nunca mais comeram nenhum churrasco.

Felizmente, esta situação desagradável não estava destinada a durar, e Phalaris, eventualmente descobriu que assar gera um karma enorme. O tirano foi finalmente derrubado pela revolta inevitável das pessoas e, de acordo com alguns historiadores, o seu sucessor não viu punição melhor do que usar a amada vaquinha de bronze em Phalaris.

Imperador Tibério

O “não tão famoso” e insano Imperador Tibério governava Roma, de um modo maléfico, antes da posse de seu sobrinho-neto Calígula: ele amarrava os órgãos sexuais masculinos de seus inimigos com cordas de alaúde, para eles não pudessem urinar e, em seguida, obrigava-os a beber grandes quantidades de vinho, até a bexiga finalmente explodir.

Por isso, ser inimigo do Imperador era geralmente visto como uma notícia péssima. E qualquer um poderia acabar se tornando inimigo dele. Por exemplo, quando Tibério notou que seus netos Nero e Druso estavam ganhando popularidade, começou uma campanha de difamação, que culminou com ele declarando seus próprios netos como inimigos do Estado. Segundo alguns historiadores, ele então começou “dar dicas” para o neto, mandando um carrasco ficar de pé na janela de Nero, segurando laço e um monte de ganchos desagradáveis, até o neto se dar por vencido e se suicidar, para evitar o inevitável castigo “amarra-pau”.

Druso teve ainda menos sorte. Depois de uma longa pena de prisão, Tibério simplesmente parou de alimentá-lo, até que o homem morrendo de fome foi forçado a comer a sua própria roupa de cama para afastar a morte por mais algumas horas. Ele durou nove dias.

Mesmo os amigos do Imperador não estavam mais seguros. Uma vez, Tibério convidou um amigo de Rhodes para uma visita, apenas para esquecer completamente do convite quando o cara chegou. Não sendo o tipo de homem que se preocupa em lembrar de rostos, a reação natural de Tibério foi confundir o amigo com um informante aleatório e colocá-lo à tortura.
Atos de crueldade devassa também foram para o curso. Durante uma das visitas Tibério ao campo, um humilde pescador tem a ideia de mostrar sua afeição por seu líder, apresentando-lhe uma grande carpa, recém-capturada. O Imperador respondeu ordenando à seus guardas para acabar com o pobre homem e esfregar sua cara nas escamas afiadas do peixe. O pescador, golpeado, comentou que estava feliz por não ter oferecido ao Imperador o caranguejo gigante que havia pescado. Então, Tibério Joselito prontamente ordenou que buscassem o caranguejo da casa do homem.

Rei Goujian de Yue

O Rei Goujian foi um estadista chinês que possuía a maneira mais anormal de ganhar lutas na história da guerra: a vitória através de seus próprios homens cortando suas gargantas em frente ao inimigo.

Um pouco da história: quando seu pai morreu no ano 496 aC, Goujian ganhou de presente uma desagradável coroação e um ataque feito pelo reino vizinho de Wu. Yue foi derrotado e Goujian foi levado para Wu, onde permaneceu em cativeiro até ele ser humilhado suficiente para convencer o rei de Wu de sua subserviência. Eventualmente, ele foi autorizado a regressar ao seu país, o que provou ser o pior erro que o povo de Wu iria fazer. Goujian passou dez anos reunindo sua força, pacientemente elaborando suas estratégias, e esperando o momento oportuno para atacar.

Goujian levou para o campo de batalha os dez anos de fantasias de vingança que martelavam sua cabeça. As coisas ficaram um pouco estranhas – antes de uma batalha particularmente importante, os dois exércitos estavam fazendo aquela coisa, onde eles se alinham e se olham por um tempo antes de cortar uns aos outros em pedaços, Goujian marchava em frente de uma linha de homens desarmados à frente de seu exército. Em plena vista do inimigo, esses homens, então, tiraram facas, gritaram, e cortaram as próprias gargantas. Depois disso, outra onda de homens se cortando se manifestou. Estes soldados suicidas eram criminosos condenados de Yue, condenados a acabar com suas vidas apenas para confundir o inimigo momentaneamente. Esta loucura foi um bom método pois, enquanto as tropas inimigas olhavam de queixo caído e contemplavam o que poderiam esperar de uma luta contra pessoas que estavam preparadas para se matar por nenhuma razão além de efeito dramático, o resto das forças de Goujian se deslocava por trás e aniquilava a todos.

Papa Inocêncio VIII

O Papa Inocêncio VIII fazia exatamente o que você imaginava que um líder significativo religioso do século XVI devia fazer: passava os dias travando cruzadas, incentivando a conversão forçada, e chamando todo mundo de bruxa. Durante seus últimos dias, sua saúde começou a falhar misteriosamente. Este era um problema, porque essa era a Era de “aplicar sanguessugas e mercúrio” da tecnologia médica, e ninguém parecia saber que tipo de doença atormentava o Papa. Inocêncio estava com febre alta, entrava e saia de comas, e pra finalizar, ele já não tinha uma vida saudável. Para os médicos era viver ou morrer. Em um golpe de ironia, o médico pessoal do papa, estritamente anti-feitiçaria, tomou a decisão de ignorar formas mais convencionais de tratamento e pular para o lado mais bruxo da força que ele poderia pensar: beber sangue humano. O médico tinha três meninos de dez anos de idade, trazidos para o Vaticano para servir como doadores. Aparentemente, o bom médico nunca havia aprendido como tirar sangue adequadamente, porque ele drenou tanto sangue dos meninos que o procedimento matou a todos eles. Seu sangue foi então utilizado para preparar um projeto para o papa para beber, na esperança de que ele iria prolongar a sua vida.

E então surgiu o Papa vampiro, a amargura dos cinco continentes, que secretamente governa o mundo com um punho de ferro até hoje, e AI MEU DEUS! Ele está de pé atrás de você agora!

Bem, é meio óbvio que nada disso aconteceu. Na realidade, este medicamento desajeitado, considerado por muitos como tendo sido uma tentativa de transfusão de sangue, não funcionou. Inocêncio VIII morreu alguns dias depois, presumivelmente com um sabor horrível na boca. A humanidade levou mais 100 anos para descobrir que essas coisas funcionam melhor quando o sangue realmente vai para corrente sanguínea do paciente.

James Jameson

James Jameson era um jovem de nome cliché e, herdeiro da fortuna Jameson Irish Whiskey no final do século XIX, bem antes do movimento de proibição Estados Unidos quase derrubar o império da família. As coisas ainda eram boas para os Jamesons, e James gostava da sua estereotipada e privilegiada educação, beber chás extravagantes e viajar enquanto esperava a pilha gigante de dinheiro da família cair no colo dele. Ah, e uma vez que ele comprou uma jovem escrava e a entregou como alimento à canibais, apenas porque ele podia…

Na época, vários países imperialistas da Europa estavam lutando sobre quais pedaços da África que desejavam obter para oprimir, e milhares de pessoas negras de todos os cantos do continente se reuniram para lutar suas guerras para eles. James Jameson aproveitou a oportunidade para visitar o Congo, porque ser rico o suficiente significa que você pode perambular livremente em zonas de guerra para aproveitar a atmosfera e, ao mesmo tempo, se colocar em risco mínimo, mas excitante.

Uma noite, durante a sua estada, Jameson começou a perguntar sobre o canibalismo para seu intérprete. Ele ficou fascinado com a idéia, mas nunca tinha visto isso acontecer. O intérprete consultou o assunto com os chefes locais, que concordaram em mostrar a Jameson como era o canibalismo. Só que, ao invéz de acontecer como nos episódios de Tom e Jerry (Jameson sentado em um caldeirão gigante com várias batatas), as coisas tomaram um rumo escuro. Tudo o que Jameson tinha que fazer era comprar uma pessoa para os canibais comer, e ele teria o seu show. O herdeiro Whiskey prontamente concordou, e pagou o preço elevado do valor de seis lenços de pano por uma menina de 11 anos de idade. Ele prontamente entregou-a a um grupo de moradores, agarrou seu bloco de desenho, e desenhou esboços dos eventos como eles esfaqueado e desmembrado ela. Segundo algumas fontes, ele ainda presenciou como eles prepararam e serviam seus restos mortais. Em seguida, ele se retirou para sua tenda e terminou seu trabalho com as aquarelas.

Sim, uma jovem perdeu a vida para que um magnata uísque possa criar versões mais sangrentas das pinturas bregas que você pendura em seu banheiro. Em seguida, ele foi para casa e herdou mais dinheiro do que qualquer um de nós nunca vai ver.

Então gente, na próxima vez que você ver manchetes de hoje e pensar ” Meu Deus, onde o mundo vai parar?”, lembre que desde sempre houveram vilões psicopatas para inspirar as pessoas de hoje!

Compartilhe: